Archive for setembro \30\UTC 2006

Rir, apesar de tudo, é o melhor remédio – 05

setembro 30, 2006

Anúncios

Quando a sigla é importante

setembro 30, 2006

Clique aqui para ler

Ética HP

setembro 29, 2006

Mea Culpa

setembro 29, 2006

Mea Culpa

Na quinta-feira, dia 21 de setembro de 2006, fui alertado para o artigo FIC-A-1124, que seria apresentado no 30ª. Enanpad, com o título “Estudo Empírico do Grau de Compreensibilidade e de Legibilidade dos Relatórios de Administração e da Escala de Locus de Controle nos Cursos de Administração e Ciências Contábeis”. O alerta dizia respeito das “coincidências” existentes entre este texto e o artigo “Analise de Compreensibilidade e da Legibilidade dos Relatórios da Administração das Empresas de Capital Aberto do Setor de Energia Elétrica”, apresentado no 29ª. Enanpad.
O primeiro artigo foi apresentado para a comissão de avaliação como sendo de autoria de Patrícia de Souza Costa, Valéria Melo Claudino Xavier, Robson Santos Morais e Carmen Sylvia Borges Tibério. O segundo artigo é de minha autoria, em conjunto com Patrícia de Souza Costa e Fernanda Fernandes Rodrigues.
Diante da situação, consultei a pessoa que iria apresentar o primeiro artigo no 30º. Enanpad, mostrando as “coincidências” descobertas. Tive que escutar desculpas e ouvir algo como “meu currículo é bom e um artigo a mais ou a menos não faria falta”. No dia seguinte, na terça-feira, nenhum dos autores compareceu para a apresentação do artigo, talvez com receio de ser interpelado publicamente sobre as “coincidências” dos dois artigos.
Ao voltar de viagem do Enanpad tive a desagradável surpresa de saber que os problemas eram mais graves. Em primeiro lugar, descobri que parte do texto que imaginei ter produzido em conjunto com Patrícia de Souza Costa na verdade foi retirado, integralmente, da monografia de graduação de Antonio Carlos de Sousa e Silva, cujo título “Análise de Compreensibilidade dos Relatórios da Administração das Empresas Brasileiras do Setor de Energia Elétrica”. Esta monografia foi defendida na Universidade de Brasília, sob orientação de Patrícia de Souza Costa, em janeiro de 2005.
Meses depois combinei com Patrícia de Souza Costa e Fernanda Fernandes Rodrigues produzir um artigo para o Enanpad, que foi feito e apresentado no 29º. Enanpad.
Minha surpresa foi mais além ao constatar que estas coincidências atingiam vários artigos publicados desde então por Patrícia de Souza Costa, a saber:

• Análise dos Níveis de Compreensibilidade dos Relatórios de Administração da Petrobrás – Uma Pesquisa Empírica entre os Alunos do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – Autoria de Patrícia de Souza Costa, Ducineli Regis Botelho de Aquino, Anelissa Roberta Gadelha Palmeira e Diogo Henrique Silva de Lima, apresentado no 29º. Enanpad
• O teste de Cloze na Avaliação de Aprendizagem: O caso dos Alunos do Curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – de autoria de Patrícia de Souza Costa, apresentado no Congresso USP de Contabilidade
• O teste de Cloze na Avaliação de Aprendizagem: O caso dos Alunos das disciplinas de Contabilidade de Custos 1 do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio Grande do Norte – de autoria de Patrícia de Souza Costa, Ducineli Botelho de Aquino, Diogo Henrique Silva de Lima e Josicarla Soares Santiago, apresentado no IX Congresso Internacional de Custos, em 2005

Ou seja, a revisão bibliográfica feita pelo aluno de graduação Antonio Carlos de Sousa e Silva serviu para que Patrícia de Souza Costa participasse como co-autora de mais cinco artigos.
Em minha opinião isto é uma questão que fere a ética acadêmica e assim que soube do fato, decidi divulgar de forma ampla. Além disto, retirei a referência do trabalho do meu currículo Lattes. Também decidi solicitar ao editor da RAC, que aprovou o trabalho apresentado no 29º. Enanpad para publicação, a retirada do texto. Sinto-me constrangido pelo fato de ter sido orientador desta pessoa e ter incentivado a sua busca pela pesquisa. Entretanto, o seu comportamento não é condizente com uma pessoa que deseja prosseguir na profissão do ensino.
Sei que ao reconhecer este fato provoca, da minha parte, certo constrangimento. Mas, conforme os dizeres de um amigo, “mais vale um rubor de agora do que um amarelo de vergonha pela vida inteira”.

Quem ganhará o Nobel?

setembro 28, 2006

Para o Nobel de Economia temos as seguintes previsões:

The Guardian no ano passado: Robert Barro, Jagdish Bhagwati, Eugene Fama, Paul Krugman e Paul Romer

Matt Kahn tem algumas sugestões: a) Economia ambiental para Weitzman e Nordhaus; b) Teoria do comércio para Bhagwatti e Dixit; c) Macroeconomia (contra o Presidente Bush)para Krugman e David Brooks; d) Economia comportamental para Richard Thaler; e) Contratos para Hart, Holmstrom e Oliver Williamson; f) Economia do desenvolvimento para Dasgupta e Deaton; g) Finanças para Fama; g) Milgrom, Myerson e Maskin; h) Economia da Família para Mincer e Pollak; i) Política Econômica para Alesina, Persson e Tabellini; j) Moderna macroeconomia para Barro and Sargent

Tyler Cowen prevê Eugene Fama e Richard Thaler (eventualmente Kenneth French, um co-autor dos trabalhos de Fama)

Esperar até 10 de outubro…

Freakonomics 2

setembro 28, 2006

Os autores do sucesso Freakonomics estão preparando uma edição revista e ampliada o sucesso. Clique aqui para ler mais.

Um parasita do afeto humano

setembro 28, 2006


De um artigo do biólogo Fernando Reinach:

“quando o meio ambiente se modifica, os seres vivos incapazes de se adaptar são extintos. Por esse motivo um dos aspectos mais interessantes da biologia são as estratégias utilizadas pelos animais para sobreviver em novos ambientes. Meu exemplo favorito é uma espécie que desenvolveu a capacidade de explorar nossa habilidade de dar e receber afeto. Utilizando sua capacidade de parasitar diretamente nossa mente, esse animal conseguiu garantir a sobrevivência de sua espécie. Como todo parasita, teve de abrir mão de sua liberdade, mas valeu a pena: da maneira como o homem vem alterando o planeta, provavelmente essa espécie será a última do seu grupo a se extinguir, pois associou definitivamente seu destino ao nosso. É o cão.

(…) Mas para conquistar o privilégio de serem sustentados e protegidos pela espécie mais poderosa do planeta, eles tiveram de abrir mão de muitos privilégios, inclusive sua liberdade reprodutiva: muitas raças entregaram aos seus protetores a liberdade de escolher seus parceiros sexuais. O domínio que esses parasitas exercem sobre o sistema amoroso de seus hospedeiros é de tal ordem que a maioria dos humanos realmente acredita que ama seus cães. É impressionante o sucesso da estratégia evolutiva dessa espécie, talvez o único caso em que um parasita controla a mente de seu hospedeiro. Reconhecer esse fato só faz aumentar minha admiração pelos cães.”

Do Estado de S. Paulo de ontem, p. A20

Notícias

setembro 28, 2006

Duas notícias publicadas no Wall Street Journal de hoje. A primeira sobre a Telemar, onde os acionistas minoritários estão se organizando para combater o plano de reorganização societária da empresa. Isto é interessante pois representa um salto em governança corporativa, assunto muito debatido no Enanpad 2006. Clique aqui para ler.

O segundo, a General Motors Corp. planeja exigir uma “contribuição de equalização”, que poderia ser uma bolada de bilhões de dólares, da Nissan Motor Co. e da Renault SA para aceitar uma possível união entre as três. Clique aqui para ler.

Matemática é último reduto masculino

setembro 27, 2006

Reportagem enviada por Ducineli (grato!) sobre a matemática.

Matemática é último reduto masculino

ANTÔNIO GOIS
enviado especial da Folha de S.Paulo a Caxambu (MG)
VINICIUS ABBATE
colaboração para a Folha de S.Paulo

Não há área de ensino no Brasil em que as meninas não estejam dominando – ou muito próximas disso. Elas são maioria no ensino superior, têm taxas de evasão e reprovação menores no ensino médio e se saem melhor do que os meninos em quase todos os testes que avaliam aprendizado no ensino fundamental. Mas um setor resiste a essa supremacia: o aprendizado de matemática.

Esse quadro não é exclusivo do Brasil. Dos 42 países avaliados no Pisa (exame da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico que analisa o desempenho de alunos), os meninos foram melhor em matemática em 33.

Em alguns casos, a diferença não é estatisticamente significativa, mas, em 12 deles, não há dúvidas de que as meninas estão aprendendo menos. Já nos oito casos em que a diferença é a favor das meninas, em um deles, a Albânia, ela é significativa.

O Brasil aparece com destaque na tabela comparativa em matemática porque aqui a diferença a favor dos meninos é a maior entre todos os países analisados, ao lado de Áustria e Coréia do Sul. Esse melhor desempenho masculino, no entanto, não se repete em todas as áreas. Pelo contrário, em testes de leitura, a situação se inverte e a supremacia feminina é incontestável em todos os países.

Razões

Foi esse quadro que instigou os pesquisadores Márcia Andrade, Creso Franco e João Pitombeira de Carvalho, da PUC-RJ, a buscar razões que nos levam a ter uma das maiores diferenças do mundo em matemática. O trabalho foi apresentado no 15º Encontro Nacional de Estudos Populacionais, que aconteceu na semana passada em Caxambu (MG).

Estudos sobre essas diferenças têm gerado debates, principalmente quando se discute se essas diferenças são fruto de aspectos culturais ou biológicos.

O estudo da PUC quis verificar se variáveis socioeconômicas ou do ambiente escolar explicavam o resultado. Eles trabalharam com dados do Saeb (exame que avalia a qualidade) no último ano do ensino médio. Como o Pisa, ele mostra significativas diferenças a favor dos meninos em matemática.

A primeira hipótese era se o melhor desempenho não era causado pelo fato de muitos dos meninos mais pobres abandonarem a escola antes de completar o ensino médio, algo menos intenso entre meninas.

Isso se justifica porque o que mais interfere no desempenho escolar é o nível socioeconômico. Se há menos garotos pobres que concluem o ensino médio, espera-se que, quando é feito um exame entre os que chegaram lá, a nota média aumente por haver menos alunos em condições desfavoráveis, que puxariam a média para baixo.

Para evitar que isso influenciasse no resultado, a pesquisa só comparou estudantes de mesmo nível socioeconômico e que estavam na mesma escola. Os dados mostraram que a distância entre eles e elas diminuiu, mas, ainda assim, meninos se saíam melhor.

Iguais

O segundo passo foi separar escolas que atendem crianças de baixo poder aquisitivo das onde os alunos têm nível socioeconômico mais alto. A partir daí, constatou-se que, nas escolas onde estudam os mais pobres, a diferença persistia.

No entanto, nas escolas para alunos de renda mais alta, a diferença se torna desprezível, com meninos e meninas tendo quase o mesmo desempenho.

Uma hipótese é que, nesse ambiente, as famílias apóiem e aceitem mais o interesse de meninas pela matemática. “Freqüentemente estão em condições materiais e ideológicas mais favoráveis para o rompimento de papéis tradicionais em relação a gênero”, afirmam.

O estudo aponta também que o professor pode ser fundamental para reverter esse quadro. Em escolas onde havia mais cobrança de deveres de casa, a diferença diminuía.

Aprender

setembro 27, 2006

Hoje a iniciativa de dois professores da UnB, Athail Pulino e Leonardo Lazarte, completa dois anos. Estes professores decidiram utilizar o poder da internet para melhorar a qualidade do ensino superior através da plataforma Moodle. Nesta data existem 788 cursos, 18921 usuários que já utilizaram o sistema, 15399 inscrições, 1872 professores/tutores, 16706 questões e 9067 materiais disponíveis.

O Moodle é um sistema muito interessante e vale a pena conhecê-lo.