Archive for fevereiro \29\UTC 2008

Rir é o melhor remédio

fevereiro 29, 2008


Sobre a multa que a Microsoft levou da Comunidade Européia. Enquanto recebe a multa, a Microsoft esmaga seus concorrentes. Fonte: The Economist

Brasil é o décimo mercado do mundo

fevereiro 29, 2008


O Brasil possui o décimo valor de mercado do mundo, atrás dos Estados Unidos, Inglaterra, Japão, França, Canadá, Alemanha, Suiça, Austrália e Espanha. Fonte: Aqui

Para estudantes de custos

fevereiro 29, 2008


O custo da matéria-prima (farinha, açúcar, melhorante, sal e fermento( no preço final de um pão com 40 gramas que custa 10 cêntimos é de 2,5 cêntimos, revela um estudo da Associação do Comércio e da Indústria de Panificação.

Os custos com pessoal pesam 2,9 cêntimos e os com a energia, dois cêntimos. Mais 2,6 cêntimos para instalações e equipamentos, 0,4 cêntimos para impostos e 0,3 cêntimos para consultadoria,em que se inclui desinfestação e higiene de instalações e viaturas. A margem comercial é 30% e o IVA 5 %, ou seja, mais 0,65 cêntimos. A carcaça fica por 13,7 cêntimos
Estudo faz contas ao fabrico do pão – Jornal de Notícias – 29/2/2008

Resultados

fevereiro 29, 2008


O Banco Central registrou um prejuízo de R$ 47 bilhões em 2007, provocado sobretudo pela valorização do câmbio, segundo balanço divulgado ontem pela instituição. O resultado negativo representa mais do que o triplo do prejuízo de R$ 13 bilhões de 2006. O BC perde com a valorização da taxa de câmbio porque tem posição ativa em moeda estrangeira.
Banco Central tem prejuízo de R$ 47 bi – Valor Econômico – 29/2/2008

A Companhia Vale do Rio Doce (Vale) alcançou no ano passado lucro histórico de R$ 20 bilhões – mais que o orçamento de alguns ministérios do governo federal e o suficiente para quase dobrar o Bolsa-Família. Os números divulgados ontem à noite pela maior produtora de minério de ferro do mundo estavam dentro do que esperava o mercado. O lucro cresceu 49% em relação ao resultado de 2006. Os recordes de produção de nove produtos, entre os quais minério de ferro, cobre, níquel e bauxita, compensaram o expressivo aumento dos custos de exploração das reservas minerais.
(…) Os sucessivos aumentos do preço do minério, além do crescimento da produção, explicam como a Vale cresceu nos últimos cinco anos. A receita da companhia triplicou desde 2003.

Lucro líquido da Vale sobe 49%, para R$ 20 bilhões – Gazeta Mercantil – 29/2/2008

O dinheiro levantado pelas companhias nos últimos anos, com a revitalização do mercado de capitais, está puxando o lucro líquido para números recordes e ajudando a esconder a pressão dos aumentos de custos.

Os balanços de 2007 mostram que a margem da atividade, que exclui as despesas financeiras, é a menor dos últimos quatro anos: caiu de 20,7% para 17,2%, de 2004 para o ano passado.

Lucros e vendas são recordes, mas custos já pressionam resultados – Valor Econômico – 29/2/2008

Links

fevereiro 28, 2008

1. Dezenas de países estão desenvolvendo sistemas de governança corporativa

2. O outro lado dos testes de Stress – O acordo da Basiléia reforçou a necessidade de ferramentas de riscos. Estas ferramentas precisam de testes, antes de serem aprovadas. Um dos limites é a sensibilidade dos parâmetros de inputs.

3. O medo de perder é maior que a vontade de ganhar.

Confronte

fevereiro 28, 2008

Analistas esperam que a Vale anuncie nesta quinta-feira, após o fechamento dos mercados de ações, um lucro anual em reais recorde em 2007. O aumento segundo as previsões são de mais de 40%, mas é preciso ressaltar que, em 2006, os ganhos da canadense Inco, comprada pela mineradora brasileira naquele ano, só entraram nos resultados da Vale no quarto trimestre. (Analistas prevêem que Vale anunciará nesta quinta lucro recorde em 2007 – Claudio de Souza – O Globo Online)

Preços e produção maiores devem garantir um quarto trimestre favorável para a Vale , mas sem recordes. O resultado foi contido por preços menores para alguns produtos não-ferrosos e pela valorização do real. (PRÉVIA-Lucro da VALE deve subir no 4o tri, mas sem recordes – Por Denise Luna )

Auditores

fevereiro 28, 2008


Já que a contabilidade está deixando as regras padronizadas e caminhando para os princípios (clique aqui ou leia abaixo), como fica a auditoria? Um texto interessante sobre isto aqui

Accounting experts could spend days on end debating which is better: a more prescriptive set of rules (like U.S. GAAP) or rules that seem to allow more judgment (international financial reporting standards, or IFRS). What’s indisputable is that standard-setters and regulators — any debate notwithstanding — have pushed hard for years to move the U.S. toward what they consider a more principles-based financial reporting system. (…)

On one hand, the specifics of any plan is almost certain to create dissention. But on the other, there’s general agreement among the experts that achieving a more principles-based system will require the behavior of the financial-statement preparers and auditors to change.

Putting Auditor Judgments under a Microscope
Sarah Johnson – CFO.com | US – 27/2/2008
February 27, 2008

Balanços mais subjetivos

fevereiro 28, 2008

Balanços ficarão mais subjetivos
De São Paulo
27/02/2008

A vida dos contadores e dos auditores vai ficar mais emocionante. A convergência da legislação contábil brasileira aos padrões internacionais do IFRS significa que esses profissionais terão de exercitar mais a capacidade de julgamento na sua atividade. “O contador vai ter que sair de sua cadeira confortável e olhar o mundo”, enfatizou o professor da Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), Eliseu Martins.

O motivo da necessidade de julgamento deve-se ao fato de o IFRS, padrão para o qual o Brasil está convergindo, ser baseado em princípios gerais e não em regras rígidas. Por enquanto, porém, os profissionais não estão achando a vida mais emocionante. Estão temerosos, achando o simples exercício de sua profissão mais arriscado.

Durante seminário realizado ontem na Fipecafi, os professores Eliseu Martins e Ariovaldo dos Santos foram alvo de muitas dúvidas, em especial sobre como tomar decisões em relação a normas e diretrizes pouco exatas que falam em efeitos “materialmente relevantes”, “significativos”, “importantes”, “substanciais” a serem descritos pelas empresas.

Diante dos questionamentos, Nelson Carvalho, presidente do conselho consultivo do Comitê Internacional de Normas de Contabilidade (Iasb , na sigla em inglês), que estava na platéia, tomou o microfone. “O mundo inteiro, não só o Brasil, clama por percentuais”, disse ele, referindo-se a parâmetros que poderiam ser fornecidos para orientar a aplicação das normas.

Porém, Carvalho pôs fim às esperanças dos adeptos das “regrinhas de bolso”, citando o presidente do Iasb, David Tweed: “Estamos marchando para uma contabilidade baseada em princípios e não em regras. Se dermos percentuais, voltaremos às regras”.

Eliseu Martins destacou que os grandes escândalos da contabilidade internacional, como o da Enron, não aconteceram por erro de julgamento e sim por uso de brechas nas regras.

Para Ariovaldo dos Santos, o professor destacou que será normal a existência de erros durante a fase de transição das normas brasileiras ao padrão internacional. “Mas isso é só por um ano ou dois”, brincou ele. Santos enfatizou que quando a companhia não souber como proceder pode buscar orientação nas normas do Iasb para o IFRS, pois é o para onde o país está rumando. “É necessária uma completa mudança de atitude.” (GV e NN)
Valor Econômico
Enviado por Ricardo Viana

Fraude do Click cresceu?

fevereiro 28, 2008

Anteriormente, postagem sobre o aumento na fraude do clique. Aqui o argumento da Google afirmando que não.

Iasb muda IAS 32

fevereiro 28, 2008


O International Accounting Standards Board (IASB) iniciou uma discussão para alterar o IAS 32 sobre a distinção entre equity financial instruments e other financial instruments (non-equity instruments).

Na apresentação da alteração, o IASB reconhece que os princípios do IAS 32 são difíceis de serem aplicados e que a sua aplicação pode levar a classificação errônea.

Clique aqui