Archive for the ‘conflito’ Category

Links

dezembro 14, 2007

1. Conflito de interesses nas empresas
2. Lectures dos ganhadores do Nobel de Economia
3. Fluxograma do sexo na idade média
4. A evolução humana foi mais rápida É somente uma hipótese, ressalta o The Economist

Anúncios

As empresas de auditoria voltam a fazer consultoria

agosto 30, 2007

O problema do conflito de interesses entre a auditoria e o braço de consultoria está de volta, conforme constata uma reportagem do Valor Econômico. Aliado a isto, temos a questão do oligopólio do mercado de auditoria, onde as grandes empresas contratam somente uma das quatro grandes empresas (Big Four):

Consultoria volta a mostrar suas garras
Valor Econômico – 30/08/2007

(…) Na Enron, a Arthur Andersen havia ganho US$ 25 milhões em honorários de auditoria e US$ 27 milhões por serviços de consultoria no ano anterior ao colapso espetacular da empresa. Isso aumentou as suspeitas de que os auditores estavam sendo tolerantes com os grandes clientes de consultoria. (…)
Os custos dos empréstimos dispararam na esteira do fechamento da Arthur Andersen, enquanto as receitas encolheram na medida em que clientes de auditoria cautelosos começaram a cancelar contratos que não envolviam auditoria. (…) A forte demanda por consultoria à adequação à lei Sarbanes-Oxley, risco, investigações forenses e terceirização vêm ajudando a alimentar a demanda. Assim como o boom das fusões e aquisições.Hoje, a consultoria é o segundo maior negócio da Deloitte nos EUA, um segmento de US$ 3 bilhões que respondeu por mais de um terço das receitas da companhia nos EUA em 2006, perdendo apenas para as auditorias. No mundo, a consultoria é um negócio ainda maior para a Deloitte, totalizando US$ 8,9 bilhões, ou 45% dos US$ 20 bilhões que ela consegue em receitas globais, segundo a Kennedy Information, de Peterborough, New Hampshire. (…) Não demorou muito para que outras firmas de auditoria fizessem as contas e decidissem que deveriam reconstruir rapidamente seus braços de consultoria. No ano passado a KPMG vendeu no mundo serviços de consultoria avaliados em US$ 5,3 bilhões, um aumento de 12% sobre o ano anterior. Na PricewaterhouseCoopers(PwC) esse número foi de US$ 3,7 bilhões, com crescimento de 20%, e na Ernst & Youngde US$ 2,4 bilhões, com aumento de 2%. “É uma indústria com um crescimento enorme e um negócio com grandes margens de lucro”, afirma Clark R. Beecher, um consultor de busca de serviços executivos profissionais da Magellan International, de Houston. Beecher estima que a demanda por consultores que fazem os serviços nas quais as “Big Four” são especialistas é hoje 15 vezes maior que a oferta. “É a volta da velha mentalidade: vender tudo o que você conseguir”.Mas é exatamente isso que criou problemas para as empresas da última vez, afirmam os críticos. Alguns temem que o ressurgimento da consultoria possa distrair as firmas de auditoria da atenção adequada a essa parte central de seus negócios. “O verdadeiro problema será: vocês aprenderam a lição, ou isso vai acabar mal outra vez?”, diz Tom Rodenhauser, vice-presidente da divisão de consultoria da Kennedy Information.Certificar-se que os auditores não vão extrapolar as fronteiras permitidas é responsabilidade do comitê de auditoria de cada empresa. Mas Lynn E. Turner, ex-contador-chefe da SEC, diz que esses comitês nem sempre estão sintonizados com as questões de independência quanto deveriam. Ele cita exemplos recentes, que não são informações públicas, em que uma firma de auditoria de uma determinada companhia foi em parte paga por um trabalho que não era de auditoria com um honorário que dependia do grau de sucesso. Comissões desse tipo são inaceitáveis para as firmas de auditoria sob as regras americanas, mas os comitês de auditoria não perceberam.Em função do que aconteceu na Enron, WorldCom, Adelphia, Tyco e outras empresas, é uma ironia que os mesmos perigos destacados pelos colapsos dessas empresas estejam agora conduzindo grande parte da demanda pelos serviços não ligados a auditorias das Big Four. (…)

Conflito de interesses

agosto 29, 2007

Uma notícia interessante do Bluebus mostra a existência de um conflito de interesses entre jornalista da Globo e Bernandinho:

E a ONG de jornalista da Globo recebeu doaçoes da ONG de Bernardinho

Chefe de redaçao dos programas esportivos da Globo, Joao Pedro Paes Leme mantem projeto social que recebeu em 2005 e 2006 cerca de R$ 30 mil por ano da ONG Instituto Compartilhar, de Bernardinho. É o que diz hoje na Folha o colunista Daniel Castro, referindo a prestaçao de contas que o projeto do tecnico publica na internet. A coluna aponta conflito de interesses – “Bernardinho é seu objeto de trabalho”, diz sobre Paes Leme. Segundo Daniel, o vinculo entre os projetos do jornalista e do tecnico chama atençao por conta de reportagem exibida no Globo Esporte no ultimo dia 15. Teria sido contraria ao jogador Ricardinho, cortado da seleçao por Bernardinho as vesperas do Pan, e positiva para o tecnico. A Globo declarou a coluna que Paes Leme tem a “confiança irrestrita” da emissora e que as ONGs envolvidas sao independentes. E segundo a TV, o jornalista nao se manifestaria antes da publicaçao da nota na Folha. 27/08 Blue Bus

Auditoria

julho 31, 2007

Segundo a Folha de S. Paulo, uma técnica que ajudou a construir a pista de Congonhas foi contratada para auditá-la. Este é um conflito inaceitável na área de auditoria:

Técnica que ajudou a fazer pista vai avaliá-la

JOSÉ ERNESTO CREDENDIO

O IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) designou para participar da auditoria nas pistas de Congonhas a chefe do laboratório da USP que já havia participado do processo de sua construção. O laboratório foi responsável por testes que indicaram o melhor material a ser empregado nas pistas durante a reforma feita neste ano.

Ou seja, o IPT -que é ligado ao governo de São Paulo- contratou para ajudar a avaliar as condições da pista uma profissional que havia atuado na elaboração de ensaios que orientaram qual seria o melhor material a ser usado na obra.

(…) O IPT descarta haver conflito de interesse ao utilizar serviços da professora da USP na auditoria. O instituto afirmou que “não aceita trabalhos que possam gerar conflitos de interesses. Nesses casos, ou o IPT declina dos serviços ou não utiliza consultoria em seus trabalhos”.(…)

Em outra reportagem, o governo afirma que o BNDES irá auditar os estudos sobre a implantação do trem-bala. Mas provavelmente o BNDES deverá participar do seu financiamento (muito embora uma das propostas afirma que não é necessário dinheiro público).

BNDES vai “auditar” estudos para trem-bala
Folha de São Paulo – 31/07/2007
HUMBERTO MEDINA

O governo determinou ao BNDES que faça uma espécie de “auditoria” nos estudos para implantação de um trem-bala ligando o Rio a São Paulo. O banco estatal deverá contratar uma consultoria para analisar os números do projeto e verificar se a obra é viável ou não do ponto de vista econômico.

O governo já decidiu que, se o projeto sair, a obra e a operação do trem serão entregues à iniciativa privada por meio de uma concessão.

(…) Técnicos do governo, no entanto, começaram a desconfiar dos números do projeto, principalmente os relativos à demanda pelo serviço.

Os estudos foram encaminhados ao TCU (Tribunal de Contas da União) que, em abril deste ano, concluiu a sua avaliação.

Os técnicos do tribunal estranharam a discrepância entre os estudos. Enquanto pelo da Italplan não havia necessidade de investimento público, o do consórcio Siemens/Odebrecht/Interglobal informava que o empreendimento só seria viável com investimento de US$ 5 bilhões (R$ 9,5 bilhões) do governo, a fundo perdido.

(…)

Preço da ação e conflito 02

novembro 24, 2006


Outra reportagem, agora do Valor Econômico de 21/11/2006, sobre mesmo assunto:

Custo dos conflitos Por Catherine Vieira
Os analistas sempre observaram que as disputas societárias entre acionistas controladores e minoritários puniam as cotações em bolsa dos papéis das companhias em litígio. Agora, pela primeira vez, um trabalho acadêmico avalia o efeito que as notícias sobre esses conflitos têm sobre as ações. No trabalho “Impacto da Divulgação de Disputas entre Acionistas Controladores e Minoritários sobre o Preço das Ações no Brasil”, o professor da FEA-USP, Alexandre Di Miceli contabiliza o tamanho do dano em 22 empresas envolvidas em disputa societária entre 2000 e 2006. A perda média ocasionada pelo impacto das notícias foi de 7%. Quando analisados os sete principais conflitos, essa perda média eleva-se para 21%.

O trabalho não analisa cada empresa de forma isolada. “Pretendemos fazer isso nas próximas pesquisas, mas a título de exemplo, pegamos um caso como o da Cosipa, que ocorreu em 2001, e notamos que a desvalorização média foi de 4% ao dia e no acumulado chegou a 60%”, diz o autor.

O professor da FEA esclarece que essas perdas referem-se ao chamado retorno anormal negativo, ou seja, a variação das ações nos períodos menos a variação esperada. “Esse retorno esperado é obtido por meio de uma regressão da correlação do papel com o Índice Bovespa”, explica Miceli. O mecanismo é utilizado para evitar distorções. “Não adianta dizer que a ação caiu no dia seguinte a uma notícia sobre conflito, é preciso ver o que ocorreu com o mercado”.

O trabalho, elaborado com auxílio dos alunos Armando Dias Junior e Antoninno Matazzo e que acaba de ser premiado pelo Instituto Brasileiro dos Executivos de Finanças (Ibef), seção São Paulo, analisa 26 eventos de conflitos societários por meio de notícias nos principais meios de comunicação via internet. “Analisamos apenas a primeira notícia relativa ao conflito e, com isso, chegamos a esse conjunto final de 26 notícias”, diz. “Inicialmente coletamos 170, mas reduzimos também em função de outros eventos que poderiam estar influenciando as companhias naquele momento”. Foram eliminadas companhias cujas ações têm baixíssima liquidez na bolsa.

O estudo analisa o comportamento das ações num intervalo de 16 dias, sendo cinco antes e dez depois da data de publicação da notícia. Também são comparados com a variação dos papéis nos 50 pregões anteriores à publicação. As disputas envolviam problemas como a troca de ações em condições desfavoráveis, cisão, incorporação, fechamentos “brancos” de capital, diluição e desrespeito a direitos de minoritários. “Nota-se que o poder da notícia é bastante grande, uma vez que muitos dos conflitos sequer estavam na esfera judicial”, diz.

Dos 26 conflitos analisados, a maior parte está em empresas do setor de telecomunicações (8). Em seguida vêm os setores de química (5), siderurgia (5), energia elétrica (3), finanças e seguros (2), alimentos e bebidas (1), papel e celulose (1) e outros (1). “O fato de haver mais conflitos nas teles pode ser resultado de vários fatores”, analisa Miceli. “É um setor com problemas decorrentes das estruturas de governança criadas nas privatizações e também é um segmento com muitas empresas grandes e de alta liquidez na bolsa”.

Chamou também a atenção dos pesquisadores o fato de que o efeito negativo sobre as ações começa cerca de três dias antes da veiculação da notícia e se acentua até o dia seguinte da data de publicação. “Muitas vezes pode não ser exatamente um ‘insider’, mas investidores mais qualificados que percebem uma informação antes dos demais”, avalia Miceli. Segundo ele, os papéis tendem a ensaiar uma recuperação no segundo e no terceiro dias, mas em seguida novo movimento de desvalorização ocorre. “Isso pode eventualmente ser causado por investidores institucionais, como fundos de pensão, que exigem um tempo um pouco maior para tomada de decisões”.

Segundo o professor, os chamados “conflitos de agência” (nome técnico para esses embates) vêm sendo cada vez mais estudados no mundo à medida que a idéia do impacto positivo das práticas de governança ganha espaço. Nos países mais desenvolvidos, porém, onde boa parte das companhias têm controle difuso, essas disputas são entre os executivos que as comandam. “No entanto, habitualmente os estudos testam mais o impacto que podem ter a adoção de boas práticas de governança e, nesse trabalho, procurei fazer o caminho oposto e observar os problemas que podem decorrer da ausência destas práticas”, explica.

Outra conclusão é a de que os conflitos não vêm se reduzindo com o tempo. Em 2001, foram observados três conflitos relevantes, mas em 2002 o número elevou-se para seis. Em 2003, foram quatro disputas societárias, número que voltou a subir para seis em 2004. O destaque positivo do ano de 2005, em que apenas duas brigas tiveram início, de acordo com o trabalho, logo se desfez este ano. Em 2006, até setembro, foram registradas cinco disputas. “Apesar de todo o movimento orientado para a adoção de boas práticas de governança, não se pode afirmar que os conflitos vêm diminuindo”.

Entre as empresas analisadas estão: AmBev, Arcelor, Bamerindus, Biobrás, Bombril, Banco do Brasil, Brasil Telecom, Cataguazes Leopoldina, Cosipa, Eletrobrás, Enersul, Gerdau, Petroquisa, Rhodia Ster, Ripasa, Sanepar, CSN, Tele Centro Oeste Celular, Telefonica Data Holding, Telemar Norte Leste, Tele Norte Leste, Telesp Celular e TIM Participações.

Valor Economico – 21/11/2006

Preço da ação e Conflito 01

novembro 24, 2006


Reportagem da Gazeta de 21/11/2006:

Governança Corporativa – Notícia de conflito nas empresas faz ação cair São Paulo, 21 de Novembro de 2006 – O ano de 2006 vai passar para a história empresarial brasileira como o ano da governança corporativa. Nunca se discutiu tanto sobre o tema e nunca tantas companhias se mostraram abertas à busca de transparência, como mostra o aumento das discussões em público de conflitos de interesse envolvendo controladores e acionistas minoritários.

Este ano, o número de conflitos divulgados pela imprensa deve bater recorde. Já foram registradas oito ocorrências, entre elas Telemar e Arcelor, para citar as que mais fizeram barulho na mídia. Na avaliação do professor Alexandre Di Miceli, da Faculdade de Economia da USP, o aumento reflete um maior acompanhamento das empresas por parte de analistas de mercado e indica ainda que o público e a mídia estão mais atentos ao comportamento empresarial.

Miceli foi um dos vencedores do “Prêmio Revelação em Finanças Ibef-SP/KPMG”, de 2006, com um estudo onde mostra, usando metodologia estatística, o rombo provocado pela falta de governança corporativa no bolso dos stakeholders (acionistas, fornecedores, consumidores). Segundo o estudo – realizado no período de 2000 e 2006, com base em 26 anúncios veiculados na imprensa, envolvendo 22 empresas -, as ações negociadas em Bolsa perdem em média 7% de seu valor nos dez dias após a divulgação do conflito.

Pesquisa com 22 companhias mostra que, na média, há perda de 7% no valor de mercado. O professor da FEA/USP, Alexandre Di Miceli foi premiado pelo estudo “Impacto das Divulgações de Disputas entre Acionistas e Controladores e Minoritários sobre o preço das Ações”, onde demonstra, usando metodologia estatística, o rombo provocado pela falta de governança corporativa no bolso de todos os stakeholders.
O estudo, realizado no período de 2000 e 2006 , com base em 26 anúncios veiculados na imprensa, envolvendo 22 empresas, constatou que as ações negociadas em bolsa perdem, em média, 7% de seu valor nos dez dias após o nome da empresa aparecer na mídia. Entre os casos estudados, o da Cosipa foi o mais alarmante: a empresa chegou a perder 60% do seu valor de mercado.
“Esse resultado corroborou fortemente a hipótese do estudo de que o mercado reage de maneira brusca e negativa a notícias de disputas entre controladores e minoritários e outros conflitos”, afirma Miceli.
Número de ocorrências
O setor econômico com maior número de ocorrências, conforme o estudo, foi o de telecomunicações, seguido pelos de química e siderurgia e metalurgia, com cinco ocorrências cada um. Os três foram responsáveis por 70% dos conflitos analisados.
A privatização esteve no centro dos conflitos apresentados por esses setores. Da maneira como foi realizada, criou estruturas de controle nebulosas. De acordo com Miceli, os principais conflitos apresentados pela amostra estudada foram: mudanças no bloco controlador; fechamento “branco” de capital; desrespeito aos direitos dos acionistas minoritários e transações duvidosas.
Como exemplo de transações duvidosas, o estudo cita o caso a multa que a Telefônica levou da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) por deixar de convocar uma assembléia geral de acionistas para aprovar um contrato com a empresa do mesmo grupo, a Atento, para prestação de serviços de tele-atendimento.Concentração no Brasil
Um outro aspecto relevante do estudo diz respeito à estrutura de propriedade das empresas componentes da amostra. A existência de uma forte concentração de propriedade em países emergentes era esperado. No entanto, o Brasil tem uma concentração acima do esperado. “Aqui para uma pessoa ou grupo se tornar controlador de uma empresa é necessário possuir 50% das ações com direito a voto (ordinárias), mais uma, o que pode ser alcançado com um percentual bem inferior a 50% do capital total da companhia”, conta.
Por outro lado, as empresas com menor concentração do direito de voto por um controlador, menor nível de endividamento, emissoras de ADR, maior tamanho e com ações mais líquidas apresentaram, em média, melhor desempenho, conforme o estudo do professor Miceli.

(Gazeta Mercantil/Finanças & Mercados – Pág. 1 e B3)(Lucia Rebouças) – 21/11/2006