AOL e a Invasão de Privacidade


Parece que a AOL está envolvida num escândalo de divulgação de informações dos clientes. Notícia publicada na imprensa informa que a empresa liberou para “pesquisa” milhares de consultas de busca dos seus clientes. Através destas consultas seria possível mapear os relacionamentos, os gostos, as indiscrições e as necessidades dos clientes.

Vide a seguir trecho da reportagem publicada no Estado de hoje. Grato a Beatriz por alertar para o insólito da notícia:

Invasão de privacidade na AOL

Três pessoas deixaram a empresa após vazamento de informações de 650 mil clientes

Tom Zeller Jr.

A AOL anunciou na segunda-feira a saída de sua diretora de tecnologia, Maureen Govern, duas semanas depois de a empresa ter sido alvo de intensas críticas por ter liberado na internet centenas de milhares de consultas de busca de seus clientes. Um pesquisador que põe as consultas online e um supervisor do projeto também deixaram a empresa.

A AOL, uma unidade da Time Warner, disse que planeja intensificar a proteção à privacidade dos dados, reconsiderar o período de tempo que retém os milhões de consultas de busca que os clientes fazem todos os dias e reeducar seus funcionários sobre a sensibilidade dos dados pessoais.

“Esse incidente aconteceu porque alguns funcionários não fizeram uso do bom discernimento nem consultaram nossa equipe encarregada da privacidade”, disse o presidente da empresa, Jonathan F. Miller, numa mensagem enviada aos empregados na segunda-feira. “Estamos tomando medidas adequadas em relação aos funcionários responsáveis.”

Maureen Govern havia sido contratada há menos de um ano para suceder a John McKinley. McKinley, que vinha comandando a divisão de serviços digitais, voltará ao antigo posto, segundo o memorando de Miller.

Kevin Bankston, advogado da Electronic Frontier Foundation, entidade de defesa dos direitos digitais que protocolou queixa na Comissão Federal do Comércio por causa da divulgação dos dados, disse que a reorganização na AOL não ataca a questão subjacente. “A troca de funcionários não vai chegar à raiz do problema”, disse. “É um problema que atinge a toda a indústria de pesquisa, não apenas a AOL.”

No fim do mês passado, quase 20 milhões de consultas representando os hábitos pessoais de busca na internet de mais de 650 mil clientes da AOL reunidos durante um período de três meses foram postados por um pesquisador da empresa, Abdur Chowdhury, num site acessível ao público.

Não foram acrescentados os nomes dos usuários nos dados da consulta, que se destinavam a ser usados por pesquisadores no universo acadêmico. Mas o conteúdos dos dados – que forneceram uma visão íntima e, às vezes, perturbadora do que os americanos buscam na web – se espalharam pelo circuito dos blogs e imediatamente começaram a levantar questões sobre a privacidade a que os consumidores têm direito quando usam os mecanismos de busca.

A AOL retirou os dados e desculpou-se pelo erro, dizendo que a divulgação não fora aprovada pela diretoria. Poucos dias depois, os dados foram descarregados, postados novamente e tornados passíveis de consulta em vários sites.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: