Archive for the ‘concentração’ Category

Economia e Sexo

janeiro 18, 2008

Segundo a The Economist (Selling sex, 17/01/2008), o encontro da American Economic Association deste ano foi dominado por uma sessão onde de discutiu o mercado de sexo pago (prostituição).

O trabalho foi desenvolvido por Steven Levitt, co-autor de “Freakonomics”, e Sudhir Venkatesh. Eles pesquisaram as transações de prostitutas nas ruas de Chicago.
Os resultados:
=> A indústria está concentrada em termos de locais pelo fato das prostitutas e seus clientes necessitarem de um “ponto de encontro”
=> O lucro é alto, quando comparado com outros trabalhos (de 25 a 30 dólares por hora, ou quatro vezes o salário normal)
=> Risco é elevado pois o sexo sem proteção é algo normal.
=> A chance de assalto é elevada (média de uma vez por mês)
=> O risco de problemas legais é baixo (a chance de serem presas é menor que terem sexo com policiais)
=> Estratégia de preço é igual a outros tipos de negócios. Os preços são segmentados e o valor varia conforme a percepção da habilidade de pagamento do cliente
=> O mercado absorve um aumento de demanda (através de um evento nas proximidades de um ponto) por conta da flexibilidade de oferta.

Anúncios

Concentração nas Mineradoras

dezembro 19, 2007

Uma reportagem do Wall Street Journal mostra a possibilidade de consolidação das mineradoras. Entre as vantagens apontadas pelo texto está a questão da concentração do poder político. Clique aqui também

Banco Real fica com o Santander

outubro 6, 2007

Consórcio de bancos diz que venceu disputa pelo ABN
Folha de São Paulo – 06/10/2007
Toni Sciarretta

Após seis meses de negociação, a disputa pelo controle do banco holandês ABN Amro, dono no Brasil do Real, pode ter chegado ao fim com a adesão de 85% de seus acionistas pela proposta de US$ 100 bilhões feita pelo consórcio de bancos liderado pelo escocês RBS ( Royal Bank of Scotland). A informação foi veiculada na edição eletrônica do jornal britânico “Financial Times”.

O consórcio tem ainda a participação do espanhol Santander e do belga-holandês Fortis.

Até o fechamento desta edição, o ABN não havia se pronunciado sobre a adesão à proposta do consórcio. O anúncio deve ficar para a segunda.

(…) De acordo com a proposta, que envolve 94% em dinheiro, o consórcio deve fatiar as operações do ABN no mundo -no Brasil, o ABN Real seria absorvido pelo Santander.

(…) Trata-se do maior negócio da história envolvendo bancos, que começou quando um dos acionistas minoritários, o fundo britânico TCI (O Investimento das Crianças, na sigla em inglês) enviou no final de fevereiro uma carta à direção do ABN pedindo a divisão ou a venda do banco devido à fraca performance de suas ações.

A carta iniciou uma discussão sobre a gestão do banco e despertou a cobiça dos mais agressivos bancos do mundo.

O conselho do ABN chegou a anunciar a fusão com o Barclays em maio, mesmo sabendo que o consórcio tinha uma proposta superior em valor. A iniciativa foi criticada pelos minoritários e o negócio não seguiu.

Para viabilizar a fusão, o ABN decidiu apostar em operação paralela, envolvendo a venda do banco La Salle, sua unidade nos EUA, para o Bank of America. A unidade americana era o ativo de principal interesse do RBS, líder do consórcio e antigo parceiro do espanhol Santander. A venda foi concluída no início desta semana por US$ 21 bilhões em dinheiro.

Ontem, as ações do ABN permaneceram estáveis, enquanto os papéis do Barclays tiveram alta de 0,8% com a desistência. Já as ações do RBS subiram 1,2%, e as do Santander, 0,9%. As ações que mais subiram foram do Fortis, que tiveram valorização de 3% na Bolsa.

Uma decisão da justiça

setembro 14, 2007


O grupo Cobraço, distribuidor de aços longos em Minas Gerais, receberá 250 toneladas semanais de produtos da Belgo Mineira pelo mesmo preço praticado em 1997. Numa decisão favorável ao distribuidor, inédita no país, a 22ª Vara Cível de Belo Horizonte determinou a busca e apreensão semanal de produtos no pátio da Belgo.Trata-se de tutela antecipada concedida à Cobraço que exige na Justiça o fornecimento de aço pelos preços praticados em 1997, antes da siderúrgica do grupo Arcelor Mittal ser condenada, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), por prática de cartel. No mesmo processo também foram condenadas as siderúrgicas Gerdau e Barra Mansa.Com a decisão, a Cobraço não só volta a atuar no mercado mineiro de distribuição de aço como passa a ter situação privilegiada, com custos quase três vezes menor que os praticados hoje.

Pela tonelada do aço tipo CA 6.3, por exemplo, a Cobraço terá de pagar em torno de R$ 1 mil por tonelada. No mercado, o produto está cotado de R$ 2,8 mil a R$ 3 mil por tonelada.”O que a Justiça está fazendo é restituir a condição de atuar no mercado que a Cobraço tinha antes de praticamente quebrar”, comentou ontem um dos advogados responsáveis pela ação, Emiliano Wagner. Segundo ele, a Cobraço poderia vender perto de 5 mil toneladas por mês se os negócios não tivessem sido inviabilizados pela cartelização dos preços. (…)

Justiça apreende aço da Belgo a pedido da Cobraço
14/09/2007 – Valor Econômico

Duas posições sobre a IPO: Otimista

agosto 28, 2007

É interessante observar a guerra de palavras sobre o mercado das IPOs (oferta pública de ações). De um lado, uma visão otimista, de que a crise no mercado mundial não afetará os novos lançamentos. Veja a reportagem do Valor


Volume de trabalho deve seguir em alta
Valor Econômico – 28/08/2007

Além da previsão de que os negócios com abertura de capital continuarão firmes tanto no segundo semestre deste ano, quanto no ano que vem, as auditorias estão animadas com a projeção de ganhos com os serviços de pré e pós-oferta pública. Deloitte, PricewaterhouseCoopers (PwC), Terco e BDO relataram que um número bem maior do que aquelas cerca de 50 empresas que lançaram ações na primeira metade deste ano tem procurado os serviços de auditoria e de consultoria para se estruturarem com objetivo de fazer uma oferta. Além disso, as empresas que já abriram capital continuarão a ter que publicar suas demonstrações financeiras. “Como a maioria delas entrou no Novo Mercado, elas têm outras demandas para cumprir, como a reconciliação em US-Gaap (padrão contábil americano) e com IFRS (padrão internacional), além do balanço trimestral auditado para a CVM”, lembra Bruce Mescher, sócio da Deloitte.

Sobre as companhias que estão se preparando, Mescher afirmou que “a fila é grande” e que a demanda deve “continuar aquecida nos curto e médio prazos”. Fábio Cajazeira, da PwC, recorda que a elaboração para a abertura de capital envolve vários serviços, como a preparação de sucessão familiar, o planejamento fiscal e o apoio para formação da estrutura de governança corporativa da companhia. Segundo Henrique Campos, da BDO Trevisan, o mercado de candidatas a abertura de capital é o que mais está crescendo. “O ‘investment grade’ está chegando e o caminho para a bolsa é irreversível. As empresas sabem que se ficarem paradas serão engolidas. Por isso estão se preparando para irem ao mercado”, afirma.Mauro Terepins, presidente da Terco, diz que muitas delas querem ser auditadas para conseguir investimentos de fundos de participação e empréstimos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Para Terepins, o mercado está cada vez mais dividido entre dois tipos de empresas. “Tem aquelas que são auditadas e aquelas não são e ficam fora do jogo”, diz.

Esta é uma visão claramente otimista, baseada em pesquisa com empresas de auditorias. A mensagem é: “o interesse continua”. Outra reportagem neste sentido, também no Valor Econômico, mostra a mesma visão:

Ofertas esquentam mercado de auditoria
Valor Econômico – 28/08/2007

O movimento crescente de companhias em processo de abertura de capital, um filão explorado por bancos, escritórios de advocacia e consultorias, não deixou de fora as firmas de auditoria. Apesar de o “boom” provocado pela forte demanda de empresas interessadas em ir à bolsa confirmar a concentração do mercado nas mãos das chamadas “Big Four” – (…) ainda sobra trabalho para firmas menores. Todas estão de olho em honorários que variam, em média, de R$ 500 mil a R$ 1 milhão por operação, de acordo com a quantidade de horas trabalhadas por oferta.As quatro grandes auditaram os balanços de 47 das 55 empresas que fizeram ofertas de ações este ano no Brasil (incluindo operações de empresas já abertas).

Essa participação equivale a 85,45%, nível superior ao que essas firmas possuem em relação ao total de companhias já abertas no país, que estava em 56% no final de 2006, segundo dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). A concentração é reflexo do domínio que as quatro grandes têm do mercado internacional. Na busca de recursos, principalmente entre investidores estrangeiros (que têm comprado de 60% a 70% das ações vendidas nessas operações), é natural que as empresas queiram uma “marca” de auditoria mais conhecida. No mercado, comenta-se que haveria também uma pressão dos bancos coordenadores dos lançamentos em favor das grandes.(…) Para Sérgio Bendoraytes, sócio da firma, a questão “não é de qualidade do trabalho, mas de ‘placa internacional'”. “Se [o banco] não tivesse mudado, não conseguiria fazer a oferta”, afirma Bendoraytes. Ele conta ainda que, antes da abertura de capital, o fato de a auditoria não ser uma Big Four foi um dos fatores que impediram que o Cruzeiro do Sul fizesse uma emissão de 10 anos no mercado internacional. Nem mesmo a associação com a firma internacional Horwath lhe garante uma participação mais expressiva nesse mercado. “Eles não querem a sétima maior [referindo-se à posição da Horwath], tem que ser uma das quatro”, diz. Segundo ele, insistir em atuar nesse mercado é querer dar “murro em ponta de faca”. “Não crio expectativas de participar de ofertas públicas. Cada um tem que procurar o seu nicho, o que no nosso caso são os clientes de médio porte”, afirma.

O foco da reportagem é evidentemente a concentração das empresas de auditorias. Mas não deixa de existir uma mensagem otimista.

Concentração em auditoria

julho 27, 2007

O tema de concentração em auditoria é atual e importante.

Veja a seguinte notícia do Financial Times (26/07/2007):

Putting accountability to the test.
JENNIFER HUGHES – Financial Times – 26/07/2007 – London Ed1 – p. 21

How many big audit firms does it take to make a dynamic, yet stable, market?

It is a question being examined by the UK’s Financial Reporting Council and a US Treasury-appointed commission, and it is also being asked in Brussels.

Its importance can be summed up as “what if a Big Four firm went the way of Arthur Andersen?” The dangers if that were to happen would be that top companies could be either temporarily not fully audited or that scrambled audits missed big problems. Either outcome could undermine confidence in the capital markets.

So far, the popular answer seems to be that only having four firms dominating the market is not a comfortable position, but that’s about as far as the agreement goes.

(..) The central theme of the MPG’s recommendations was a market-based solution, not one involving regulatory action – ruling out any artificial creation of a Big Five.

(…) Just 2.1 per cent of FTSE 100 companies switch auditor each year. Although constant switching is not good, either for the quality of the audit or for the disruption to the company involved, such a tiny turnover seems less than dynamic.

Clique aqui para ler mais

Concentração no ensino

janeiro 2, 2007


Cenário atual do setor de ensino superior privado
O Estado de São Paulo

Foi fácil prever o fim da expansão da demanda para o setor. Bastou acompanhar os indicadores demográficos, de matriculados no ensino médio e de renda. Dessa forma, desde 2001 já sabíamos que a partir de 2005 o crescimento da demanda de ingressantes seria muito pequeno, quando comparado com o período de 1997 a 2003, que chegou a ser de mais de 150% no total.

Também foi fácil concluir que muitas instituições de ensino superior (IES) iriam passar por dificuldades a partir de 2005. E, inclusive, ousar prever o fechamento de algumas centenas dessas instituições. Bastou para isso perceber o movimento de abertura de novas IES e do aumento do número de cursos e vagas, muito acima dos porcentuais de crescimento da demanda. Bastava um simples raciocínio para verificar que uma brutal “diluição da demanda” se estava configurando no horizonte das IES privadas, com conseqüente aumento da taxa de ociosidade para patamares insustentáveis (hoje mais de 50% das vagas do setor privado estão ociosas).

Atualmente, no entanto, ocorre um movimento mais impactante do que os descritos acima, que não foi identificado nem previsto por ninguém. Trata-se da consolidação do setor. A consolidação aqui se refere ao movimento de ampliação, aquisição e fusão de IES, gerando grandes instituições que passam a concentrar boa parte do alunado do País. (…)

De um lado, temos as grandes IES, em permanente expansão com o objetivo de atuarem em todo o território nacional. Nessa categoria estão a mantenedora da Universidade Estácio de Sá, com os seus 180 mil alunos espalhados por 56 unidades em 11 unidades da Federação. Está igualmente a Universidade Luterana do Brasil (Ulbra) com seus mais de 50 mil alunos, presente em seis Estados e também no Uruguai.

Além das grandes IES, surgem no mercado as “holdings educacionais”, que, em sua maioria, são conjunto de instituições mantidas pela mesma mantenedora, que passam a atuar no modelo de holding. (…)

O resultado disso (além da consolidação) é a geração de economia em escala com pressão sobre os valores médios de mensalidades, que tenderão a cair ainda mais, dificultando a vida das pequenas IES.

Há pouco tempo não se falava em “economia de escala” do setor, pois o maior custo é a folha de pessoal e nesta não se aplicava o ganho em escala. Com a inserção das novas tecnologias da informação no contexto da relação ensino-aprendizagem, integradas a projetos de unificação de matrizes curriculares, o ganho em escala passou a ser mais significativo no setor educacional.

Crédito pode mudar o setor bancário brasileiro

dezembro 4, 2006


Uma reportagem do jornal Valor Econômico de 30/11 afirma que o crescimento do crédito no Brasil está pressionando o capital dos bancos. Como o aumento do crédito esbarra nos limites impostos pelo Banco Central (e pelo Acordo de Basiléia), os bancos menores estão utilizando um instrumento denominado FIDCs. Para isto é necessário o rating no mercado externo e as agências que atribuem ratings anunciam um crescimento no número de pedidos destes bancos. A longo prazo a saída seria a concentração do mercado, conforme afirma o seguinte trecho do artigo:

Mas há limites regulatórios para a dívida subordinada e as mudanças esperadas nas regras de cessão de carteira podem inibir sua expansão. Como muitos bancos médios possuem controle familiar, o reforço do capital poderá ser difícil e a solução, disse Celina, será vender participações acionários para bancos estrangeiros.