Fasb e o usuário

Ricardo Viana envia uma reportagem do Valor Econômico (Grato!) sobre o Fasb e o usuário. Muito interessante e certamente terá espaço no livro que estou escrevendo com o prof. Katsumi.

Fasb busca aproximação com investidores
David Henry
14/11/2006

Na eterna busca para descobrir quanto as empresas realmente valem, os investidores normalmente encontram-se em uma custosa posição de desvantagem em relação aos executivos que elaboram os balanços financeiros empresariais. Agora, o Conselho de Padrões de Contabilidade Financeira (Fasb), órgão de sete membros encarregado de escrever os Princípios de Contabilidade Amplamente Aceitos (Gaap) dos Estados Unidos e de criar as regras sobre como as empresas contabilizam os lucros, fluxo de caixa e patrimônio líquido, tenta tornar o jogo mais justo.

Ao longo dos anos, o Fasb recebeu muitas críticas por dar muito espaço para que os executivos exagerassem seus resultados. Agora, alguns importantes membros do conselho reconhecem o que os críticos vinham dizendo o tempo todo. Dizem que, uma vez por semana, em média, executivos de várias associações setoriais chegam à sede da Fasb, em Norwalk, Connecticut, para pressionar por mudanças no Gaap que se encaixem a suas necessidades particulares.

Uma comissão da Financial Executives International (FEI), um importante grupo de diretores de finanças e controladores, por exemplo, reúne-se com o Fasb todos os trimestres. “E ouvimos algo das firmas de auditoria todos os dias”, diz o presidente do Fasb, Robert H. Herz. Em contraste, os investidores poucas vezes dão a conhecer suas opiniões. “Temos dificuldade para ouvi-los”, conta Donald M. Young, outro integrante do conselho.

Agora, Young, encorajado por Herz, busca uma aproximação. Alistou os melhores analistas de balanços financeiros e os maiores investidores institucionais para que digam ao Fasb como o Gaap deveria ser modificado.

Ele trabalha para remodelar o eclético Conselho Consultivo ao Usuário e criar um grupo de especialistas que fique em prontidão para atender as maiores empresas de gestão de fundos.

Young também quer montar uma comissão de contadores públicos favoráveis aos investidores, entre eles o desenfreado Lynn E. Turner, antigo contador-chefe da Securities and Exchange Commission (SEC), órgão regulador do mercado financeiro nos EUA. “Decidimos sair e pegar os investidores e puxá-los para dentro do processo”, diz Young.

Um dos motivos para a nova abordagem do Fasb poderia ser a mudança em suas fontes de financiamento. Os críticos há muito tempo sustentavam que a atitude do conselho favorável às empresas decorria do fato de seu financiamento, na maior parte, vir das auditoras, cujos interesses estão alinhados aos dos clientes. A lei Sarbanes-Oxley, de 2002, mudou isso; agora o Fasb é financiado essencialmente por tarifas cobradas das empresas de capital aberto.

Haja conflito de interesses ou não, há uma longa lista de exemplos de influência excessiva dos executivos no Fasb, destaca Paul B.W. Miller, professor de contabilidade na Universidade do Colorado, em Colorado Springs.

O padrão contábil de aposentadorias que distorceu gravemente os balanços patrimoniais das grandes empresas industriais no fim dos anos 90 foi o legado de um forte grupo de pressão lobista das empresas em meados dos anos 80.

A contabilidade de arrendamentos, que mantém muitas dívidas fora dos balanços, também tem história similar. E a atual bagunça com as opções de ações foi alimentada pela iniciativa bem-sucedida dos executivos em retratá-las como se fossem grátis, mantendo seu custo fora das despesas com remuneração nos livros contábeis.

Young diz que chegou a hora, também de mudar a composição tradicional de membros do Fasb. Dos sete membros, três são ex-auditores e dois, ex-executivos. “É uma maioria plena” de pessoas que fizeram suas carreiras na preparação e auditoria de dados financeiros, diz.

Young, um ex-analista de ações e professor de contabilidade, completa o conselho. A outra vaga, que era de um ex-auditor, deverá ser preenchida no próximo ano por um investidor.

Herz, ex-auditor, mas que também foi gestor não chega a recomendar tal mudança; afirma que bons membros avaliam todos os pontos de vista.

A idéia de Young ainda precisa ganhar força entre os 16 representantes que formam a fundação que indica os membros do Fasb e é monitorada pela SEC.

Representantes da SEC não quiseram comentar o assunto.

Valor Econômico

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: