Archive for junho \30\UTC 2007

Rir é o melhor remédio

junho 30, 2007

Conta uma história de que certo macumbeiro resolveu colocar seus serviços a disposição do Botafogo, o grande time comandado pelo técnico João Saldanha. Saldanha, experiente nestes assuntos, entregou um cartão para o macumbeiro. Este quis saber o que era isto. Saldanha disse que era o endereço do São Cristovão. “Faça um estágio no São Cristovão. Se der resultado eu te contrato”.

Um Consultor Brasileiro

junho 30, 2007

Roberto Shinyashiki (RS, a partir de agora) é escritor e consultor organizacional. A formação de RS é psiquiatra, conforme reportagem da Folha de S. Paulo de 2004 (Psicologia olímpica do Brasil é questionada Folha de São Paulo – 29/08/2004)

A primeira participação de RS em esportes foi o uso de suas idéias no Corinthians, dem 1998. O Timão ganhou os campeonatos paulistas de 1995 e 1997 e estava na disputa para o título de 1998, que foi do São Paulo. No ano seguinte, já sem inspiração do guru, o Corinthians conseguiu seu intento.

Em 2000 ele foi contratado pelo COB para ajudar a delegação brasileira do Jogos de Sidney. Segundo a reportagem da Folha de 13/09/2000 (Bastidores – Shinyashiki passa de guru a “supertécnico” do COB)

Responsável pelos nervos dos brasileiros nos Jogos, ele vai dividir espaço com os treinadores e tem carta branca do presidente do COB, Carlos Arthur Nuzman, para circular por todos os cantos da Vila Olímpica, opinando sobre o que lhe convir.

“Posso ir para onde eu quiser. Posso entrar em qualquer lugar. A idéia é que eu esteja nos ginásios, nos estádios, junto com eles (técnicos)”, diz o psiquiatra, exibindo sua credencial administrativa.

Daí, segundo ele, surgiu a idéia de prestar atendimento instantâneo, in loco, às equipes que precisarem de seus serviços.

(…) A influência do psiquiatra junto a Nuzman é tanta que ele teve carta branca para colocar os preciosos pés dos atletas brasileiros sobre um caminho de brasas.

Descalços, atletas e dirigentes esportivos pisavam nas brasas e gritavam frases como “Brasil, eu posso! Raça!”.

A “vivência” foi colocada em prática antes de a delegação embarcar para a Austrália e é um dos pontos altos dos métodos do psiquiatra para motivar atletas.

Esta mesma reportagem lembra que no ano anterior ele foi contratado para ajudar a seleção masculina de basquete do Brasil. O Brasil não conseguiu a avaga para os jogos.

Como se sabe, o desempenho do Brasil em Sidney foi um dos piores da sua história (vide a reportagem O fiasco dos abençoados, Gazeta Mercantil, 3/10/2000). Talvez seja por que RS utiliza de métodos que não são reconhecidos pela ciência (vide, novamente, Psicologia olímpica do Brasil é questionada Folha de São Paulo – 29/08/2004 e também Conselho de Psicologia não reconhece prática de andar na brasa, Agência Jornal do Brasil, 15/08/2000)

Quatro anos depois, o COB decidiu optar por um psicólogo em Atenas (reportagem Brasil troca as brasas pelo divã na Grécia, Folha de São Paulo de 26/05/2004).

Cada vez que é convidado para uma palestra RS cobra R$15 mil (conforme O mundo milionário dos gurus do momento, Estado de S. Paulo de 11/04/2004).

Neste momento, RS faz uma propaganda no Estado de S. Paulo com o seguinte título “Turbine sua Carreira – Os segredos dos campeões”.

Rir é o melhor remédio

junho 29, 2007

Carona

junho 29, 2007

O problema do free-riding (carona) é muito discutido na economia, em especial na área de finanças públicas e teoria de mercados. Os caronas são agentes que consumem mais do que a parcela justa de recursos. O problema dos caronas é como evitar ou impor um limite a este consumo.

Um exemplo é o gasto com segurança: nenhuma pessoa de um país pode ser excluído do benefício da segurança, nem mesmo aqueles que não pagam impostos ou que são contrários a existência dela.

Considere uma rua onde os moradores resolveram pagar uma pessoa para fazer a segurança. Todos os moradores aceitam pagar, exceto um. Se a melhoria for implantanda, o morador que não paga será um carona, usufruindo do benefício. Isto torna-se um problema quando os demais moradores se recusam a melhorar a segurança se um deles for carona.

Um outro exemplo ocorreu com o serviço de rádio, que foi criado no final do século XIX. Como implantar este serviço de forma lucrativa? O problema do carona era sério. Em 1922, Herbert Hoover, então secretário de Comércio dos Estados Unidos, chegou a afirmar que não existia nenhum método prático para que os ouvintes pagassem pelo serviço. Seria o caso do governo ser responsável pelo mesmo?

A solução ocorreu de forma interessante: A ATT descobriu que poderia ganhar dinheiro vendendo propaganda. E isto solucionou o problema do carona.

Este mesmo caso poderia ser aplicado para a televisão e para ferramentas de busca da internet.

E a Contabilidade? O problema do carona também ocorre na contabilidade. Um exemplo importante e interessante são as demonstrações contábeis das empresas de capital aberto. Quem financia o sistema de divulgação das informações é a empresa e, em última instância, os atuais acionistas. Mas qualquer pessoa pode ter acesso as informações, inclusive os concorrentes e indivíduos que não terão nenhum vínculo futuro com a empresa. Estes seriam os caronas da contabilidade.

Wikipedia

junho 29, 2007

Christopher Michael Benoit era um lutador profissional que participava do Extreme Championship Wrestling, World Championship Wrestling e World Wrestling Entertainment. Era considerado um dos melhores de todos os tempos. He was regarded as one of the best technical wrestlers in his time. Há alguns dias, Benoit desapareceu. Na procura por Benoit, a polícia localizou os corpos de sua esposa e seu filho, mortos por envenenamento. Assim como foi encontrado o corpo de Benoit, autor das duas mortes, que cometeu suicídio.

Um aspecto intrigante da história é o fato de que o verbete de Benoit na Wikipedia foi alterado, anunciando a morte da esposa, 13 horas antes da polícia de Atlanta afirmar que encontraram os corpos. (Clique aqui para ler mais)

O assunto do momento

junho 29, 2007

Diante do lançamento próximo do iphone, com filas enormes de consumidores ansiosos pelo produto, o gráfico mostra que o interesse pelo produto na internet cresceu muito. 0,65% das postagens de blogs (de todas as postagens!) comentam sobre o assunto. Inclusive esta.

Trio parada dura

junho 29, 2007

Trio parada dura – Revista Isto é

Edemar, Nasser e Mansur são condenados a multas e prisão devido a empréstimos ilegais entre suas empresas

MILTON GAMEZ

Ricardo é amigo de Ezequiel, que é amigo de Edemar. Ezequiel empresta R$ 20,8 milhões para Ricardo, que retribui a gentileza repassando o mesmo valor para Ezequiel. Este último toma R$ 2 milhões de Edemar, devolvendo logo em seguida. O dinheiro sai de um bolso e volta para o outro, fazendo escala no paletó do amigo. Seriam apenas transações de efeito financeiro nulo, não fossem os protagonistas banqueiros e tais operações, batizadas de “troca de chumbo”, proibidas pelo Banco Central. Os fatos em questão ocorreram em 1997, quando Ricardo Mansur, Ezequiel Nasser e Edemar Cid Ferreira eram, respectivamente, donos dos bancos Crefisul, Excel

Econômico e Santos. Os três caíram em desgraça, perderam o status de banqueiro e, agora, correm o risco de parar na cadeia devido ao toma-lá-dá-cá de suas empresas.

Na quinta-feira 14, o juiz Fausto Martin de Sanctis, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo – especializada em crimes financeiros e lavagem de dinheiro –, condenou o trio a pagar pesadas multas e a passar um bom tempo atrás das grades. Ricardo Mansur e Edemar Cid Ferreira foram condenados à mesma pena: multa de R$ 3,7 milhões e quatro anos e oito meses de prisão. Ezequiel Nasser pegou multa de R$ 4,3 milhões e cinco anos e cinco meses de detenção. Todos irão recorrer da decisão, tomada em primeira instância e passível de recurso

O crime do qual são acusados era uma prática comum entre os bancos que sofriam dificuldades financeiras com o fim da inflação, após o Plano Real. Proibidos de emprestar dinheiro para companhias coligadas do mesmo grupo, os banqueiros driblavam essa restrição fazendo a “troca de chumbo” entre suas empresas. No caso, o Excel Econômico, de Nasser, emprestou R$ 20,8 milhões para a United Internacional, de Mansur. Simultaneamente, o Crefisul, de Mansur, repassou o mesmo valor para a Ezibrás, a Compugraf e a Xcell Comunicações, de Nasser. Em outra operação, o Banco Santos, de Edemar Cid Ferreira, emprestou R$ 2 milhões para a Excel Econômico Administradora de Cartões. Cinco dias depois, o Banco Excel Econômico concedeu a mesma cifra para a Santos Seguradora.

Os advogados dos réus sustentam que tais operações não foram ilegais, pois não houve repasses diretos entre as empresas do mesmo grupo. “Não tem lei que proíba a troca de chumbo. Se não é proibido, é permitido”, sustenta Arnaldo Malheiros Filho, advogado de Edemar. As multas e as penas de prisão também serão contestadas. “O patrimônio dos acusados está indisponível. Não há como proceder ao pagamento da multa. A imposição da pena de multa, nos termos referidos, afigura-se cruel”, diz Fernando José da Costa, advogado de Mansur.

Cosan

junho 29, 2007

Notícia da Gazeta Mercantil sobre a Cosan, um caso interessante de governança (ou não):


Cosan corre risco de ser deslistada no Novo Mercado
Gazeta Mercantil – 29/06/2007

São Paulo, 29 de Junho de 2007 – Associação dos minoritários se reúne e decide pedir informações sobre reorganização. A Cosan poderá ser o primeiro caso de deslistagem de uma empresa do Novo Mercado. Isto porque a proposta feita pela nova controladora, a Cosan Limited – criada nas Bermudas pelo controlador da Cosan no Brasil, Rubens Ometto -, poderá desenquadrar o free float (número de ações no mercado) de 25% exigido por esse nível de governança corporativa.

Segundo proposta feita pelo controlador, os agora acionistas da subsidiária brasileira terão três opções para participar da operação que a empresa pretende fazer nos EUA, para captar cerca de US$ 1 bilhão com a venda de ações. As opções são: trocar ações da Cosan brasileira pelas da Cosan Limited; trocar as ações por BDR – ou seja recibos de ações da Cosan estrangeira que serão negociados na Bovespa – ou manter a atual participação.

Se a maioria optar por trocar suas ações pelas da nova controladora, o free-float da Cosan na Bovespa ficará abaixo de 25%, acarretando seu desligamento do Novo Mercado, diz o superintendente de relações com empresas da Bovespa, João Batista Fraga.

Ainda de acordo com os mandamentos do Novo Mercado, o desligamento da empresa terá outras consequências. Por exemplo, a Cosan Lmited terá que fazer uma oferta pública de compra de ações (OPA) para os investidores remanescentes. A OPA terá que ser feita pelo valor econômico da ação – para definir esse valor precisam ser contratadas três empresas especializadas nesse tipo de avaliação e o preço escolhido será o mais alto, informou Fraga.

Em reunião,ontem, a Associação dos Minoritários do Mercado (Amec) decidiu enviar um documento ao controlador pedindo mais detalhes da operação e de como será a relação da controladora com a subsidiária, para partir daí definir sua posição, de acordo com Edson Garcia, superintendentende da Amec.

Dada a elevada participação de estrangeiros no capital da Cosan no Brasil, porém, fontes de mercado apostam que a troca por ação da Cosan Limited será opção majoritária. Na oferta pública inicial de ações feita pela Cosan no final de 2005, 72% dos R$ 885,7 milhões captados foram comprados por estrangerios.

O modelo de estrutura acionária adotada pela Cosan Limited, porém, não agradou aos acionistas. A Cosan americana terá duas classes de ações ordinárias, ONA e ONB, que dão direito a voto na companhia, mas de forma diferente. As ONB ficarão em poder do controlador Rubens Ometto e cada uma dará a ele direito a dez votos na companhia. Já a ONA dará direito a apenas um voto.

A diferenciação cria uma subclasse de investidores votantes, indo no caminho inverso das boas práticas de governança corporativa. “Ela dá uma alavancagem de poder de decisão para o controlador, contrária as boas práticas”, avalia Max Bueno, analista de investimentos da corretora Spinelli.

Os motivos da adoção desse modelo de organização societária não estão claros, mas é certo que garante poder de decisão a Rubens Ometto, mesmo com uma participação acionária menor. Acredita-se que o objetivo do modelo seja sua estratégia de expansão no mercado de etanol. Ter maior poder de decisão facilita a compra de empresas na América Central e no Caribe. Na Bovespa, as ações da Cosan subiram 0,80% ontem, fechando a R$ 31,26. Mas no mês de junho caíram 40%.

(Gazeta Mercantil/Finanças & Mercados – Pág. 4)(Lucia Rebouças)

A figura mostra o comportamento do preço da ação da empresa nos últimos meses (fonte: Yahoo Financas)

Rir é o melhor remédio

junho 28, 2007

Competição entre mercados

junho 28, 2007

No Financial Times de 12/06/2007, um artigo de Michael Mann, ex-funcionário da SEC, com uma posição interessante sobre o processo de globabilização. Em certo momento Mann afirma que:

“reguladores deveriam reconhecer que dois mercados existem em cada país – um local, sujeito a regulação doméstica, e um internacional, sob as leis estrangeiras. A solução não é fazer estes mercados o mesmo, mas educar investidores sobre diferenças entre eles e fazer com que estes mercados concorram para benefício dos investidores”

Mann afirma que é tempo de construir um sistema educacional em lugar de algo que não funciona.