Archive for fevereiro \28\UTC 2007

Provisão em Banco

fevereiro 28, 2007

Sobre a provisão em bancos norte-americanos, uma reportagem do Wall Street Journal que é uma lição contábil:

Os bancos estabelecem provisões para cobrir a parte de sua carteira de crédito que, estimam, pode não ser paga. As provisões garantem que os bancos tenham capital suficiente para cobrir essa perda.

Mas cada aumento das provisões representa uma despesa que reduz os lucros.

Normalmente, investidores e autoridades do mercado financeiro se queixam de que os bancos exageram nas provisões durante os bons anos para poderem ter uma reserva em tempos de vacas magras. Agora, porém, a preocupação é que eles não tenham reservado dinheiro suficiente para cobrir empréstimos de recebimento duvidoso, porque faz tempo que não precisam disso e porque eles não querem sufocar o crescimento do lucro.

Homem x Mulher

fevereiro 28, 2007

(…) Nós encontramos que as mulheres cobrem aproximadamente 9 ações na média comparada a 10 para homens. As estimativas de lucro das mulheres tendem a ser menos acuradas. (…) Apesar disso, nós encontramos mulheres são significativamente mais prováveis ser designados como All-Stars

Clique aqui para artigo (inglês e PDF) e aqui para crítica (inglês)

10 Stocks to Last the Decade

fevereiro 28, 2007

Esse é o título de um artigo publicado em 2000 pela Fortune. Listava dez empresas que estavam prontas para … vencer. Segundo o artigo, com essas ações era possível proteger o patrimônio contra a volatilidade do mercado. Quais eram as ações?

O sítio Fool relembra as dicas da Fortune. Ao lado, o retorno desde agosto de 2000. Muito interessante a previsão:

Broadcom (Nasdaq: BRCM) = (78%)
Charles Schwab (Nasdaq: SCHW) = (51%)
Enron = Sem Palavras!!!
Genentech (Nasdaq: DNA) = 121%
Morgan Stanley (NYSE: MS)= 0%
Nokia (NYSE: NOK) = (45%)
Nortel Networks (Nasdaq: NT) = (96%)
Oracle (Nasdaq: ORCL) = (53%)
Univision = (42%)
Viacom = !!

Uma das possíveis explicações para o desastre da Fortune: a revista olhou o passado, não o futuro. Se for verdade, temos um típico caso de regressão à média, um fenômeno muito conhecido pelos estatísticos e financistas.

Um exemplo muito conhecido de regressão à média ocorre nos esportes. Quando um atleta se destaca numa competição seu nome vai para as manchetes. Mas o destaque do atleta ocorreu em razão do seu desempenho estar muito acima da sua média histórica de desempenho. Na próxima competição seu padrão volta ao normal – regride à média. É muito conhecido o azar da capa da Sports Illustrated, onde o atleta que aparece na capa piora o desempenho. Explicado pela regressão à média.

Rir é o melhor remédio – 49

fevereiro 28, 2007

Desafios da Profissão Contábil

fevereiro 28, 2007

Esses são os desafios da profissão contábil no México (originalmente publicado no El Economista, 27/02)

Desafíos de la profesión contable
Blanca Tapia Sánchez*

En la ponencia titulada “Análisis del problema y propuesta de solución” que se presentó en el Instituto Mexicano de Contadores Públicos (IMCP) en el 2001, se dieron a conocer los resultados de una encuesta que mostraba algunas de las razones y los motivos respecto con la disminución en la matrícula de la licenciatura en contaduría. Del total de los entrevistados, un 31% contestó que los salarios iniciales de los egresados eran bajos, 29% refirió que no tenían clara la función del contador hoy en día, 23% mencionó que la contaduría no es una profesión que ofrezca oportunidades reales de crecimiento y 16% percibió a esta carrera como menos retadora y gratificante que otras del área de ciencias sociales o administrativas.

En el pasado, las actividades del contador se centraban principalmente en preparar estados financieros, llevar los registros contables y resumir la información financiera para la dirección de la empresa, así como cumplir con los requerimientos fiscales, conocer y aplicar las reglas, criterios, procedimientos y principios contables.

Actualmente, además de elaborar, analizar e interpretar información financiera, también debe tomar decisiones que tengan impacto en las entidades y en la sociedad. A su vez, debe cubrir áreas no sólo de contabilidad, sino de contraloría, tesorería, auditoría, finanzas e impuestos. También debe entender y aplicar la normatividad financiera y contable nacional e internacional, no quedándose atrás en el uso de las tecnologías de información. Además, tiene que conocer las áreas funcionales de las entidades y la administración de recursos financieros.

No debemos olvidar que una encuesta realizada por el Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Monterrey (ITESM) revela que el contador es el profesional que más fácilmente accede a la dirección de la empresa tras 10 años de haber egresado de su carrera.

Las acciones para fortalecer la carrera de contador público, entre otras, pueden ser: diferenciar al técnico del profesional en todos los ámbitos, enfatizar sobre la importancia de las acreditaciones y las certificaciones en las instituciones educativas, reestructurar y modernizar el proceso enseñanza-aprendizaje, estar al tanto de nuevos requerimientos del mercado y de diferentes perfiles de los estudiantes que ingresan, utilizar a nuestro favor las nuevas tecnologías y vincularse con los agentes productivos, realizando investigación relevante que apoye su desarrollo. Los retos son: reivindicar la imagen profesional, impulsar la investigación sobre temas contables, actualizar y certificar constantemente a cuerpos docentes y a las instituciones mismas, además de flexibilizar los planes de estudio, ya sea con un grupo de materias comunes e indispensables en cualquier plan de estudios, pero dejando margen amplio para que haya un sello distintivo del profesional egresado de cada institución.

Puede concluirse que la disminución en la matrícula se debe a movimientos normales del mercado por factores independientes a la demanda de contadores públicos.

Entre los factores podemos mencionar la aparición de nuevas carreras con un perfil aproximado o semejante, aunque con un ámbito de acción más reducido y, en algunos casos, diferente. Además, se presenta una disminución en el interés y una mala percepción de la carrera en los alumnos potenciales debido a:

a) La falta de información sobre las posibilidades de desarrollo de la carrera.

b) Proliferación de universidades e instituciones de calidad cuestionable, lo cual merma el valor de la profesión.

El cuidado de la calidad educativa debe ser la premisa que guíe a todas las instituciones de educación superior y a cada uno de los profesores. Además, es muy importante y necesario realizar cambios en el proceso de enseñanza-aprendizaje para formar personas con conocimientos, habilidades, actitudes y comportamientos éticos.

*Blanca Tapia Sánchez es profesora de planta del Tecnológico de Monterrey, campus ciudad de México. Su correo electrónico es btapia@itesm.mx

Seria possível traduzir e publicar como desafios da profissão contábil no Brasil?

Governança: Centena

fevereiro 28, 2007

Segundo o Valor Econômico de hoje (28/02/2007)

Com a chegada da companhia de telecomunicações GVT ao Novo Mercado, o número de empresas listadas em algum dos níveis diferenciados de Governança Corporativa da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) chegou a 101. Criados em dezembro de 2000 pela Bovespa, os segmentos especiais de listagem de empresas oferecem aos acionistas garantias relacionadas às práticas de governança corporativa. O objetivo da bolsa com a criação dos níveis foi ampliar os direitos societários dos acionistas minoritários e aumentar a transparência das companhias, com divulgação de maior volume de informações com melhor qualidade, facilitando o acompanhamento da performance da empresa.

Atualmente, 36 companhias estão no Nível 1. Elas se comprometem com a prestação de informações mínimas ao mercado e com a manutenção de pelo menos 25% das ações em circulação no mercado (o chamado “free float”). Já no Nível 2, há hoje 14 empresas listadas que, além de preencherem os quesitos do Nível 1, também estendem a todos os acionistas detentores de ações preferenciais (PN, sem direito a voto) 80% do prêmio pago aos controladores no caso de venda da companhia. A maior parte das empresas está, no entanto, no Novo Mercado, com 51 companhias. Nesse segmento, o mais elevado em exigências, as empresas se comprometem a ter apenas ações ordinárias (ON, com voto).

Nome da área

fevereiro 28, 2007

No dia 20 de fevereiro foi publicada a portaria 13 da CAPES alterando o nome da área “Administração e Turismo” para “Administração, Ciências Contábeis e Turismo”

Universidades

fevereiro 27, 2007

Notícia do Estado de hoje informa que as universidades federais apresentaram a conta para que o número de matrículas noturnas fosse igual aos cursos diurnos:

O estudo calcula o custo dessa expansão com base no quanto é gasto hoje por aluno em cada instituição, excluindo-se o pagamento de inativos, pensionistas e precatórios e dando pesos relativos aos alunos de pós-graduação e das escolas de ensino médio. A conta é que seriam necessários mais 30% dos gastos atuais para suprir as necessidades da expansão.

Ou seja, não se considerou a economia de escala, a economia de escopo, o custo de mais instalações.

Rir é o melhor remédio – 48

fevereiro 27, 2007

Custos de extração

fevereiro 27, 2007

É natural que quando o preço de um produto aumenta, os fornecedores busquem alternativas para lucrar com esse movimento de preço. Isso significa lançar mão de possibilidades que anteriormente não eram viáveis.

Custos de extração explodem no mundo
Valor Econômico – 27/02/2007

A explosão de custos é tão forte que a maior parte dos analistas ouvidos pelo Valor descartam qualquer redução no curto prazo, mesmo que o preço do petróleo ceda nas bolsas de valores de Nova York e de Londres. “Isso significa que para uma empresa de petróleo ter hoje o mesmo lucro de quando a commodity era negociada a US$ 22, é preciso que a cotação do barril fique acima de US$ 40”, afirma Alexandre Oliveira, sócio-diretor da Accenture para área de recursos naturais.

(…) o petróleo assumiu um novo patamar de referência e que isso viabilizará de uma vez áreas antes consideradas não-rentáveis ou pouco lucrativas. “Hoje, com a disparada do preço no mundo, o valor de referência para que se coloque um campo de petróleo em águas profundas em funcionamento é ao redor de US$ 35 por barril extraído, contra US$ 11 no início da década”, afirma Saul Suslick, diretor do Centro de Estudos de Petróleo da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

No ano passado, a estatal [Petrobrás] viu seu custo médio de extração subir 15% e alcançar US$ 6,59 por barril de óleo equivalente. E esse aumento se deveu à valorização do real frente ao dólar em 11%, aos reajustes nos contratos (principalmente os de sondas) e à entrada em operação de algumas plataformas, como a P-50 e a P-34. A meta da companhia, contudo, é que seu custo unitário de extração alcance US$ 5,60 por barril em 2011.

No entanto, essa conta e mesmo a previsão da estatal ainda não embutem as participações governamentais. Se colocadas na contabilidade, o custo de extração da companhia dá um salto significativo.