Archive for the ‘cobre’ Category

Ter Dinheiro pode ser problema

maio 14, 2007

Geralmente associados o fato de ter dinheiro como algo positivo. Este é um dos enganos, que nos alerta para as “regras de bolso” da análise econômico-financeira (algo como “maior, melhor”).

Quando uma empresa possui muito dinheiro, é necessário ter um plano de ação para o investimento que será realizado. Vale uma regra simples: o retorno do investimento deve ser compatível com o retorno esperado pelo acionista. Se a empresa aplicar os recursos a uma rentabilidade de 2% ao ano provavelmente o acionista terá mais alternativas interessantes para este recurso. Nesta situação, é interessante que a empresa distribua o dinheiro que possui sob a forma de dividendos, pois o acionista saberá gastar melhor estes recursos.

A presença de um elevado volume de dinheiro pode ser problemática se abrir uma discussão sobre como gastá-lo. Isto também ocorre com um país.

No Wall Street Journal de 14/05/2007 tem uma reportagem sobre o Chile, país que se beneficia com a alta do cobre (Chile poupa renda obtida com alta do cobre para se proteger quando ele cair, 14/05/2007, de Bob Davis). O Chile está poupando estes recursos para evitar um problema social e político quando o preço da matéria-prima cair, algo que Venezuela, por exemplo, não está fazendo.

SANTIAGO, Chile — Com os preços do cobre em alta, o Chile está abarrotado de dinheiro. Acredite ou não, isso pode ser um grande problema.
Bonanças de recursos naturais quebraram países instáveis do Oriente Médio e da África por causa da corrupção e de guerras. Mesmo países ricos têm dificuldade em lidar com booms de commodities, que podem valorizar a moeda local, fragilizar exportadores e gerar farras insustentáveis de importados.

A economia da Holanda estagnou depois que ricos depósitos de gás natural foram descobertos em seu litoral nos anos 60, num caso que é muito estudado por economistas. Atualmente, a Venezuela e outros países exportadores de petróleo que vivem um boom do consumo sustentado pelo petróleo estão vulneráveis à “doença holandesa”, especialmente se os preços do petróleo caírem.

O Chile está tentando se inocular. Essencialmente, o governo está poupando o que ele calcula ser um lucro extra da mineradora estatal de cobre, e impostos extras arrecadados de mineradoras privadas. O país investe o dinheiro no exterior em instrumentos de renda fixa e está considerando investir também em fundos de ações estrangeiras. Quando a economia do Chile se debilitar, o governo pode usar o “fundo de estabilização econômica e social” como receita.

“A questão que persegue a América Latina e outros mercados emergentes é: como evitar os altos e baixos dos ciclos de commodities?”, diz o ministro da Fazenda do Chile, Andrés Velasco. “No Chile temos uma resposta simples: gaste o que é permanente e poupe o que é transitório.”

Até agora, o Chile separou cerca de US$ 6 bilhões e espera adicionar outros US$ 6 bilhões até o fim do ano em seu fundo de estabilização, um total que equivale a cerca de 10% de seu produto interno bruto. Isso foi possível graças à cotação do cobre, que já passa dos US$ 7.800 a tonelada, sendo que até 2003 estava abaixo dos US$ 2.000.

Entretanto, nem todos consideram uma boa política esta economia. A oposição protesta contra esta política e alguns dos problemas do país poderiam ser atacados com os recursos obtidos. A reportagem continua com observação neste sentido.

Embora o Chile seja considerado um caso de sucesso para os padrões da América Latina — ele cresceu em média 5,5% ao ano desde 1990 —, o país tem problemas domésticos urgentes, entre eles uma grande distância entre ricos e pobres, um sistema educacional abaixo do desejado, e portos, estradas e aeroportos inadequados.

Deixar de lado tanto dinheiro “é um crime”, diz o senador chileno Fernando Flores, que já foi ministro da Fazenda do governo marxista de Salvador Allende e depois ganhou uma fortuna como empreendedor de software na Califórnia. “Precisamos de um modelo de investimento e educação para criar novas indústrias.”

Mas autoridades econômicas chilenas dizem que é crítico limitar o efeito do boom do
cobre, de modo que o país não se torne dependente demais de recursos minerais que podem desaparecer rapidamente, resultando em déficits orçamentários. O governo tem por objetivo um superávit orçamentário de cerca de 1% anualmente, e para projetar sua receita usa uma estimativa do preço médio do cobre para os próximos dez anos.

Quando o preço dispara para acima da estimativa de longo prazo, como aconteceu nos últimos anos, o governo consegue superávits bem maiores do que 1% e encaminha o excesso para o fundo de estabilização, onde o dinheiro é investido no exterior.

Uma meta dessa estrita política fiscal é reduzir a valorização do peso, que no decorrer das décadas tendeu a subir com o preço do cobre. Um peso mais forte aumenta o preço de exportação do vinho, produtos florestais, frutas e verduras chilenos, tornando-os menos competitivos internacionalmente. O Ministério da Fazenda diz que sua política de estabilização tem sido um sucesso; descontada a inflação, o peso chileno está atualmente sendo negociado perto de seu valor médio dos últimos 20 anos.

Mas alguns exportadores não estão impressionados. Desde meados de 2003, o peso chileno apreciou quase 25% em relação ao dólar, descontada a inflação. “Com o peso no nível que temos, muitas empresas de exportações têm margens baixas”, diz Recaredo Ossa, diretor-geral da Viña Veramonte S.A., uma grande vinícola de Casablanca, perto de Santiago. Uma autoridade da Fazenda chilena diz que a taxa de câmbio teria disparado sem a política de estabilização.

Mas, em geral, tem havido apoio público para o fundo. A esquerda em grande parte está tolerante porque o governo está aumentando os gastos públicos em cerca de 9% este ano, em termos reais, sem usar o dinheiro que destina ao fundo de estabilização. Gastos com infra-estrutura, saúde, habitação e educação estão crescendo num ritmo ainda mais rápido. Para a direita, o governo — uma coalizão de partidos de centro e de esquerda — ofereceu reduções de impostos para empresas voltados a promover a inovação.

Anúncios

Breves

janeiro 11, 2007

1. Relato sobre a Dinastia Ford – em pdf e Inglês – Clique aqui

2. A queda no preço do cobre pode ter uma relação com os mercados emergentes? – clique aqui

3. As novas e promissoras economistas – Reportagem do NY Times clique aqui

4. Não aceite as recomendações das revistas – clique aqui

5. A Fundação Gates pretende mudar (Ontem postei reportagem com acusação de que essa Fundação fazia inversões em empresas politicamente incorretas – clique aqui) – clique aqui

6. Os assentos de crianças para automóveis não são seguros – clique aqui

7. Starbucks é vítima ou vilã – clique aqui

Notícias breves

janeiro 10, 2007

1. Sexo antes de uma palestra pode reduzir strees – Clique aqui

2. Agências boicotam Gol após redução de comissões – Para entender a razão, clique aqui

3. Contabilidade de Leasing – Projeto Iasb e Fasb – clique aqui para link

4. Uso de Bayes para combater Spam

5. A idéia que o Esquimó tem inúmeras palavras para “neve” é um mito! – clique aqui

6. Fim da bolha do preço do cobre? – clique aqui e aqui para ler sobre o preço desse commodity numa excelente dissertação de mestrado que orientei

Vínculo entre conhecimentos

novembro 24, 2006

Não é possível nos dias atuais uma pessoa acreditar que o seu conhecimento de uma determinada área deve ficar restrito ao que acontece naquela área. A transição entre os conhecimentos é continua e por esta razão este espaço fala também de economia, administração, direito etc.

A figura mostra o mapa da cidade de Tel Aviv, onde as cores escuras representam as áreas iluminadas. O sítio Urban Economics utiliza esta imagem para mostrar como é difícil definir o que é área urbana e os seus limites. Alguns espaços em branco mostram a inexistência de prédios; outros é um espaço tão pequeno que poderia ser classificado como zona urbana.

O sítio mostra que é possível utilizar o conceito de fractal para identificação de autosimilaridade. O conceito de fractal tem sido utilizado em diversas ciências.

Poderíamos utilizá-lo na contabilidade financeira? Marcia Athayde mostrou em sua brilhante dissertação de mestrado que o conceito de fractal tem sido usado para pesquisa sobre preços de ativos. Mais especificamente, Márcia trabalhou com preços de cobre e tentou, com as teorias de fractais, determinar se era possível estimar os valores deste ativo.

Como estamos partindo para uma contabilidade a valor justo, a utilização de ferramentas como a teoria dos fractais pode ser interessante para os novos desafios.