Archive for the ‘ciência’ Category

Links

janeiro 9, 2008

1. Depois do “[Ivar] Kreuger crash” em Wall Street, o Securities Act foi aprovado em 1933 exigindo mais evidenciação
2. Sobre Ivar Kreuger e o impacto da falsa contabilidade no crash
3. Ciência e Fé
4. Como nascem as grandes idéias
5. Tamanho no banheiro masculino
6. Música sendo usada por traficantes para lavar dinheiro no México

Anúncios

Ranking da Produção Científica no Brasil

janeiro 2, 2008

Na área de administração e contabilidade, as melhores instituições em termos de produção científica são:

1. FEA-USP
2. FGV-EAESP
3. UFRGS
4. UFBA
5. FGV-EBAPE

Fonte: WOOD Jr. Thomas; CHUEKE, Gabriel. Ranking de Produção Científica em Administração de Empresas no Brasil

É bem verdade que existe um problema de corte (somente alguns poucos periódicos foram analisados), mas o resultado reflete aproximadamente a realidade.

Enquanto isto, nos Estados Unidos, os períodos com maior impacto são:MIS Quarterly (Fator de impacto = 4.978. Quanto maior, mais importante é o periódico) e Academy of Management Review (fator = 4.254). Fonte Aqui

Links

novembro 14, 2007

1. Fotografias bonitas

2. Tradutor para teens (inglês)

3. Havaianas entre as marcas de impacto nos EUA

4. Frases de Warren Buffett

5. Injustiça na Ciência – O número de Avogadro não foi descoberto por Avogrado. E outras situações.

Viés contra a Ciência

novembro 9, 2007

Uma discussão interessante sobre o viés contra o método científico:

1) Poder de autoridade = Na ciência você não deve acreditar nas pessoas, mas nas evidências. Neste sentido, não existe “consenso científico” pois ciência não é “pesquisa de opinião”.

2) Poder do relato de uma experiência = As pessoas tendem a acreditar em casos mais do que em dados estatísticos. O avião é um meio de transporte seguro (em relação a outros meios), mesmo que os jornais enfatizem os “casos”

3) O culto a expressão pessoal – A ciência não é democrática no sentido de permitir que todos expressem sua “opinião”. Ciência é fato, não achomêtro

4) Superconfiança – a confiança em nossa opinião cresce mais rápido do que a evidência.

Links

outubro 16, 2007

1. Miniaturas

2. Cientistas subestimados Votei em Lamarr

3. Uso do cerébro: um pequeno teste

4. Os maiores blogs pelo Reader

O impacto das medidas de produtividade científica

setembro 10, 2007

A produção científica nos dias de hoje é cada vez mais mensurada por fatores quantitativos (veja, por exemplo, notícia postada hoje). Para “comprovar” a importância de um trabalho ou de um cientista, utiliza-se os chamados “fatores de impacto”. Assim, um periódico científico que é muito citado tem um impacto maior. De igual modo, um cientista com maior número de referências teria também um maior “impacto”. Não seria uma maneira perversa de medir a importância de uma pesquisa ou de um pesquisador? Aqui uma crítica

Mito do gênio solitário

junho 26, 2007

Algumas pessoas estranham que as pesquisas de hoje sejam produzidas por dois, três e até quatro autores. Um artigo do Estado de S. Paulo da semana passada mostra que isto não é tão incomum.

O mito do gênio solitário
O Estado de São Paulo – 21/06/2007
Fernando Reinach

Eureka!’ exclamou Archimedes, 250 anos antes do nascimento de Cristo, ao observar que o nível da água subia quando entrava numa banheira. Ele havia descoberto por que os navios bóiam. Já Kekulé, químico do século 19, disse que descobriu a estrutura circular da molécula do benzeno sonhando com uma cobra mordendo a cauda. São essas e outras histórias que sustentam o mito do gênio solitário, o cientista que, isolado no laboratório, muda nossa maneira de ver o mundo.

O mito contrasta com a realidade. Cientistas em geral trabalham em grupos e a maioria das idéias é uma criação coletiva. Foi para enterrar de vez com esse mito que um grupo de cientistas analisou 20 milhões de trabalhos científicos e 2 milhões de patentes produzidas nos últimos 50 anos.

Em 1950, metade das publicações na área das ciências exatas era produzida por equipes, um número que subiu para 80% nos últimos anos. O tamanho das equipes, que era de 1,8 pesquisadores, hoje subiu para 3,5. Crescimento semelhante ocorreu nas ciências sociais, em que 20% das publicações eram produzidas por grupos em 1950. Hoje 50% dos trabalhos são feitos por equipes de 2 pessoas. O estudo também mostra que a única área em que o trabalho era e continua sendo solitário é o campo das artes e literatura. Mesmo na matemática o trabalho em grupo vem se espalhando rapidamente. Mas a dúvida persiste, será que os trabalhos realmente importantes não continuam sendo criados por uma minoria de solitários e esse estudo reflete somente uma tendência da média? Para excluir essa hipótese, os cientistas identificaram os trabalhos de maior importância usando o método do índice de impacto. Esse método parte do pressuposto que as descobertas mais importantes são citadas com maior freqüência que as menos importantes. Medindo o número de citações é possível estimar o impacto de um trabalho ou cientista. Uma citação é a referencia a um trabalho científico em outro trabalho. O Google tem um serviço que informa os trabalhos publicados por um autor e o número de vezes que ele foi citado. Para entender como o método funciona, entre no site http://www.google.com/scholar e compare os resultados de um cientista que você conheça, e J.D. Watson (que descobriu a estrutura do DNA junto com F. Crick).

Usando esse tipo de análise, os cientistas puderam demonstrar que as descobertas de maior importância foram publicadas por times de cientistas. Além disso, mostraram que o número de descobertas importantes publicadas por cientistas isolados vem caindo ao longo do tempo. Os autores acreditam que o processo criativo é intrinsecamente melhor em um ambiente onde haja troca de idéias e que o aumento do número de cientistas e a melhora dos métodos de comunicação têm facilitado a formação de equipes de cientistas mesmo quando os membros estão localizados em diferentes partes do planeta. Esse estudo contribui para enterrar de vez o mito do cientista ermitão, o que é bom porque muitos jovens deixam de seguir carreira por não quererem viver trabalhando na solidão, esperando o seu dia de “Eureka”. Se você quer saber se esse estudo é realmente importante, basta esperar um ano e verificar quantas vezes foi citado por outros pesquisadores.

Mais informações em The increasing dominance of teams in production of knowledge, na Science, volume 316, página 1.036, 2007.

Links

janeiro 27, 2007

Dois links interessantes:

1. Mitos da ciência – existe gravidade no espaço? humanos usam somente 10% do cérebro? um raio não cai duas vezes no mesmo lugar? – clique aqui

2. Tabela periódica dos métodos de visualização – obrigatório para quem gosta de métodos quantitativos ou está fazendo um trabalho acadêmico – clique aqui

wiki em periódicos científicos

janeiro 18, 2007

A prestigiosa revista Nature tentou adotar o modelo wiki para análise de textos científicos. O textos submetidos para a revista eram disponibilizados online e existia um convite para pesquisadores de todo o mundo para participar do processo de revisão.

O resultado não foi muito promissor, pois poucos participaram e o número de feedback foi pequeno. Durante a fase experimental, 5% dos 1.369 papers foram selecionados e colocados na Internet para comentários. Desse total, 33 não receberam qualquer comentário e o restante receberam 92 comentários técnicos.

Qual a razão para o fracasso da experiência. Quem participa do processo de análise de textos científicos sabe como é um trabalho interessante e necessário. Mas que toma tempo e tem uma grande responsabilidade. Foi o que aconteceu com a Nature, que concluiu que pesquisadores estão ocupados ou não tem um incentivo para fazer análise.

Gosto nas palavras

janeiro 3, 2007

Como os neurônios associam gosto às palavras

Fernando Reinach*

Quando somos estimulados através de um sentido percebemos o estímulo através do mesmo sentido. Se nos mostram uma imagem, “vemos” a imagem, e se colocam um chocolate em nossa boca sentimos “gosto” de chocolate. Entretanto, um pequeno número de pessoas tem seus sentidos “cruzados”. Algumas, quando ouvem uma nota musical “vêem” uma cor. Outras, quando ouvem uma palavra sentem um gosto específico. Pela primeira vez um experimento permitiu dissecar quando o cérebro realiza estas associações cruzadas.

O experimento foi realizado com seis pessoas que associam palavras a gostos. Essas pessoas “sentem” um gosto quando falam uma palavra. Quando mostramos a elas a figura de um chocolate, elas falam a palavra “chocolate” e sentem gosto de chocolate. Esse efeito ocorre também com outras palavras que possuem sílabas semelhantes. Quando mostramos a figura de um chocalho ou de um cachalote, no momento em que elas falam a palavra associada à imagem elas sentem o gosto de chocolate.

Para cada uma dessas seis pessoas os cientistas selecionaram centenas de imagens onde cada imagem era associada a uma palavra e a um gosto. Quando elas viam uma das cartelas elas a identificavam pronunciando a palavra e reportavam o respectivo gosto.

Feita essa enorme tabela que relacionava figuras, palavras e gostos, os cientistas mandaram as pessoas para casa.

Depois de muitos meses, cada uma das pessoas do grupo foi convidada a voltar ao laboratório e a identificar a palavra associada a cada uma das figuras. Na maioria dos casos a palavra associada à imagem era lembrada facilmente e o gosto, confirmado.

Entretanto, em 89 casos, as pessoas não se lembravam imediatamente da palavra, como ocorre com todos nós quando tentamos nos lembrar do nome de uma pessoa. Nestes casos costumamos dizer que a “palavra está na ponta da língua”, mas não nos lembramos dela.

Desses 89 casos, em 15 ocasiões as pessoas nunca se lembraram da palavra e nos outros 74 casos as pessoas se lembraram da palavra após alguns minutos. Quando ocorria esse lapso de memória, os cientistas perguntavam à pessoa se apesar de não se lembrarem da palavra elas sentiam algum gosto. Na maioria dos casos as pessoas sentiam o gosto “correto” mesmo não se lembrando da palavra.

IMAGEM E CONCEITO

Esse resultado demonstra que a associação cruzada ocorre antes de a palavra estar disponível no cérebro para ser pronunciada. Provavelmente é o momento em que o cérebro associa a imagem a um conceito existente na memória, mas antes desse conceito ser associado a uma palavra.

É fácil de entender: imagine duas pessoas que falam línguas diferentes. Mostramos a elas a figura de uma vaca. Ambas vão associar esta imagem à memória de um animal, a brasileira subseqüentemente associa essa imagem à palavra “vaca” e a inglesa, à palavra “cow”.

O que o experimento parece demonstrar é que existe uma etapa no processamento da memória que ocorre antes dessa memória ser associada a uma palavra. É nessa etapa que, no caso das pessoas pesquisadas, a informação retirada da memória é associada, de maneira cruzada, a um sabor.

É com experimentos como este que os cientistas estão aos poucos dissecando como funciona nosso cérebro. Mais informações em: The taste of words on the tip of the tongue. Nature volume 444, página 438, de 2006.