Educação na Finlândia

Trechos extraídos de uma reportagem do WSJ:

Aqui, estudantes de nível médio raramente têm mais de meia hora de dever de casa.

Quase não há exames padronizados, poucos pais arrancam os cabelos pensando na faculdade e as crianças só começam a ir à escola aos 7 anos.

Logo cedo, as crianças fazem muitas coisas sem a supervisão de adultos.

E os professores criam lições sob medida para seus estudantes.

Educadores finlandeses acreditam que obtêm melhores resultados quando se concentram nos estudantes mais fracos do que se ficarem cutucando os mais dotados para se destacarem dos demais. A idéia é que estudantes brilhantes podem ajudar os medíocres sem prejuízo de seu próprio progresso.

Professores e estudantes referem-se uns aos outros pelo primeiro nome. É proibido usar celular, iPods ou chapéus — e essa é praticamente a única regra da classe.

É preciso mestrado para ser professor e a profissão é concorrida. Mais de 40 pessoas podem se candidatar para a mesma vaga.

Os salários estão no nível do Primeiro Mundo, mas em geral eles têm mais liberdade na Finlândia. Professores finlandeses escolhem livros e adaptam as lições para levar os estudantes aos padrões nacionais. “Na maioria dos países, educação parece uma fábrica de carros. Na Finlândia, os professores são empreendedores”, diz Schleicher, da Pisa, que tem sede em Paris e começou a fazer os testes em 2000.

Uma explicação para o sucesso finlandês é sua paixão por leitura. O governo dá um pacote para os pais de recém-nascidos que inclui um livro de figuras. Algumas bibliotecas são anexas a shopping centers e há sempre uma biblioteca ambulante em todos os bairros.

A língua local só é falada aqui e até os livros em inglês mais vendidos são traduzidos muito depois do lançamento. Muitas crianças se esforçaram para ler o último Harry Potter em inglês porque tinham medo de que alguém lhes contasse o final antes que chegasse a versão em finlandês. Filmes e programas de TV têm legendas em vez de dublagem. Uma estudante universitária diz que se tornou uma leitora veloz na infância quando ficou viciada no seriado “Barrados no Baile”.

A população do país, de 5,3 milhões, é bastante homogênea e há pouca disparidade de educação e renda. O governo gasta, em média, US$ 7.500 por estudante. Os impostos são altos, mas o nível de renda permite às crianças se dedicar aos estudos sem precisar trabalhar. Faculdades são gratuitas. O padrão de vida é um dos mais altos do mundo.

O que torna os adolescentes finlandeses tão inteligentes?
29/2/2008
Por Ellen Gamermanvia Enriquez
The Wall Street Journal, de Helsinque, Finlândia

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: