Archive for junho \29\UTC 2006

Cilada Emocional

junho 29, 2006

Reportagem enviada por Ricardo Viana, publicada no Jornal Valor Econômico:

Cilada emocional
Por Catherine Vieira
20/06/2006

O empresário Hélio do Amaral começou a investir em ações há cerca de três anos, como forma de turbinar a renda de sua futura aposentadoria. Até maio, com a animadora seqüência de altas no mercado local, ele nunca precisou rever a estratégia. Com as turbulências iniciadas em maio, porém, o temor de colocar o futuro em risco assustou Amaral. Assim como milhares de investidores individuais, que passaram a abarrotar os chats na internet e as centrais telefônicas das corretoras, ele se viu diante da necessidade de tomar uma decisão: é hora de vender ou devo manter minhas posições?

É justamente nestes momentos, de maior pressão, quando o assunto envolve decisões estratégicas, que os especialistas do comportamento humano alertam: cuidado com as armadilhas internas.

Quando o mercado passa por momentos de virada e os investidores precisam decidir o que fazer em relação ao novo cenário, ficam mais evidentes os fatores que mostram que os aplicadores não se comportam de forma puramente racional, lembra o professor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e especialista em finanças comportamentais Jurandir Sell Macedo. Eles são também influenciados pelas emoções e as chamadas “ilusões cognitivas”. “Quem só conhece mercado em alta pode ter essa ilusão, mas a queda também faz parte da dinâmica e quem não convive bem com isso não deve investir em ações”, diz.

Um artigo dos especialistas John Hammond, Ralph Keeney e Howard Raiffa na revista Harvard Busines Review enumerou as sete ciladas psicológicas que costumam atrapalhar gestores de negócios e carteiras na hora da decisão. A primeira das chamadas “armadilhas ocultas” é a que eles chamaram de efeito-âncora, que leva o investidor a dar um peso desproporcional à primeira informação recebida sobre determinado assunto. Já a armadilha do status quo mostra a tendência a manter a carteira ou posição como está, ainda que possam haver alternativas melhores, enquanto o problema do custo irrecuperável leva o investidor a perpetuar erros cometidos no passado por evitar realizar algum prejuízo. Outro vício é aquele que faz com que as pessoas tentem sempre buscar dados que confirmem suas teses e recusar dados que as refutam.

Há ainda a questão do excesso de confiança, que leva a superestimar a exatidão das próprias projeções ou de terceiros ou, ao contrário, a armadilha da prudência exagerada, que traz demasiada cautela na hora de prever eventos incertos. Por fim, há o efeito lembrança, que é uma espécie de trauma no qual o indivíduo acaba atribuindo um peso desmedido a eventos recentes e dramáticos.

Ao contrário do que ocorreu em outros momentos de volatilidade do passado, os investidores individuais revelam uma paciência maior com o sobe-e-desce. Isso também é explicado pela fase prolongada de altas do Índice Bovespa, que chegou a valer 8.500 pontos em 2002 e este ano, antes dos solavancos, foi perto dos 42.000 pontos. “Não vou dizer que não dá medo olhar o mercado em queda, o mercado está perigoso”, diz o empresário Hélio Amaral. Cliente da Corretora Ativa, ele prefere continuar acompanhando de perto antes de tomar a decisão de vender. “Mas estou mais cauteloso, não dá para entrar em qualquer lançamento de ações, por exemplo.”

O diretor de varejo da corretora Ágora Senior, Marcelo Smarrito, conta que os clientes aumentaram muito o volume de consultas e freqüência aos chats. “Mas em geral eles têm mantido as posições”, conta o executivo.

Se as decisões tomadas hoje são acertadas é difícil saber, diz Macedo, da UFSC. Mas, pelo menos num ponto, o especialista acredita que a atitude atual dos investidores pode estar sendo mais positiva do que em outros momentos. “Não ser movido pelo pânico e não tentar vencer o mercado a todo momento já é um bom caminho, demonstra um maturidade maior do investidor brasileiro”, diz. “O que os estudos de finanças comportamentais mostram é que bater o mercado, ou seja, os índices básicos, com consistência, é praticamente impossível”, acrescenta.

O especialista americano Meir Statman, que esteve no Brasil no mês passado, lembrou que justamente dessa conclusão nasceram os chamados fundos de ações passivos, ou fundos de índice, que só reproduzem as carteiras teóricas dos índices.

De acordo com o especialista catarinense, muitos investidores tendem a acreditar que podem conseguir sempre superar o mercado, a começar por ele próprio, que também é consultor. ” Eu tenho um perfil muito especulador e um dos clientes que eu assessoro é superconservador, quase não gira a carteira e gosta de bons dividendos “, conta Macedo. “Sempre achei que eu ganhava muito mais que ele e, um dia, coloquei na ponta do lápis e descobri que, num período de oito anos, minha carteira perdia em 3% para a dele”.

Para se livrar das ciladas, os especialistas recomendam comprar devagar, vender devagar, não ficar suscetível a momentos de pânico e manter-se fiel aos objetivos. “Quem quer juntar dinheiro para comprar um apartamento por exemplo, quando a quantia já for suficiente, deve vender as ações e comprar o imóvel”, diz Macedo. “Não se pode ceder à tentação de acreditar que a bolsa só sobe e ficar sempre tentando ganhar mais, assim como não se deve resistir a realizar um ganho menor porque surgiu uma queda”, conclui.

Valor Econômico

A arte de escrever difícil

junho 24, 2006

Um belo texto publicado hoje (24/06) no Estado de S Paulo sobre a arte de escrever difícil:

O hábito de escrever e falar difícil

De onde vem o gosto pela incomunicabilidade? Vem de longe, mas hoje pelo menos os jornais primam pela expressão enxuta

Aluízio Falcão

A exposição sobre o nosso idioma e sua merecida repercussão trouxe para as salas de aulas e páginas de jornais um debate enriquecedor sobre o tema. Houve, na abertura do evento, reparos a imprecisões históricas em alguns de seus painéis, mas feitas num tom não construtivo que denunciava, antes do zelo, uma certa inveja dos formuladores. A exposição não sofreu com isso e despertou grande interesse da população.

Passado o impacto sobre a beleza da lusofonia, é preciso retomar a batalha por sua clareza. Até acho que todos os dicionários deviam ter na capa aquele aviso da propaganda de cerveja: use com moderação. A Língua Portuguesa precisa de um regime para emagrecer. Deve urgentemente perder celulites que agridem a decantada formosura do seu corpo. Perdão leitora, mas não há outro termo, somente celulite corresponde ao tenebroso vocábulo aleivosia, por exemplo, tão presente na oratória política e em alguns escritos que leio de vez em quando. Na tribuna, Suas Excelências querem afirmar que não admitem injúrias e acabam por dizer que não admitem aleivosias. Há outros recursos, talvez mais feios. Dizem “condutas deste jaez”, quando poderiam dizer simplesmente “condutas desse tipo”. Jaez, ínterim, encômio, vitupério, entrementes… a lista daria um dicionário. Um dicionário de sinônimos, provando que a cada palavra rebarbativa corresponde outra mais bonita e mais simples, de igual significado, que todo mundo entende. O problema é que falar difícil ainda confere status perante certas platéias. Ainda ontem, no restaurante, escutei um vizinho de mesa explicando qualquer coisa: “Esforço hercúleo…” A julgar pelo franzido nas testas de sua mulher e dos filhos, ninguém entendeu o hercúleo.

De onde vem esse gosto pela incomunicabilidade? Vem de longe, dos primeiros bacharéis. Não satisfeitos com os excessos em português, decoravam um latinório para rechear de sabedoria suas petições e recursos. Um amigo advogado, Núncio Nastari, divertiu-me com páginas e páginas dessas invocações. Pesquei algumas: est modus in rebus (cada caso é um caso); ad argumentandum tantum (apenas para argumentar); data venia (com o devido respeito); res nulius (coisa de ninguém); dura lex, sed lex (a lei é dura, mas é lei); pacta sunt servanda (os contratos devem ser respeitados); ad impossibilia nemo tenetur (ninguém é obrigado ao impossível); mutatis, mutandis (mudando o que deve ser mudado) e vai por aí a listagem do Núncio.

Ainda hoje tais preciosismos adornam os papéis jurídicos. Rui Barbosa foi um precursor. Profissionais de outras áreas também criaram jargões próprios, dificultando a compreensão de seus textos pelos outros mortais. Daí o “economês”, o “sociologuês” e outros idiomas dentro do idioma.

Houve uma literatura de linguagem complicada, que parte da crítica endeusou exatamente pelos exageros formais, e não por seu conteúdo superior. Foi o caso de Os Sertões, do grande Euclides da Cunha, repleto de afetações que mais escondiam do que mostravam a genialidade do autor. Joaquim Nabuco, em seus Diários, registra que não agüentou ler os adjetivos de Euclides: (…) “Aqui a floresta impede também de ver as árvores. É um imenso cipoal; a pena do escritor parece-me mesmo um cipó dos mais rijos e dos mais enroscados. Tudo isso precisa ser arranjado por outro, ou de outra forma.” E houve um excelente poeta brasileiro, Augusto dos Anjos, que se tornou famoso pelos seus piores versos, aqueles de linguajar rebarbativo: “Cosmopolitismo das moneras / pólipo de recônditas reentrâncias…”

Os jornais, que no passado imitavam a literatura pedante, hoje primam pela expressão enxuta, e com isso prestam importante serviço ao idioma. Inclusive quando incorporam uma linguagem que, pelo uso corrente na oralidade, adquirem o direito de ingressar na linguagem escrita. Machado de Assis defendia esse valor da espontaneidade. Escreveu, a propósito de vocábulos que pulam das ruas para o papel: (…) “Eles nascem como as plantas da terra. Não são flores artificiais de academias, pétalas de papelão recortadas em gabinetes nas quais o povo não pega. Ao contrário, as geradas naturalmente é que acabam entrando nas academias.”

Os parnasianos contribuíram fartamente para difundir os palavrões. O termo é aqui usado para definir palavras solenes, cobertas de lantejoulas, que passeiam a sua pose nos sonetos. Mesmo aquele de Olavo Bilac sobre a Língua Portuguesa e que começa com “Última flor do Lácio, inculta e bela”, merece reparos. Primeiro, porque o poeta imaginou que todos os seus leitores tinham a obrigação de saber que o Lácio era uma antiga região da Itália, onde primitivamente se falava o latim. Segundo, porque já no quarteto seguinte ele chama sua musa de “Tuba de alto clangor”, parecendo insultá-la. Ainda bem que se redime dos excessos iniciais nos dois belos tercetos aqui transcritos em homenagem ao autor e ao nosso idioma:

“Amo o teu viço agreste e o teu aroma / De virgens selvas e de oceano largo! / Amo-te, ó rude e doloroso idioma, / Em que da voz materna ouvi: ‘Meu filho!’, / E em que Camões chorou, no exílio amargo, / O gênio sem ventura e o amor sem brilho!”

Sonetos, discursos e papéis jurídicos não foram os únicos a prejudicar a clareza do texto em português. É preciso lembrar as dissertações acadêmicas, especialmente aquelas da área de humanidades. Claro está que várias teses desta área contribuíram decisivamente para o avanço do conhecimento e a compreensão do Brasil. Mas houve outras, e também muitas, que vieram mais para complicar do que para explicar. Ainda bem que não saíram em livros. Esconderam-se, xerocadas, no escurinho das bibliotecas. Talvez com algum acanhamento de serem tão ininteligíveis e confusas.

Deixei para o fim, como nas estórias policiais, um culpado acima de qualquer suspeita. Ele goza de certa respeitabilidade e provavelmente não tem exata noção do mal que faz, em nome do bem. Estou me referindo ao gramático obsessivo, um guardião fundamentalista do idioma, que também age como carrasco da boa prosa. Não falo de bons e anônimos professores de português empenhados em difundir as boas normas nas escolas secundárias. Palmas para estes heróis obscuros que nem sempre têm o reconhecimento dos alunos e dos patrões, sejam estes governos ou empresários do ensino. Mas o purista ortodoxo trava a fluência da escrita, inibe os predicados que a embelezam para receber a visita dos leitores. O purista não é mau sujeito, ele erra supondo combater o erro. Um pai antiquado, rigoroso além da conta, que proíbe a filha de se fazer bonita para os rapazes. E, sendo intolerante como um pai de outros tempos, adora palavras daquele repertório dos oradores e passadistas em geral.

Grandes criadores na literatura mundial já se queixaram amargamente das restrições desses fiscais do vernáculo, que não abrem um livro em busca de prazer estético, e sim de erros para denunciar ou criticar. Não são erros, mas carícias de quem adivinha, pelo trato constante e apaixonado, as mil possibilidades que as palavras oferecem aos seus verdadeiros amantes. Palavras, palavras. Poetas e escritores dormem com elas, decifram seus mistérios. Nessa intimidade o texto é concebido. Já os gramatiqueiros, brandindo regras inflexíveis, não cansam jamais em sua tarefa de patrulhar as aventuras das meninas com os seus artistas.

O custo de não fazer

junho 23, 2006

Uma reportagem do Wall Street Journal de hoje mostra o custo de não fazer. No caso, refere-se ao filme do Superman, adiado várias vezes.

A reportagem completa a seguir:

O supercusto de não realizar um filme
June 23, 2006 4:05 a.m.

Por Kate Kelly
The Wall Street Journal

Alguns anos atrás, o então presidente de produção da Warner Bros. Entertainment, Bill Gerber, levou um pequeno grupo de pessoas de Hollywood para uma luxuosa casa de veraneio que o estúdio mantinha em Acapulco. Entre eles estava o agente Gerry Harrington, cujo cliente Nicolas Cage havia sido escolhido para o papel principal numa nova encarnação da série de filmes Superman.

Logo depois de chegarem lá, Gerber recebeu um desagradável telefonema informando-o que o estúdio estava descartando o projeto com Cage por questões de orçamento e roteiro. “Eu tinha a nada invejável tarefa de dizer a Gerry Harrington que estava tudo acabado”, lembra Gerber. “Foi um desastre.”

Oito anos depois, a Warner Bros., da Time Warner Inc., está pronta para apresentar sua nova versão do mais famoso super-herói. Superman – O Retorno — que estréia dia 28 de junho nos EUA e 14 de julho no Brasil — traz o pouco conhecido ator Brandon Routh e o diretor de X-Men, Bryan Singer. A Warner Bros. diz que o filme custou US$ 228 milhões mas que, com a isenção de impostos por ter sido feito na Austrália, o desembolso ficou perto dos US$ 209 milhões.

Nos últimos dez anos, a Warner Bros. experimentou cinco diretores, várias equipes administrativas no estúdio e pelo menos dez roteiros na tentativa de trazer o Super-Homem de volta à tela. A série estava dormente desde Superman IV – Em Busca da Paz, de 1987, o último e menos popular dos filmes com Christopher Reeve.

O esforço da Warner para relançar Superman é prova de que, em Hollywood, os filmes que não são feitos podem ser tão penosos e custosos quanto os que são. Estima-se que as versões fracassadas de Superman que precederam o filme de Singer custaram à Warner US$ 60 milhões em despesas de desenvolvimento, segundo entrevistas com mais de uma dúzia de atuais e ex-executivos, roteiristas, diretores e consultores que estiveram envolvidos no projeto em várias fases. Esse é o custo médio atualmente de uma produção hollywoodiana.

A Warner Bros. diz que esses custos já foram baixados de seu balanço. Mas a experiência mostra que mesmo a tarefa aparentemente simples de passar uma história popular de gibi para o celulóide às vezes pode virar uma peregrinação agonizante e custosa.

O projeto de Superman – O Retorno nasceu em 1993, quando a Warner Bros. adquiriu os direitos de fazer um novo filme do Homem de Aço. Jon Peters, o produtor ligado ao filme, trocou de roteirista pelo menos três vezes até 1997, passando por Jonathan Lemkin, um veterano roteirista de televisão, e Kevin Smith, do sucesso independente O Balconista. A Warner Bros. diz que 11 roteiristas custaram-lhe em média US$ 850.000 cada.

Mas foi tudo jogado fora em 1997, quando Tim Burton, diretor de Batman, entrou no projeto acompanhado por Cage e um novo roteirista de sua escolha, Wesley Strick. Mas o projeto, que seria baseado no quadrinho A Morte do Super-Homem, acabou engavetado no ano seguinte, por dúvidas quanto aos custos e ao roteiro, segundo pessoas à época envolvidas. O estúdio diz que gastou aí US$ 30 milhões.

Dali em diante, a Warner cogitou um filme de Batman contra Super-Homem, que seria dirigido por Wolfgang Petersen, de Na Linha de Fogo, mas voltou a arquivá-lo, antes de contratar Brett Ratner, que fez a comédia A Hora do Rush, para um novo filme só do Super-Homem.

Em seis meses de preparação, Ratner trabalhou com artistas de efeitos visuais e designers numa produção estimada em mais de US$ 200 milhões, gastando cerca de US$ 10 milhões. No começo de 2003, ele foi demitido.

A Warner Bros. finalmente acertou com Singer em 2004.

Conselhos de um Econometrista

junho 21, 2006

Com o crescimento dos trabalhos empíricos, a facilidade de acesso a programas estatísticos e a pressão para publicar, estão surgindo cada vez mais trabalhos quantitativos de pesquisa em contabilidade. Em alguns desses trabalhos é perceptível a existência de falta de conhecimento na área quantitativa; em outros, a falta de reflexão sobre o tema pesquisado.

Talvez por esse motivo, o paper de Peter Kennedy, publicado no Journal of Economic Surveys, vol 16 , n. 4, em 2002, seja útil. Kennedy apresenta algumas recomendações interessantes e num determinado ponto o autor diz que:

Um comentário de Ronald Coase que ´se você torturar um dado o suficiente, ele irá confessar´”

Ou seja, a ferramenta econométrica pode ser utilizada para provar o improvável. Nesse sentido, o autor chama a atenção para a necessidade de produzir a resposta correta para a pergunta errada.

Além disso, Kennedy enfatiza a necessidade de conhecer o que está sendo pesquisado. Isso inclui conhecer os dados: como foram gerados, como foram selecionadas as amostras, o que são as variáveis, como foram tratadas, etc. “Dados são números com um contexto. Conheça o contexto” afirma Kennedy. Isso inclui inspecionar as informações, fazer estatísticas descritivas, plotar gráficos, estudar o sentido da significância estatística dos resultados, relatar uma analise de sensibilidade (publicando todas as regressões rodadas, relatando o efeito no resultado de uma redução no período de tempo da pesquisa, por exemplo) etc.

Futebol 10

junho 21, 2006

Do Jornal Valor Econômico de 21/06/06:


Opções de Brasil caem 17% desde a estréia

Por Adriana Cotias
Investidores dos quatro cantos do planeta não perdoaram a tímida atuação da seleção brasileira nos dois primeiros jogos da Copa do Mundo e as opções de Brasil campeão perderam mais de 17% da cotação que tinham às vésperas do início do campeonato. Ontem, eram negociadas com um intervalo de US$ 21,3 e US$ 21,8 para compra e venda, respectivamente, ante os US$ 26,2 e US$ 26,3 de 5 de junho, segundo o site Tradesports.com. O valor máximo pode chegar a US$ 100, o que representa a escala de probabilidade que vai até 100% para um time vencer o torneio.

Mesmo assim, o pelotão repleto de celebridades comandado por Carlos Alberto Parreira ainda se mantém no topo dos favoritos. A seleção da Argentina, por sua vez, foi a que mais se valorizou de lá para cá, refletindo a boa estréia na partida contra a Costa do Marfim e, principalmente, a goleada de 6 a 0 no embate com o time da Sérvia e Montenegro. As opções mais do que dobraram de valor e ontem eram negociadas a US$ 19,4 e US$ 19,8 para compra e venda, respectivamente, em comparação aos US$ 9,6 e US$ 9,8 do período que antecedeu o início do torneio mundial.

Com o atual nível de preços, a seleção argentina passou a ocupar a segunda posição entre as mais cotadas para erguer a tão almejada taça na final de 9 de julho, desbancando Alemanha e Inglaterra, que passaram ao terceiro e quarto postos – trocando também as posições entre si, já que a Inglaterra abriu o campeonato como a segunda favorita. A Espanha, que estreou bem, com quatro gols contra a Ucrânia e depois bateu a Tunísia por 3 a 1, teve valorização de 81%, cotada a US$ 9,4 e US$ 9,6, ante os US$ 5,2 e US$ 5,3 de 5 de junho.

Perdas significativas tiveram ainda os contratos sobre opções da Itália, com desvalorização de 10,8%, cotados a US$ 7,1 e US$ 7,4, e, os da França, com perda de quase 44%, negociados a US$ 3,6 e US$ 3,9, após dois empates, um contra a Suíça e outro em que teve a Coréia do Sul como rival. Já viraram pó e não dão mais jogo as seleções desclassificadas antes mesmo do fim da primeira fase do mundial: Costa do Marfim, Sérvia e Montenegro, Polônia, Irã e Togo.

Já nos bastidores do mercado local, quem vendeu opções de Brasil e comprou as da Argentina – a melhor arbitragem dada a distorção de preços – já embolsa lucros. Antes de o campeonato iniciar, a seleção brasileira era negociada nas mesas de operações nacionais num intervalo de R$ 31 e R$ 33 (para cada R$ 100), ante os R$ 12 e R$ 13 da Argentina. As opções da seleção argentina agora saem a R$ 19 e R$ 20. Já as de Brasil campeão ficam entre R$ 29 e R$ 30.

As transações com opções de Copa do Mundo replicam aquelas pactuadas entre dois investidores no mercado real, mas a diferença é que não há um ativo para entregar no final como ocorreria com opções sobre ações. Se, por exemplo, uma das partes paga R$ 30 pelo Brasil, ela terá direito a R$ 100 se a seleção for campeã, embolsando um lucro de R$ 70 por contrato. Caso contrário, a ponta “vendida” (que apostou na derrota) em Brasil ganha o prêmio de R$ 30 e o outro fica com as mãos abanando.

No Brasil, as apostas são informais, realizadas na base da confiança, e não há um mercado organizado ou legal que centralize cotações ou ordens de compra e venda. A possibilidade de inadimplência é grande, mas, em geral, os operadores levam a sério os compromissos assumidos porque continuarão negociando ativos entre si depois do fim do torneio. Após os pregões da Bovespa e da BM&F, eles negociam de tudo: de candidatos a vencer o Big Brother Brasil a eleições.

Nas bolsas de apostas internacionais, as transações são formais e há até a possibilidade de se pagar os prêmios usando cartões de crédito. A variedade de opções de Copa é grande e chega a detalhes como o número de gols de cada time nas partidas, o total em todo o torneio, candidatos a artilheiros e, no caso brasileiro, há até contratos que embutem a possibilidade de Ronaldo, o fenômeno, começar a partida contra o Japão jogando ou não. Por enquanto, as cotações apontam como hipótese mais provável que ele fique no banco de reservas quando soar o apito que dará início ao jogo contra a seleção capitaneada por Zico amanhã.

E pelo andar das apostas no site inglês Ladbrokes.com, Adriano é o mais bem cotado para ser o goleador brasileiro, seguido por Kaká, Fred e Ronaldinho. Ronaldo ocupa apenas a quinta posição entre os favoritos a balançar as redes para o Brasil. Na comparação com outros times para o posto de artilheiro da Copa, Adriano tem o quarto lugar, atrás do espanhol Fernando Torres, de Miroslav Klose, da Alemanha, e de David Villa, também da Espanha. A previsão é que a seleção brasileira faça mais de dez gols ao longo do campeonato.

Como utilizar uma figura

junho 20, 2006

Quando estamos produzindo qualquer material, um dos princípios fundamentais é ser claro com o leitor. Um exemplo interessante sobre como fazer e como não fazer pode ser encontrado no sítio Creating Passionate Users

O que a segunda figura diz? Sugestões: “cada ser humano não pode ter mais de dois cães sob seu controle”; ou “você pode ter um cachorro alemão, um Sheepdog, mas não um Spaniels”.

No caso da figura, considerando que a resposta seja a primeira alternativa. Nesse caso, o que se deve fazer? O sítio propõe uma figura alternativa (a primeira mostrada aqui) e explica as razões da mudança:

=> Utilizar somente um tipo de cachorro. O melhor seria usar uma representação de um cachorro, sem preocupação com a raça. Nesse caso, diferença na imagem pode ser representada como uma informação significativa.

=> Incluir uma pessoa na figura, preferencialmente uma representação. O sítio coloca uma representação feminina, mas acho que a solução ainda assim não é adequada. Parece que está informando que “somente mulheres podem ter até dois cachorros”, levando a pensar que para o sexo masculino isso não seria válido.

=> Fazer um “x” na figura onde existem três cachorros.

Como o risco de um país afeta a estrutura financeira

junho 20, 2006

A empresas multinacionais adotam estratégias diferenciadas de acordo com o risco do país onde estão investindo. Segundo um trabalho divulgado por Desai, Foley e Hines Jr, denominado Capital Structure with Risky Foreign Investment, as empresas multinacionais administram sua estrutura de capital diante do risco do ambiente externo.

Os autores utilizaram mais de vinte mil observações para concluir que a estrutura financeira dessas empresas varia de acordo com o risco do país onde é feito o investimento. Isso é feito de duas formas. A primeira, através da redução do volume de recursos de capital próprio em ambientes mais arriscados. Nesse caso, as filiais são mais alavancadas (mais endividadas) do que a matriz.

Além disso, essas empresas também dividem as operações no estrangeiro com investidores locais. Entretanto particularmente tenho dúvidas se o uso de parceiros locais decorre da redução do risco ou se não seria uma forma de entrar no mercado.

Uma outra estratégia dessas empresas é utilizar a exportação para os países com risco como uma forma de reduzir a produção local, e consequentemente os investimentos.

O texto indica existir uma relação entre o risco do negócio e a estrutura de capital.

Auditoria do FMI e a crise da Argentina

junho 19, 2006

Uma reportagem do Jornal do Comércio sobre a auditoria do FMI e a crise da Argentina.

Auditoria – Relatório aponta erros cometidos pelo FMI na Argentina

Da redação, com agências

Um estudo de um trio de especialistas independentes contratados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) avaliou que o órgão manipulou e sonegou informações para proteger o próprio staff, esconder seus erros e acentuar a responsabilidade dos governantes da Argentina pelo colapso econômico ocorrido em 2001. O relatório divulgado na semana passada é mais uma sessão de análise da atuação do Fundo durante crise do país vizinho, que acabou levando a própria instituição para o divã. O FMI passa por uma crise sem precedentes em suas mais de seis décadas de existência, tanto financeira quanto de identidade.

O informe é uma espécie de “auditoria da auditoria” e põe em xeque os mecanismos internos do organismo multilateral. Os especialistas revisaram o trabalho da Oficina de Avaliação Independente OEI, na tradução do ingês) do FMI em dez países, incluindo a Argentina, para concluir que, no caso do país vizinho, o Fundo sonegou informações a seus auditores e os induziu a erros de análise.

“O staff manteve reservada informações do caso argentino. Não lhes informou (aos auditores da OEI) sobre as bases de um entendimento com Domingo Cavallo”, diz o texto. Cavallo era então o ministro da Economia argentino, responsável pela política de conversibilidade (um dólar equivalente a um peso), arrastada até o fim de 2001.

Segundo o relatório, naquele ano houve discussões com Cavallo sobre a possibilidade de fazer mudanças estruturais na política econômica se as reservas chegassem a um nível muito baixo. Essas conversas não foram divulgadas suficientemente nem a própria OIE as apontou, segundo o informe.

O estudo é categórico ao dizer que o relatório da OEI sobre a crise argentina “acomodou” suas conclusões para proteger os diretores do FMI. “O rascunho sobre as razões que levaram ao colapso argentino se foca nos erros de análise por parte do staff e dos diretores do FMI: a versão final do parágrafo, porém, se centra nos erros de avaliação das autoridades argentinas”, diz o grupo de especialistas liderado pela ex-diretora do FMI, Karin Lissakers. O governo argentino, que mantém tensa relação com o Fundo, não comentou o relatório, que ataca a gestão da “dama de ferro” Anne Krueger.

Para o presidente argentino, Néstor Kirchner, as receitas econômicas do FMI foram responsáveis pela crise argentina. Em janeiro deste ano, o país pagou toda sua dívida com o Fundo. Antes, Kirchner fez um duro discurso contra o órgão e pregou independência da política econômica do país.

O Fundo continua realizando missões de rotina no país. A última, na semana passada, elogiou a recuperação da economia argentina, mas deixou mais recomendações: afirmou que a inflação, a maior ameaça à economia que cresceu 8,6% no 1º trimestre, e as políticas do governo Kirchner para combatê-la “geram tensões que precisam ser resolvidas”.

Não é notícia de Contabilidade Financeira

junho 16, 2006


Eu sei. Não é notícia de Contabilidade Financeira. Mas não resisti pois trata da importância da informação que é evidenciada. É do sítio Terra:

Dono de carro roubado faz placa de “Frorianópolis”

Um veículo Toyota/Corolla preto roubado foi recuperado esta manhã por policiais rodoviários no km 439 da rodovia Régis Bittencourt, em São Paulo. O carro trazia grafado em suas placas o número MHM 0058, com localidade “Frorianópolis”, e não Florianópolis. O condutor do veículo foi preso.
A Polícia Rodoviária Federal descobriu, por meio da numeração do motor e do chassi, que as placas originais do veículo eram na verdade de São Bernardo do Campo (SP) e que o Toyota havia sido roubado em maio do ano passado.

O condutor confessou que comprou o carro, avaliado em R$ 50 mil, por R$ 5 mil, e o entregaria em um shopping em Florianópolis para uma pessoa desconhecida.

Ele foi preso e autuado em flagrante por uso de documento falso e receptação de carro roubado.

Futebol 9

junho 15, 2006

A revista The Economist explica a razão pela qual a Copa do Mundo é melhor que as Olimpíadas:

“… A Copa do Mundo, ao contrário das Olimpíadas, é mais difícil de manipular para propósitos políticos (…)”

PAra a revista, as Olimpíadas tem sido uma medida acurada do poder político mundial. Os alemães nazistas ganharam as de 1936, os Estados Unidos e União Soviética disputaram o primeiro lugar durante a guerra fria e provavelmente os chineses tentarão ficar em primeiro lugar em 2008, em Beijing.

Para a revista, na copa do Mundo

“existe somente uma superpotência – Brasil. Os italianos e franceses (…) permanecem formidáveis competidores no campo do futebol”

Apesar do prestígio do jogo em termos mundiais, a revista observa que é muito difícil – senão impossível – um governo criar um time vencedor. Novamente a comparação com as Olimpíadas é desfavorável. A revista lembra dos robôs da Alemanha Oriental, dos ginastas romenos e dos nadadores chineses, programados pelo estado. No futebol um time necessita não somente de atletas mas também de criatividade e estilo, que não pode ser fabricado pelos planejadores do estado. Mesmo tomar drogas parece não ajudar muito no futebol.

Por essa razão a revista conclui que numa competição entre as Olimpíadas e a Copa do Mundo, esta leva o título de maior evento do esporte.