Archive for the ‘casamento’ Category

Adaptação

fevereiro 11, 2008

A palavra “adaptação” é muito conhecida de todos nós. Um texto de 1978, “Lottery winners and accident victims: Is happiness relative?”, de Brickman et al, mostrou que pessoas paraplégicas não são menos felizes de outros grupos. Agora, quatro autores (Andrew Clark, Ed Diener, Yannis Georgellis e Richard Lucas) fizeram uma pesquisa observando seis eventos na vida de uma indivíduo, como o casamento. O interessante é que os autores fizeram uma espécie de série histórica, mostrando como as pessoas evoluíram em termos de satisfação. Observe o gráfico abaixo mostrando a satisfação do homem antes e depois do desemprego e do casamento (nesta ordem).

O gráfico seguinte mostra a situação do divórcio e casamento para uma mulher.

Observe que em ambos os casos, o nível de felicidade com o casamento (segundo gráfico) aumenta para depois voltar ao normal.

Os homens são mais baratos

dezembro 17, 2007

‘O noivo trouxe o talão de cheques?’
Por Robert Frank – 16/12/2007
The Wall Street Journal

Num episódio de “Dirty Sexy Money”, um seriado da rede de TV americana ABC sobre os podres de rico, a herdeira Karen Darling se casa pela quarta vez, com um astro do golfe. Minutos depois da cerimônia, ela decide que quer o divórcio, deixando o jogador em dúvida sobre a garantia de US$ 3 milhões estabelecida no acordo pré-nupcial.

“Eu ainda levo o cheque, certo?”, pergunta ele.

“Claro”, diz Darling, com escárnio. “Eu me comprometi.”

Casar por dinheiro não é só material para roteiros de TV. E o preço de um casamento de interesse está na casa dos milhões de dólares, segundo uma nova pesquisa.

Claro que os famosos dominam os holofotes, sejam eles Kevin Federline, o dançarino que virou milionário ao separar-se de Britney Spears, ou Heather Mills, a segunda mulher de Paul McCartney, que deverá receber dezenas de milhões de dólares quando o tumultuado divórcio dos dois for completado, segundo a imprensa britânica.

Mas também longe das luzes o amor pode ser medido em dólares. Segundo uma pesquisa da Prince & Associates, uma firma especializada em riqueza, o “preço” médio exigido por homens e mulheres americanos para casar por dinheiro hoje em dia é US$ 1,5 milhão.

A pesquisa consultou 1.134 pessoas nos Estados Unidos com rendas que variam entre US$ 30.000 e US$ 60.000 por ano (a faixa de renda média no país). A pergunta: “Qual seria sua disposição de casar com alguém de aparência média de que você gosta, se ela tivesse dinheiro?”

Dois terços das mulheres e metade dos homens responderam que estariam “muito” ou “extremamente” dispostos a casar por dinheiro. As respostas variaram com a idade: as mulheres na casa dos 30 foram as mais propensas a responder que casariam por dinheiro (74%), enquanto as entre 20 e 30 foram as menos dispostas (41%).

“Eu fiquei um pouco chocada com os números”, diz Pamela Smock, socióloga da Universidade de Michigan que estudou a correlação entre casamento e dinheiro. Mesmo assim, Smock descobriu em sua própria pesquisa que ter dinheiro realmente incentiva as pessoas a se casarem. “A união do casal é mais provável se eles tiverem dinheiro, ou se o homem é economicamente estável”, diz ela.

No estudo da Prince & Associates, 61% dos homens quarentões disseram que casariam por dinheiro.

Quando perguntadas quanto dinheiro um potencial consorte tem de ter num casamento de interesse, as mulheres na faixa dos 20 anos responderam US$ 2,5 milhões; as de 30, US$ 1,1 milhão; e as de 40, US$ 2,2 milhões. Smock e Russ Alan Prince, fundador da Prince & Associates, atribuem a diferença à suposição de que as balzaquianas sentem-se mais pressionadas a casar do que as mulheres mais jovens, então baixam o preço. Mas aos 40, as mulheres sentem-se mais autoconfiantes, então pedem mais dinheiro.

Os homens são mais baratos. Na pesquisa, o preço médio que pediram foi de US$ 1,2 milhão, com os de 20 pedindo US$ 1 milhão e os de 40 , US$ 1,4 milhão.

É claro que quando o golpe do baú desaponta, há o divórcio. Entre as mulheres de 20 anos que disseram que casariam por dinheiro, 71% disseram que esperariam o divórcio — a porcentagem mais alta em qualquer faixa etária. Apenas 27% dos homens de 40 anos esperam o divórcio.

Links

dezembro 6, 2007

1. As escolas que aprovam em Harvard Princeton, MIT, Williams, Pomona, Swarthmore, the University of Chicago and Johns Hopkins
2. O casamento deve ser um contrato livre, sem a participação do Estado
3. Preferências econômicas são hereditárias
4. Homens são mais otimistas sobre o desempenho futuro de indicadores financeiros e econômicos. E a diferença é significativa.

"Morar Junto" é uma opção

outubro 8, 2007

Em alguns países o números de casais que estão “morando junto” aumentou, enquanto o número de casamentos diminuiu. Uma possível explicação pode estar no mercado de opções. Quando duas pessoas decidem “morar junto”, mas não casar, estão adotando uma opção, ou seja, o direito de comprar/vender um ativo numa data futura. Eis aqui um bom exemplo para explicar uma opção. Clique aqui para ler mais

Links

julho 14, 2007

1. Qual o número ideal para uma lei de copyright?

2. Plantação de Marijuana é encontrada perto do escritório do DEA (órgão dos EUA que combate o narcotráfico)

3. Pastor de Uganda é acusado de usar mágica

4. Superstição no casamento – Muitos casamentos foram realizados no dia 07/07/07. É uma boa oportunidade de pesquisar se o sucesso destes casamentos é maior ou menor do que a média

Rir é o melhor remédio

junho 22, 2007

Fonte: http://gigglesugar.com/328169

Casamento

novembro 1, 2006


De um livro sobre casamento:

“Casamentos representam um negócio de $70 bilhões de dólares (…). Em Brides, Inc., Vicki Howard pesquisa as várias empresas envolvidas para explogoes behind the scenes of the various firms involved–from jewelers to caterers–to explore the origins of the lavish American wedding, demonstrating the important role the wedding industry has played in shaping the traditions that most of us take for granted.

Howard revela que muitos dos nossos costumes e rituais em casamento são produtos de uma campanha de propaganda sofisticada, de promoções e inovações. Traçando a ascensão da indústria do casamento de 1920 a 1950, o autor explica que varejistas, consultores casamenteiros, escritores de etiqueta e muitos outros inventaram tradicões (…)”

Brides, Inc.: American Weddings And the Business of Tradition (Hardcover)
por Vicki Howard