Archive for the ‘amostragem’ Category

Pequena e grande amostra

agosto 23, 2007

Um dos conceitos básicos de finanças é a existência de uma relação entre risco e retorno. Em outras palavras, quanto maior o risco, maior o retorno. É algo básico e fundamental no arcabouço teórico.

Entretanto, é necessário saber se esta relação básica ocorre na prática. Um estudo interessante, publicado em julho de 2007 (aqui, link. É necessário ser assinante) no Jornaul of Financial Economics mostra algo interessante (The risk return tradeoff in the long run: 1836–2003; Christian Lundblada, University of North Carolina)


Estudos anteriores encontraram tipicamente insignificância estatística entre o prêmio pelo risco do mercado e sua volatilidade esperada. Mais ainda, muitos destes estudos estimaram um tradeoff negativo entre risco e retorno, contrário as previsões da teoria. Usando simulações, eu demonstrei que mesmo cem anos de dados constitui uma pequena amostra.

Neste link alguns comentários críticos do artigo.

Amostragem em Auditoria

abril 23, 2007

O procurador-geral do TCU parece não conhecer a auditoria e suas técnicas. Ou não quer conhecer. No jornal Estado de S. Paulo de 23/04/2007 (É impossível fiscalizar todas as notas ‘, diz procurador do TCU Para Lucas Furtado, sistema é faz de conta’ e serve apenas para engordar salários sem desgaste público)

Os números apenas sugerem, mas o procurador-geral do Tribunal de Contas da União (TCU), Lucas Rocha Furtado, vai direto ao ponto: a verba indenizatória é um salário extra de R$ 15 mil, acrescido ao contracheque do deputado, de R$ 12.847,20. Ele garante que não há nem haverá fiscalização das notas fiscais, porque seria impossível. “Isso é faz-de-conta. É uma sistemática para dar um aumento de salário que eles não têm como justificar”, critica. “E mais, nesse valor não incide Imposto de Renda nem contribuição previdenciária, porque tem natureza indenizatória.”

Ora, a auditoria possui instrumentos que permitem fazer esta investigação, que é a amostragem. A reportagem continua com a opinião do procurador:

Outro ponto grave, relata ele, é a questão do controle das despesas. “A Câmara não tem estrutura para fiscalizar a declaração de reembolso dos deputados”, revela. “É matematicamente impossível verificar todas as notas, uma a uma. Os deputados criaram um sistema que não tem como ser fiscalizado. Se quisessem, não teriam número suficiente de funcionários.”

Nenhuma auditoria faz uma verificação por censo. Mas a reportagem continua…

SEM CONTROLE

Indagado por que o TCU não investiga a fundo esses gastos, Furtado explica: “Não há como fazer uma auditoria em tudo. Um deputado junta, só de combustível, dezenas de notas. Ainda que fosse por amostragem, seria impensável.” E insiste: “Essa sistemática não tem como ser fiscalizada.”

Mais um erro. Não existe razão pela qual a amostragem seria impensável. A não ser a questão política. Sua insistência em não fiscalizar talvez seja mais comôda.