Archive for the ‘bradesco’ Category

Lucro do Bradesco

novembro 7, 2007

Aqui, a transcrição do lucro do Bradesco para os investidores estrangeiros. A apresentação dos resultados parece que foi muito pouco criativa; é possível observar que ocorreu uma leitura de slides (“aqui, o slide 23” e assim por diante). Nas perguntas, questões sobre o Santander, o crescimento do banco no mercado interno, dúvidas sobre alguns passivos etc. Achei também interessante que o banco usou o percentual de arrecadação da CPMF como um critério de participação no mercado (pelo menos serviu para alguma coisa).

Investindo no Bradesco

outubro 8, 2007

Este analista acredita que a taxa de crescimento da economia brasileira é sustentável (da China não) e que a melhor forma de investir no Brasil é comprar ações do Bradesco.

Bolsa de Valores

setembro 3, 2007

Uma série de notícias sobre bolsa de valores.

No Valor, Ingleses querem empresas do Brasil na bolsa de Londres, de 03/09/2007, informa que o prefeito do distrito financeiro de Londres, Lord Mayor John Stuttard, gostaria de ter empresas brasileiras na bolsa de Londres.

Na GAzeta, também de 03/09/2007, o foco é nas empresas que estão fora dos níveis de governança do Bovespa (Maioria das empresas está fora dos níveis de governança da Bovespa, por Luciano Feltrin, Finanças & Mercados – Pág. 4). Alguns dados interessantes são apresentados


=> das 402 companhias com papéis negociados na Bovespa, 74,8% do total (números de julho deste ano) ainda estão fora dos níveis de governança da Bolsa

= > O percentual inclui empresas cujas ações estão entre as mais negociadas do mercado, como é o caso da Petrobras.

=> Nos EUA, 92% das empresas não têm mais que 20% de suas ações concentradas em um controlador. Uma das explicações dessa característica é a cultura de mercado das companhias norte-americanas. No Brasil, por outro lado, há concentração dos papéis por um grupo ou família controladora.

=> Segundo dados da GMI Ratings,o Brasil está em penúltimo lugar entre 42 países no que se refere a boas práticas de governança. Só vence a China.

Isto mostra que ainda temos muito que evoluir em termos de governança.

A mesma Gazeta comenta a questão da sustentabilidade (Itaú é líder de sustentabilidade na AL, 03/09/2007, Finanças & Mercados – Pág. 4, por Aluísio Alves)

(…) O Itaú é o banco mais sustentável da América Latina. É o que diz a consultoria espanhola Management & Excellence (M&E), depois de verificar o desempenho das 40 maiores instituições financeiras da região em governança corporativa, ética, responsabilidade socioambiental e transparência. O levantamento consistiu em medir o enquadramento dos bancos a padrões internacionalmente respeitados, como a presença das ações no Dow Jones Sustainability Index (DJSI), a publicação de balanço social segundo o modelo GRI (Global Reporting Initiative) e a obediência a normas corporativas da OECD. Com 95,4 pontos, numa escala de zero a 100, o Itaú ficou em primeiro no ranking pelo terceiro ano consecutivo.

O estudo também apontou, no entanto, que a briga entre os bancos mais adiantados pela ponta ficou mais acirrada. O Bradesco, por exemplo, quase dobrou a pontuação de dois anos atrás, atingindo 94,5 pontos, 0,9 a menos do que o do maior rival. Para o sócio-diretor da M&E, Bill Cox, o esforço dos grandes para se firmar como referência em sustentabilidade se traduz no aumento dos investimentos no setor. “O tema consumiu de US$ 100 milhões a US$ 1 bilhão de cada um dos cinco primeiros em 2006, com um crescimento anual médio de 25%”, diz.

Particularmente tenho certa restrição a um indicador que permite que uma instituição consiga dobrar a pontuação, atingindo o segundo lugar, em dois anos.

Lucro recorde da Exxon

fevereiro 2, 2007

O Estado de hoje anuncia:

A Exxon Mobil anunciou ontem um lucro recorde de US$ 39,5 bilhões em 2006. Não só é o maior lucro da história da empresa como também o maior resultado registrado por uma companhia em toda a história dos Estados Unidos. O valor supera em R$ 3,4 bilhões o recorde anterior, obtido pela gigante petroleira em 2005, quando registrou lucros de US$ 36,1 bilhões.

O resultado foi impulsionado principalmente pela alta nos preços do petróleo. Apesar de não estar no seu patamar mais alto, o preço do barril ainda é considerado elevado, na casa dos US$ 60. Em 2006, a média foi de US$ 66 por barril, US$ 10 acima da média de 2005, segundo um levantamento do Citigroup. O valor recorde foi alcançado em julho, quando os preços bateram em US$ 77. (…)

O maior lucro de uma empresa brasileira foi alcançado pela Petrobras em 2005, quando a empresa brasileira ganhou US$ 11,1 bilhões. O maior lucro da história dos bancos da América Latina, alcançado pelo Bradesco em 2005, foi de US$ 2,57 bilhões – 14 vezes menor que o da Exxon. Neste ano, as ações da Exxon já subiram 10,4% na bolsa de Nova York.

Há dois dias a Exxon constava da lista do Wall Street Journal de empresas pouco admiradas pelo público. O valor do lucro da empresa significa um lucro de $75,000 a cada minuto (clique aqui)

Itaú é o maior Banco?

dezembro 6, 2006

Reportagem de hoje do Estado contesta a notícia que o Itaú é o maior banco do País ( Bradesco ainda é o maior, garante a Austin Rating, de Leandro Modé, Milton F. da Rocha Filho).

Para a Austin Rating o Bradesco ainda é o maior banco privado do País em ativos pois o Banco Central não leva em consideração os balanços consolidados.

‘Os balanços consolidados do trimestre encerrado em setembro ainda colocam o Bradesco como a principal instituição privada do País em ativos, que é o único critério reconhecido em vários países desenvolvidos para esse tipo de mensuração’, disse o presidente da Austin, Erivelto Rodrigues. para a reportagem.

O Bradesco não entrou na polêmica, mas o Itaú considera que o ranking do Banco Central é o correto. Segundo a reportagem,

O chefe do departamento do BC responsável pelo ranking, Cornélio Pimentel, explicou ao Estado que a diferença entre os números do levantamento da instituição e os divulgados nos balanços devem-se a questões metodológicas.

Entre outros pontos, ele observou que o BC não inclui as empresas não financeiras no cálculo dos ativos. Isso significa que estão excluídas operações de seguradoras, participação em indústrias ou empresas agropecuárias.

O maior banco privado brasileiro é o Itaú

dezembro 5, 2006


Depois de dominar o ranking de maior banco privado brasileiro por anos, o Bradesco acaba de perder o posto para o Itaú. A compra do BankBoston fez com que o Itaú assumisse o posto de banco privado número 1 em ativos totais, um dos indicadores de porte do setor (Itaú ultrapassa Bradesco e vira o banco privado nº 1, de Leandro Modé, para o Estado de hoje)

A briga pelo primeiro posto é antiga e na nova posição o Itaú passa a ter ativos de R$ 201,3 bilhões em setembro, ultrapassando inclusive a Caixa Econômica Federal (CEF), atrás somente do Banco do Brasil. Os ativos do Bradesco somam R$ 195,7 bilhões e do Banco do Brasil 281,6 bilhões.

Quando o raking é depósitos, o Bradesco ainda vence o Itaú: R$ 78,9 bilhões versus R$ 56,4 bilhões.

O sucesso do Bradesco

novembro 26, 2006


Texto do Jornal de Commercio (21/11) sobre as negociações de ações do Bradesco na Bolsa de Nova Iorque:

Sucesso do Bradesco em Wall Street

É o banco latino-americano de maior liquidez na Bolsa de Nova York

LUCIANNE CARNEIRO
DO JORNAL DO COMMERCIO

Em um dia considerado histórico nos 63 anos de existência do Bradesco, o presidente Márcio Cypriano e integrantes da diretoria do banco comemoraram ontem cinco anos de bem sucedida negociação de ações da instituição financeira na Bolsa de Valores de Nova York. “Alcançamos, nestes cinco anos, a condição de banco latino-americano com a maior liquidez do mercado”, destacou o executivo, que ao fim do dia tocou o sino de fechamento do pregão.

Cypriano citou extensa lista de indicadores que mostram melhora significativa da instituição desde novembro de 2001, quando as ações do banco começaram a ser negociadas na Bolsa de Nova York. Atualmente, 30% das ações do banco já estão na mão de investidores estrangeiros e há interesse em ampliar este percentual, garantindo ainda mais liquidez às ações do banco.

“Muita coisa aconteceu com o Bradesco e com a economia brasileira nesse período. O Bradesco reafirmou sua posição de liderança entre as instituições financeiras privadas da América Latina, nossa base de clientes chega, hoje, a 17 milhões, fruto de crescimento orgânico e da aquisição estratégica de outras instituições financeiras, além de forte processo de bancarização”, disse.

Valor de mercado: US$ 35,3 bi. O valor de mercado do Bradesco atingiu US$ 35,3 bilhões neste ano, ante US$ 7,1 bilhões em 2001. A consultoria Economática mostra que a valorização das ações ordinárias (ON) do Bradesco foi de 768% em dólar nos últimos 5 anos, enquanto as preferenciais (PN) subiram 540%, percentuais superiores aos Índices Bovespa, Dow Jones e Nasdaq.

O volume médio diário anual de negociação era US$ 12,5 milhões em 2001 e foi ampliado para US$ 93,7 milhões. O volume girado em ADRs em Nova York passou de 22,5% da liquidez em 2001 para 128%. “Agora, o volume de ADRs (American Depositary Receipts) já é equivalente a 128% do que se negocia em São Paulo”, resumiu Cypriano.

“O total de ativos mais que dobrou nos últimos cinco anos, assim como nosso patrimônio líquido. O lucro cresceu e lidera o setor bancário privado há oito trimestres consecutivos. A carteira de crédito dobrou em relação a 2001, com a inadimplência mantendo-se estável. A rentabilidade alcançou novo patamar, da ordem de 30% e assim vem se mantendo. Esses resultados originaram-se na escolha de estratégias acertadas, adequadas ao desempenho da economia brasileira”, disse, ressaltando que o Bradesco é o único banco latino-americano a participar do grupo com ativos superiores a US$ 100 bilhões.

O Bradesco foi o responsável pelo maior lucro anual do sistema financeiro da América Latina, de US$ 2,4 bilhões em 2005.

Contribuíram para o avanço das operações nos últimos cinco anos, segundo Cypriano, as cerca de 30 aquisições, parcerias de crédito e acordos de empréstimo consignado no período. Entre elas, citou as compras do Banco Mercantil de São Paulo, BBVA, Banco Boavista e o Banco Cidade, o acordo com as Casas Bahia, a parceria com a American Express e a privatização dos bancos dos estados do Ceará (BEC) e do Maranhão (BEM). Além disso, destacou o processo de segmentação do atendimento do banco.

“Temos tradição de 63 anos de lucros ininterruptos. Tudo isso nos dá diferencial competitivo e a certeza de que continuaremos a melhorar, ano a ano, os nossos resultados”, afirmou. Ele acrescentou que o Bradesco ocupa a quarta posição entre empresas financeiras e não-financeiras cujas ações são as mais negociadas da América Latina.

Nos encontros com analistas, foi reforçado o interesse do Bradesco em ampliar as operações de seu banco de investimentos. Em fevereiro, as operações de banco de investimento, gestão de recursos, tesouraria e corretora da instituição financeira foram agrupadas no Banco Bradesco de Investimento (BBI). Um dos objetivos da nova estrutura é apoiar aquisições de ativos no exterior por empresas brasileiras.

“O banco olha com muita atenção e está disposto a participar dessas operações grandes, é um dos objetivos do banco de investimento”, disse Cypriano, lembrando que o banco participou da aquisição da canadense Inco pela Companhia Vale do Rio Doce (CVRD).

Na apresentação aos analistas, Márcio Cypriano ressaltou o otimismo com o futuro da economia brasileira e disse que o banco está preparado para desenvolvimento mais acentuado do País.

“O Brasil preparou nos últimos anos base sólida para o lançamento de um novo ciclo longo de crescimento, que seja consistente e sustentável. Temos inflação sob controle, saldos crescentes na balança comercial, reservas internacionais confortáveis. A expectativa para 2007 é da continuação da queda dos juros primários”, apontou.

Cypriano afirmou que o banco manterá sua estratégia de vender participações em negócios que não estejam no foco principal do grupo: banco e seguros. O movimento foi iniciado com a cisão da Bradespar, mas será mantido.

No início de novembro, o Bradesco vendeu a participação no capital social ordinário da Usiminas, de 2,8%. “O banco tem saído de quase todas as participações que não são relevantes para o nosso negócio”, disse o presidente do Bradesco.

Apoio, na China, a exportadores brasileiros

O presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, anunciou que banco estuda a instalação de escritório de representação na China para atender a exportadores brasileiros que atuem naquele país, mas não precisou data para este investimento.

“Já temos participação no mercado chinês por meio de nosso acordo operacional com o Tokyo Mitsubishi UFJ, que mantém rede de agências na China. Porém, o vigor da expansão econômica chinesa já justifica uma presença direta para o atendimento das empresas brasileiras que estão lá, como Petrobras, Vale e Embraer. Com a abertura do mercado chinês, estamos pensando em abrir um escritório de representação lá, se os estudos confirmarem nossas expectativas positivas”, anunciou Cypriano. O executivo acrescentou que devem ser prospectados negócios em outros mercados emergentes, como a África, por exemplo.

Na última semana, ele já tinha afirmado que a busca por mercados fora do Brasil está no planejamento estratégico do banco para os próximos dez anos.

A China deve iniciar a abertura de seu setor bancário no dia 11 de dezembro, como parte de uma série de reformas exigidas para sua integração à Organização Mundial do Comércio (OMC), ocorrida em 2001. Atualmente, investidores estrangeiros não podem investir no setor financeiro no País e a fragilidade do sistema financeiro é apontada como uma das maiores ameaças ao crescimento da economia chinesa.

A princípio, Cypriano descartou a possibilidade de o banco brasileiro atuar no varejo na China e ressaltou que o objetivo da operação será apoiar exportadores brasileiros na China. Ele explicou que o estudo é para a instalação de um escritório de representação e não de um banco. Não há intenção de realizar operações de crédito.

“O que vamos fazer é um escritório de representação, não um banco. Nós não vamos fazer operação de crédito”, disse ele.

“Não temos intenção de fazer varejo fora do Brasil, até porque ainda temos no País muito para caminhar em bancarização de 40% da população economicamente ativa que ainda não possui conta em bancos. O objetivo de nós abrirmos eventualmente um escritório na China seria basicamente para atender operações de trade finance através de nossos clientes que são exportadores para a China”, apontou.

Segundo o executivo, o volume de capital necessário para fazer um escritório de representação na China é próximo de US$ 25 milhões. “Não é nada tão expressivo que possa trazer qualquer tipo de preocupação (sobre garantias)”, disse.

Cypriano informou que o Bradesco prevê ampliar o serviço de remessas oferecido aos brasileiros residentes nos Estados Unidos. Para isso, iniciou conversações com várias instituições financeiras locais para buscar parcerias que aumentem a capacidade de prestação de serviços do Bradesco.

As remessas de recursos de brasileiros através do Bradesco totalizaram US$ 400 milhões entre janeiro e outubro deste ano, ante US$ 383 milhões em todo o ano de 2005. As operações partem principalmente de residentes no Japão, Europa Ibérica e Estados Unidos.

Bradesco

novembro 8, 2006

O lucro anunciado do Bradesco sofreu com a amortização do ágio, realizado integralmente neste período. Isto também foi feito pelo Itaú. Entretanto, a distribuição dos dividendos terá como base um lucro maior. Seria esta amortização interessante? A reportagem a seguir, do Estado de hoje, diz que sim.

Com aquisições, lucro do Bradesco cai para R$ 3,35 bi

Sem efeito das amortizações, lucro de janeiro a julho ultrapassou R$ 5 bilhões, 24% maior que o de 2005

Renée Pereira

O lucro líquido do Bradesco, maior banco privado do País, atingiu R$ 3,35 bilhões entre janeiro e setembro deste ano, resultado 17,27% inferior ao de igual período do ano passado. A redução, a exemplo do que ocorreu com o Itaú (que lucrou R$ 3 bilhões), foi provocada pela amortização integral do ágio referente a aquisições feitas no passado, como American Express (Amex) e Banco do Estado do Ceará (BEC). O retorno sobre o patrimônio ficou em 22%.

Sem o efeito das amortizações, o lucro do banco ultrapassou os R$ 5 bilhões, valor 24% superior ao do mesmo período de 2005. ‘O resultado veio dentro das expectativas do mercado e foi considerado bastante satisfatório’, disse o analista João Augusto Salles, da consultoria Lopes Filho. Com o anúncio do balanço, as ações preferenciais valorizaram 2,25% e as ordinárias, 1,65%. A amortização integral de ágio dá mais transparência aos números dos bancos.

O presidente do Bradesco, Márcio Cypriano, informou que a distribuição de dividendos será feita com base no valor de R$ 4,74 bilhões. Esse é o lucro líquido ajustado, com amortização do primeiro semestre. O executivo destacou ainda que 67% do ganho veio da atividade bancária e 33%, de seguros.

A carteira de crédito, incluindo avais e fianças, mais uma vez foi um dos destaques do balanço, com um avanço de 27,8%, somando R$ 110,30 bilhões. Entre essas operações, o maior crescimento, de 27%, foi detectado no portfólio para pessoa física, especialmente nas linhas de crédito pessoal e veículos. Na modalidade cartão de crédito, houve um salto na carteira de 76,6%, explicado pela aquisição da Amex, explicou Cypriano.

Na carteira para pessoa jurídica, os empréstimos para pequenas e médias empresas aumentaram 25,6%. Já a demanda das grandes empresas atingiu 13,1%, porcentual explicado pelo acesso à modalidades de financiamento no mercado de capitais, observa Cypriano. ‘O crédito veio em linha com nossa expectativa de crescer entre 22% e 25% este ano. Para 2007, a previsão é de avanço de 20%.’

Ele destacou ainda que o crédito consignado com carteira adquirida – por meio de parcerias com bancos médios – cresceu bem menos que a carteira com recursos próprios – 7,5% ante 84,7%. ‘Hoje esses bancos médios estão encontrando outras formas de se financiarem e não precisam tanto das parcerias com grandes bancos como no passado’, explica Cypriano.

Em relação à inadimplência, o índice médio dos atrasos acima de 59 dias atingiu 4,2% em setembro, ante 3,1% em igual período do ano passado. O presidente do banco explicou que esse aumento é resultado do novo mix da carteira de crédito, com maior participação dos empréstimos para pessoa física. Nessas linhas, o risco é maior, mas o retorno compensa, já que os juros são extremamente elevados.

Por causa do aumento da inadimplência e do crescimento da carteira de crédito, o Bradesco elevou em 83% as despesas com Provisão para Devedores Duvidosos, de R$ 1,74 bilhões para R$ 3,22 bilhões. O valor excede em R$ 79 milhões o exigido pelo Banco Central (BC). A notícia positiva, segundo Cypriano, é que a inadimplência se estabilizou em agosto e já apresenta algum recuo.

O executivo também se mostrou otimista em relação ao crédito imobiliário. Ele afirmou que até setembro o volume de financiamento já tinha atingido R$ 1,6 bilhão, esbarrando na meta de R$ 2 bilhões estabelecida para o ano. ‘Devemos chegar a esse valor até o fim de novembro.’ Cerca de 83% dos empréstimos foram para construtoras e 17%, consumidor final.

Outra conta que teve resultado bastante positivo foi a receita de prestação de serviço, que subiu 21,3%, para R$ 6,47 bilhões. Neste ano, esse faturamento respondeu por 26% do resultado. Os ativos totais somaram R$ 243 bilhões e o patrimônio líquido, R$ 21,77 bilhões.