Archive for the ‘Banco Real’ Category

Banco Real fica com o Santander

outubro 6, 2007

Consórcio de bancos diz que venceu disputa pelo ABN
Folha de São Paulo – 06/10/2007
Toni Sciarretta

Após seis meses de negociação, a disputa pelo controle do banco holandês ABN Amro, dono no Brasil do Real, pode ter chegado ao fim com a adesão de 85% de seus acionistas pela proposta de US$ 100 bilhões feita pelo consórcio de bancos liderado pelo escocês RBS ( Royal Bank of Scotland). A informação foi veiculada na edição eletrônica do jornal britânico “Financial Times”.

O consórcio tem ainda a participação do espanhol Santander e do belga-holandês Fortis.

Até o fechamento desta edição, o ABN não havia se pronunciado sobre a adesão à proposta do consórcio. O anúncio deve ficar para a segunda.

(…) De acordo com a proposta, que envolve 94% em dinheiro, o consórcio deve fatiar as operações do ABN no mundo -no Brasil, o ABN Real seria absorvido pelo Santander.

(…) Trata-se do maior negócio da história envolvendo bancos, que começou quando um dos acionistas minoritários, o fundo britânico TCI (O Investimento das Crianças, na sigla em inglês) enviou no final de fevereiro uma carta à direção do ABN pedindo a divisão ou a venda do banco devido à fraca performance de suas ações.

A carta iniciou uma discussão sobre a gestão do banco e despertou a cobiça dos mais agressivos bancos do mundo.

O conselho do ABN chegou a anunciar a fusão com o Barclays em maio, mesmo sabendo que o consórcio tinha uma proposta superior em valor. A iniciativa foi criticada pelos minoritários e o negócio não seguiu.

Para viabilizar a fusão, o ABN decidiu apostar em operação paralela, envolvendo a venda do banco La Salle, sua unidade nos EUA, para o Bank of America. A unidade americana era o ativo de principal interesse do RBS, líder do consórcio e antigo parceiro do espanhol Santander. A venda foi concluída no início desta semana por US$ 21 bilhões em dinheiro.

Ontem, as ações do ABN permaneceram estáveis, enquanto os papéis do Barclays tiveram alta de 0,8% com a desistência. Já as ações do RBS subiram 1,2%, e as do Santander, 0,9%. As ações que mais subiram foram do Fortis, que tiveram valorização de 3% na Bolsa.

Anúncios

Links

setembro 19, 2007

1) A revolução em finanças de Mandelbrot

2) ABN ainda não foi vendido

3) El Corte Inglés

Sobre avaliação de empresas

julho 4, 2007

Dois links. O primeiro, sobre o número crescente de negócios entre empresas (aqui).

O segundo é um exemplo interessante, do El País de hoje, sobre como são realizados alguns negócios de aquisição no mundo: sem informação suficiente (ou seja, “no escuro”). Aqui

Links

maio 8, 2007

1. Sunk Cost como Barreira de Entrada

2. As razões para a recente onda de aquisições e fusões

3. O caso do ABN Amro, ainda

4. Onde vivem os milionários norte-americanos?

ABN: continua a novela

maio 2, 2007

Notícia da EFE informa que o fundo The Children’s Investment (TCI), que possui de 2 a 3% da ABN Amro, pediu ao presidente do banco a destituição imediata do conselheiro delegado por não ter agido de má fé no processo de venda do ABN.

Os acionistas minoritários sabem que a proposta do consórcio Santander, RBS e Fortis é mais interessante que a do Barclays. (clique aqui)

Links

abril 30, 2007

1. Quem ganhou com a nova Varig?

2. Os acionistas do ABN estão perdendo 7 bilhões de euros

Links

abril 27, 2007

1. Marca

2. Bolívia quer ficar com refinaria

3. ABN: a briga não terminou

Venda do ABN

abril 26, 2007

A venda do ABN aconteceu num período de grandes negociações. Entretanto, uma oferta agressiva indica que a venda ainda não está finalizada

Banco Real e a Venda do ABN

abril 23, 2007

O jornal Valor Econômico de 23/04/2007 (As operações no Brasil são “cereja do bolo”) informa que a disputa pelo ABN AMRO “revelou que a cereja do bolo são as operações no Brasil.”

A todo momento surgem notícias de interessados no Banco Real, que o grupo holandês comprou do banqueiro Aloísio Faria em 1998. O mais recente candidato é o HSBC, segundo o jornal britânico “The Times”, que avalia as operações brasileiras em R$ 28 bilhões.

Mais adiante a reportagem afirma, baseado em números da contabilidade, que


o bom desempenho do ABN no Brasil é resultado principalmente da eficiência da administração. (…)

O ABN AMRO Real é maior banco estrangeiro do mercado e terceiro maior de capital privado. Tem 1,9 mil agências e postos bancários; 3,9 milhões de contas correntes e um total de 13,1 milhões de clientes, incluindo os da financeira Aymoré, uma das maiores do mercado, especializada no cobiçado financiamento de veículos.

Já o Wall Street Journal analisa de outra forma (mais pessimista) o Banco Real:

No ano passado, o ABN disse que os créditos de liquidação duvidosa do grupo haviam crescido sete vezes, para € 761 milhões (US$ 1,03 bilhão), principalmente por problemas de inadimplência no Banco Real. Na semana passada, o banco apressou a divulgação de seu resultado do primeiro trimestre, para mostrar que seu esforço de recuperação mais recente está tendo progresso, embora os lucros tenham sido ajudados por ganhos não-recorrentes.