Archive for novembro \29\+00:00 2007

Futebol de brasileiros

novembro 29, 2007

Segundo Joseph Blatter, presidente da FIFA, os jogadores de futebol provenientes do Brasil tornaram-se um “perigo, um perigo real” para o futebol”. Isto em razão da invasão de jogadores brasileiros na Europa, Ásia e África. Então a Copa de 2014 e 2018 poderá ser uma copa com 32 times, todos com jogadores brasileiros.

Hoje mais de mil jogadores deixam o Brasil para jogar em clubes distantes como a Rússia e Japão. Estes jogadores criam raízes nos países e são adotados para jogar pela seleção nacional.

O New York Times (27/11/2007, em Born in Brazil, But Representing Someone Else, de Jack Bell) cita o caso de Deco, Antonio Naelson (?), Alessandro Santos (?), Jose Clayton (?) e Eduardo Silva, que jogam pela seleção de Portugal, México, Japão, Tunísia e Croácia, respectivamente, como exemplos)

Ainda o Citi

novembro 28, 2007

Abu Dhabi se convertiría en uno de los mayores accionistas de Citigroup
Agence France Presse – 27/11/2007

NUEVA YORK, 27 Nov 2007 (AFP) – Un fondo de inversiones de la Unión de Emiratos Arabes se convertiría, con una inversión de 7.500 millones de dólares, en uno de los mayores accionistas de Citigroup, banco afectado por su exposición a los créditos a riesgo.

Pero este salvataje precipitado alimenta dudas sobre la solidez del primer grupo bancario estadounidense por sus activos.

Por una parte los mercados se aliviaron ante el aporte del emirato a un banco debilitado por la crisis de los créditos hipotecarios a riesgo (“subprime”). Por otro se inquietaron de que Citigroup tuviera que recurrir a la ayuda del emirato -a un alto costo- ya que le acordó intereses enormes.

Tras la caída de 3% el lunes, la acción Citigroup, que perdió 30% desde octubre, recuperó 1,74% a 30,32 dólares, pero permaneciendo sin embargo en sus niveles más bajos en cinco años.

“Esta recapitalización de Citigroup es una buena noticia. Cae como una bocanada de oxígeno”, comentó Peter Cardillo, analista de Avalon Partners.

“Pero el retorno a la estabilidad tiene un costo”, subrayó el Deutsche Bank, señalando que Citigroup aceptó remunerar los fondos aportados por Abu Dhabi al 11% anual, una tasa particularmente elevada.

En total, el banco deberá pagar a Abu Dhabi de aquí a 2010-2011 más de 1.700 millones de dólares en intereses.

“Esta tasa de interés elevada subraya los problemas de Citigroup, que paga cara la inversión de Abu Dhabi. Pero esta inversión refuerza su capital y muestra que el emirato lo considera como un valor positivo a largo plazo”, estimó Patrick O’Hare, de Briefing.com. “Pero esto no es la panacea: Citigroup se mantiene debilitado por la incertidumbre sobre la amplitud de su exposición a los ‘subprime'”, afirmó.

El aporte de Abu Dhabi será luego convertido en acciones Citigroup en 2010-2011, dando al emirato hasta 4,9% del capital del banco, del que se convertirá en principal accionista.

No es la primera vez que Citigroup es rescatado por un inversor del Golfo: su primer accionista ya es el príncipe Al Walid bin Talal, que posee 3,6% de Citigroup.

La suerte de Citigroup declinó en los últimos meses: aunque continúa siendo el primer banco del país en términos de activos, ocupa el segundo lugar por su valor bursátil, detrás de Bank of America, porque su acción perdió más de 30% desde comienzos de octubre, y 44% desde junio.

La crisis de los créditos de mala calidad socavó su contabilidad, obligándolo a depreciar su portafolios en más de 3.000 millones de dólares en el tercer trimestre, después de anunciar días más tarde de 8.000 a 11.000 millones adicionales en depreciaciones previstas para el cuarto trimestre.

El príncipe Al Walid, sacudido por las reiteradas depreciaciones, abandonó al presidente ejecutivo del grupo, Charles Prince, una de las figuras más prominentes de Wall Street, quien debió renunciar a su cargo a comienzos de noviembre. Citigroup, liderado por un presidente interino, busca un sucesor de Prince.

Efeito saudável da Sarbox

novembro 28, 2007

Reportagem do Financial Times (Big fall in Sarbox breaches, Jeremy Grant, Financial Times – 26/11/2007 -Asia Ed1 -Page 18) mostra pesquisa sobre a Sarbox. Esta lei impôs um elevado custo administrativo para as empresas quando foi aprovada, em 2002. O estudo encontrou que o número de “material weaknesses” das empresas caiu para 5,9% de novembro de 2006 para deste ano.

Apesar dos problemas, leis como a Sarbox tem sido adotada em outros países, em especial o Japão, que adotou uma lei chamada “J-Sox”.

Entretanto, a Sarbox é criticada pelo seu custo.

The study said companies were “doing a better job” of fixing weaknesses in their internal controls over financial reporting before they made their annual filings.

While financial restatements were up in the three- year period, the rise was caused largely by smaller companies, which have yet to comply under an exemption from the Securities and Exchange Commission.

TCU cobra mais resultado da CEF

novembro 28, 2007

TCU cobra explicação da Caixa para calote
Geralda Doca e Bruno Rosa, O Globo – 27/11/2007

BRASÍLIA e RIO – O fraco resultado apresentado pela Caixa Econômica Federal no terceiro trimestre pode desencadear uma auditoria. No período, o lucro líquido da Caixa registrou queda de 89,4%, passando de R$ 590 milhões em igual período de 2006 para R$ 62,5 milhões, influenciado pelo calote de pequenas empresas. O procurador-geral junto ao Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Furtado, disse, em entrevista ao GLOBO, que pretende pedir informações à instituição sobre o que qualificou de ”pífio resultado”. Dependendo das explicações, ele vai avaliar com a secretaria do órgão a necessidade de uma investigação mais profunda nas contas.

A intenção do procurador é esclarecer se houve erro estratégico na generalização do crédito, sem exigir garantias, por exemplo, ou se o calote decorreu da concentração de financiamentos em poucos contratantes, o que poderia configurar favorecimento. Neste último caso, explicou Furtado, o TCU poderá punir os responsáveis e pedir seu afastamento do cargo.

HSBC

novembro 28, 2007

Um outro banco também deverá fazer uma mudança contábil. Trata-se do HSBC, que estará considerando os SIV (Structured Investment Vehicle) no seu balanço. (clique aqui). SIV é um tipo de investimento com uma elevada alavancagem. Com isto o HSBC deverá adicionar $15 bilhões em ativos e o mesmo valor em passivo. A princípio isto não traz problemas para o HSBC, mas adicionar este valor isto influencia os índices e, conseqüentemente, limita suas atividades de empréstimos.

Clique aqui também.

Citibank

novembro 28, 2007

O Citibank tem sido notícia nos últimos dias. Inicialmente, a estimativa de uma baixa contábil (For Banks, the Hurt Just Goes On — Citi’s $41 Billion Issue: Should It Put CDOs On the Balance Sheet?, David Reilly, The Wall Street Journal, 26/11/2007, c1), estimada em até 11 bilhões. Este fato foi considerado como um “reconsideration event”, relacionado com o Collateralized Debt Obligations (CDO). O valor destes ativos atinge a 41 bilhões.

Like other banks, Citigroup structured these vehicles so they wouldn’t be included on its books. The vehicles are created as corporate zombies that ostensibly aren’t owned or controlled by anyone. In that case, accounting rules say consolidation of such vehicles is determined by who holds the majority of risks and rewards connected to them.

To deal with that, banks sell off the riskiest pieces of the vehicles. This ensures they don’t shoulder a majority of the risk and so don’t have to consolidate the vehicles. The assessment of who absorbs the majority of losses is made when the vehicles are created.

(Clique aqui para ler mais)

Já o Valor Econômico (Citi prepara novo corte de pessoal, 27/11/2007) informa que o maior banco dos Estados Unidos está preparando medidas, que devem incluir um corte de pessoal.


Segundo fontes do Citigroup ouvidas pela CNBC, a empresa ainda não tem meta estipulada de corte em seu quadro de cerca de 320 mil funcionários. A emissora estimou a demissão entre 17 mil e 45 mil empregados.O Citigroup informou, em comunicado, que vem planejando formas de se tornar “mais eficiente e vantajoso em termos de custos para posicionar nossos negócios de acordo com as realidades econômicas”. “Quaisquer relatos sobre números específicos não são reais”, disse o banco. O banco informou ainda que as perdas com títulos ligados a hipotecas de risco podem chegar a US$ 11 bilhões. A estimativa inicial era de US$ 5 bilhões.

Links

novembro 27, 2007

1. A primeira guerra biológica

2. Materialismo na criança

3. Indicador do tipo oscilador

4. Desempenho de empresas e accruals

5. Medida de risco

Educação Privada no Brasil

novembro 27, 2007

Uma reportagem interessante da Gazeta Mercantil sobre a venda de instituições de ensino superior no Brasil. É interessante que a participação de sócios estrangeiros, antes com sérios limites na legislação, não é mais um problema. Esta venda tende a aumentar a concentração do setor, reduzir a concorrência e prejudicar as pequenas instituições de ensino. Além disto, algumas destas instituições não possuem um comprometimento com pesquisa ou extensão. Isto significa que o movimento de aquisição destas instituições pode reduzir a possibilidade de criação de instituições privadas de excelência no Brasil.

Aspectos interessantes apresentados na reportagem dizem respeito a questão do lado emocional no momento da fixação do preço de venda.

Universidade privada acirra disputa aluno por aluno
Gazeta Mercantil – 27/11/2007

Dois anos depois de ter comprado 51% da Universidade Anhembi Morumbi por US$ 69 milhões, o grupo norte-americano Laureate International deve anunciar mais três aquisições em distintos pontos do País. Estão em fase adiantada de negociação – mas ainda em um penoso processo de auditoria das contas e da saúde financeira das instituições (due diligence) – a Universidade da Amazônia (Unama), de Belém do Pará; a Universidade Veiga de Almeida (UVA), do Rio de Janeiro; e o Centro Universitário do Norte (Uninorte), de Manaus.

É um longo caminho já percorrido pela Laureate nos últimos doze meses com a Universidade Potiguar (UnP), do Rio Grande do Norte, que tem 20 mil alunos. A compra, anunciada há três meses por R$ 100 milhões, acabou se transformando em um acordo operacional, para dar tempo de aproveitar o vestibular deste fim de ano. O acordo protocolado no início do mês envolveu também a Faculdade Guararapes, com dois mil alunos, no município de Jaboatão dos Guararapes, próximo a Recife.

(…)
A Estácio de Sá Participações também está ampliando agressivamente sua atuação no mercado paulistano por meio de aquisições e pela expansão orgânica através de convênios com escolas do ensino médio. Sua controlada Centro Universitário Radial (UniRadial), a universidade está fechando a compra da Faculdade Interlagos de Educação e Cultura (Fintec) e mais duas instituições de pequeno porte.

A UniRadial, voltada para as classes C e D, é porta de entrada da Estácio no maior mercado de educação do País, com um universo de 400 mil universitários apenas na capital e que, a cada ano, abriga 130 mil novos calouros.

(…) O SEB – Sistema Educacional Brasileiro S.A., do Grupo COC, com sede no interior paulista, também anunciou ontem aquisições. Por R$ 10 milhões, comprou a Sociedade Brasileira de Programação Educacional, mantenedora da Faculdade Metropolitana, de Belo Horizonte, com cerca de 2,7 mil alunos.

(Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 7)(Tânia Nogueira Alvares)

Definir preço é o maior entrave nas negociações
Gazeta Mercantil – 27/11/07

Os empecilhos para fechar um negócio no mercado privado de ensino superior são grandes. As instituições, de origem familiar, não são administradas dentro de um modelo de governança corporativa, nem dispõem de um sistema contábil financeiro que permita medir qual é exatamente sua geração de caixa, medida normalmente adotada pelos compradores.

“Há uma diferença grande entre o valor estimado do Ebtida ou do faturamento apresentado pela instituição para a projeção de valor de compra feita pelo investidor”, diz Carlos Monteiro, da CM Consultoria. Não é uma simples questão matemática de multiplicar o preço médio de mercado por aluno pelo total de estudantes da escola, ou por um determinado número de vezes o valor do Ebtida (conceito que mede a geração de caixa). Alguns negócios recentes, inclusive, foram fechados com base no potencial de expansão da faculdade.

“Está difícil fechar um negócio pelos valores racionais de mercado. Os vendedores colocam um preço emocional que é difícil de mensurar – tradição, origem familiar pesam muito – e acaba havendo discrepância muito grande entre o preço pedido e o valor analisado. E os vendedores acham que os investidores querem comprar só na bacia das almas”, enfatiza o consultor.

O caso da Unama pode ilustrar esse processo. “Já fomos visitados por todos os grupos de investidores. Tanto que, de professor de oratória, virei mestre em ‘escutatória'”, brinca o professor Édson Raymundo Pinheiro de Souza Franco, 71 anos e reitor da Unama há 14 anos. Um dos seis sócios atuais, ele diz que, mais do que com o valor do negócio, ele está preocupado com a manutenção dos valores e princípios que têm norteado a Unama nos últimos 20 anos. Ele não confirma o fechamento do negócio, mas admite que a proposta tem dividido os sócios: quatro são favoráveis à venda, dois não, e ele é um deles. “A Unama tem um valor imponderável.”

A própria Unama é fruto de consolidação de duas antigas instituições de Belém. Hoje tem 20 mil alunos (18 mil na graduação e 2 mil na pós-graduação), que pagam mensalidades entre R$ 400 e R$ 1 mil, dependendo do curso. Seu número de alunos é igual à soma dos alunos de todas as outras faculdades particulares da capital do Pará. A Unama também tem instalada uma base de ensino a distância em onze municípios, com 4,5 mil estudantes. “É o futuro da educação”, diz o professor Souza Franco.

UniNorte prefere parcerias

“O momento do mercado educacional é de análise, de organização do setor e de estudo de todas as possibilidades’, afirma o presidente do Centro Universitário do Norte (UniNorte), professor Waldery Areosa Ferreira, sem admitir o negócio com a Laureate. A instituição também já foi visitada por diferentes grupos consolidadores, mas a UniNorte, sediada em Manaus, não considera a possibilidade de ser vendida. “Firmar parcerias ou algo neste caminho podemos até pensar, mas vender, não.”

Com mais de 18 mil alunos só na graduação, a empresa começou a expandir para o ensino superior em 1994. Em abril de 2004 as diferentes faculdades criadas no processo de expansão se transformaram em centro universitário, administrado pela Sociedade de Desenvolvimento Cultural do Amazonas (Sodecam). Além do UniNorte, o grupo tem uma franquia do Colégio Objetivo de São Paulo, que oferece da educação infantil ao ensino médio. Mas não tem parceria nem pertence ao Grupo Di Genio, enfatiza Ferreira.

Com 53 cursos de graduação e mensalidades de R$ 335,00 (História e Geografia) a R$ 892,50 (Odontologia), o UniNorte disputa o mercado manauense com mais 15 instituições, sendo duas públicas.

Segundo Ferreira, hoje a demanda que estava reprimida há alguns anos conseguiu ser atendida. “Restam às instituições que conseguiram se firmar no mercado educacional oferecer diferenciais a seus alunos. Por isto, não descartamos nenhuma possibilidade de expansão ou de apresentar novidades, como por exemplo o crescimento através de aquisições.”

(Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 7)(T.N.A.)

Volks

novembro 27, 2007

El fiscal del ‘caso Volkswagen’ asegura que Piëch tenía que estar al tanto de…
CARLOS ALVARO ROLDAN.
El Mundo – 27/11/2007 – p 36

Ferdinand Piëch, patrón de Porsche, cerebro del grupo Volkswagen y actual presidente de su consejo de vigilancia, vuelve a quedar en el punto de mira de la Justicia alemana. Y de nuevo por el escándalo de las cajas B de contabilidad que entre 1994 y 2005 sirvieron para pagar viajes de lujo, prostitutas y caros regalos que debían garantizar la paz social en el consorcio automovilístico.

Según la tesis que manejan los fiscales, Piëch tuvo que ser informado a finales de los años 90 por el entonces director financiero, Bruno Adelt Piëch, de la existencia de una cuenta, con el número 1.860, que habría servido para pagar los sobornos a los representantes sindicales. (…)

A Volkert, durante años uno de los hombres más poderosos dentro de Volkswagen y con cuyo visto bueno había que contar desde la dirección gracias al polémico sistema de cogestión empresarios y trabajadores, según la acusación no sólo se le financiaron prostitutas y viajes de lujo a la India, Praga o Lisboa, sino que a su amante brasileña veinteañera se le llegó a pagar un sueldo, además de las joyas que recibió de regalo. (…)

Folha de pagamento como ativo 02

novembro 27, 2007

A questão da folha de pagamento e sua avaliação apresenta alguns aspectos interessantes:

1. A folha de pagamento é realmente um ativo

2. As prefeituras e os Estados ganham recursos importantes. Quem perde são os bancos oficiais e seus acionistas, em especial a União (maior acionista do Banco do Brasil e da CEF).

3. Para as instituições financeiras, o valor está condicionado a possibilidade de rentabilidade da folha. Ou seja, cobrança de tarifas, empréstimos, etc. Existindo a cobrança de tarifas, os funcionários podem perder desde que o valor cobrado seja superior a situação atual. Entretanto, para o funcionário público, o ideal seria a livre escolha.

4. Quanto maior a concorrência, melhor o resultado final. A diferença é mostrada no preço obtido por Porto Alegre (87 milhões) e Curitiba (140 milhões), e pode ser significativa.

5. Não existe problemas legais para este leilão, conforme demonstrou Alexandre Jatobá na sua dissertação de mestrado, quando analisou o valor da folha de pagamento dos funcionários da União. (Ao interessado, poderei enviar cópia desta dissertação, que orientei)

6. Onde usar os recursos? O mais adequado seria usar em gastos não recorrentes, em especial investimento (ou despesa de capital, conforme terminologia da área pública). O uso destes recursos para pagar 13o. salário, ou seja, despesa de custeio, não é adequado.

7. Apesar da prática prejudicar os bancos oficiais, ainda existem áreas que estes bancos detem o monopólio. Uma forma de obtenção de elevados lucros nestes bancos – em especial CEF, são os recursos financeiros em processos judiciais, que quando depositados em juízo são aplicados com rentabilidade de mercado e rendem para o depositante juros reduzidos. A diferença representa um valor considerável e fonte de lucro sem muito esforço para este tipo de instituição.

8. Para os bancos que compram as folhas, o interesse está no salário do funcionário. Mesmo assim, o caso do INSS mostra que é possível receber dinheiro onde atualmente o governo gasta dinheiro. Neste caso, a preocupação do TCU não deveria ser sobre a ineficiência do setor público, que não faz o leilão, e não sobre “legalidade” das normas do leilão?