Archive for the ‘crime’ Category

Como se faz lavagem de dinheiro

janeiro 7, 2008

O traficante lavava o dinheiro num lava-jato.

Um dos dez filhos do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, é apontado pela delegada federal Luciana de Castro Ribeiro como sucessor dele no comando da quadrilha de tráfico internacional de drogas. (…)

Ele também é acusado de lavar o dinheiro do tráfico por meio da empresa Gás Aceso – com nome fantasia Chama Gás, na Favela de Duque de Caxias -, da qual é sócio ao lado de um cunhado de Beira-Mar, Carlos Wilson Portela Wanderley, e de Wilson Messias do Nascimento. Na contabilidade da empresa não apareciam as despesas reais, criando lucro fictício a ser distribuído entre os sócios. Assim, segundo peritos federais, o dinheiro do tráfico ganhava aparência legal. O mesmo acontecia na JJ Lava a Jato, também na favela, que pertence a Jaqueline e a Jorge Ribeiro Júnior, preso na Operação Fênix. O responsável pelas contas das empresas e de seus sócios, o contador Humberto Marcelino Ferreira, foi indiciado por lavagem de dinheiro. (…)

Filho assume império de Beira-Mar CRIMINALIDADE Aos 21 anos, Felipe Alexandre da Costa virou chefe da quadrilha após prisão de Jaqueline, mulher do traficante
Marcelo Auler – Estado de S. Paulo, 6/1/2008

Anúncios

A importância da Máfia na Itália

outubro 23, 2007

Um relatório, divulgado nos jornais, mostra a importância da máfia na economia da Itália. Segundo o New York Times (Organized Crime Takes Lead In Italian Economy, Report Says, Peter Kiefer, 23/10/2007, p. 14), o crime organizado é o maior segmento da economia italiana, movimentando mais de 127 bilhões de dólares.

Usury represents the most lucrative activity by organized crime, with syndicates taking in $43 billion while racketeering brings in $14 billion, the report estimated. Illegal construction nets about $19 billion.

The report says 80 percent of the businesses in the Sicilian cities of Catania and Palermo regularly pay protection money, known as ”pizzo.”

Já o jornal Las Provincias (Cuatro grupos de la Mafia controlanel 7% de la economía en Italia, Íñigo Domínguez, 23/10/2007) informa que

Unos 160.000 empresarios pagan el impuesto mafioso en el sur del país

No es nada nuevo, pero conviene recordarlo: la Mafia o, mejor dicho, las cuatro mafias italianas –Cosa Nostra siciliana, Ndranghetta calabresa, Camorra napolitana y Sacra Corona Unita de Puglia, una por cada región del sur– son la primera empresa del país por volumen de negocio, 90.000 millones de euros, el 7% del PIB. (…)

Sus 86 páginas son un llanto sin fin, inverosímil para un país de la UE. La economía básica de la Mafia es el pizzo, el impuesto mafioso. Sirve para los gastos ordinarios y para mantener a las familias con parientes encarcelados. Por eso sube cada vez que hay redadas. Unos 160.000 empresarios lo padecen como un gasto más, casi todos el sur, endémico agujero negro de la economía italiana. Seis décadas de gobiernos caóticos e inversiones millonarias volatilizadas no lo han solucionado y la questione del Mezzogiorno es retórica fija en cada campaña electoral.

(…) Por poner un ejemplo, en Nápoles la Camorra domina el comercio de leche, pan y café. En la región hay unos 2.500 hornos panaderos ilegales. (…) Otro aspecto que siempre impresiona es el de la usura: muchísima gente acude a la Mafia en vez de a los bancos si necesita un préstamo. Son 150.000 los comerciantes con familias pobres y pequeñas empresas que se endeudan, con intereses del 10%. Otro aspecto exótico es el del ocultismo: en un país tan supersticioso hay unos 22.000 magos que mueven 5.000 millones.

Pesquisa e Crime

agosto 28, 2007

O reporter Larry Rohter, do New York Times, aquele que disse o que todo mundo falava, mas não publicava, publica no NY Times de 28/08/2007 uma reportagem sobre ciência no Brasil (As Brazil Defends Its Bounty, Rules Ensnare Scientists)

O foco são os cientistas que pesquisam na Amazônia e estão sendo acusados de piratas. O caso de Marc van Roosmalen, que já descobriu 5 espécies de macacos, mas foi condenado a 16 anos de prisão em Manaus.

Os burocratas dizem que estão tentando proteger um patrimônio natural e genético. O medo da pirataria, e a reportagem cita o caso da borracha e do captopril da Squibb, são as razões alegadas.

Clique aqui para ler

Crime: causa x efeito

julho 18, 2007

Uma reportagem do Estado de S. Paulo (Estudo liga gravidez indesejada a crimes violentos em cidades de SP SEGURANÇA Queda de 10% no número de crianças que vivem com mães solteiras reduziria em 5,1% os homicídios, de Fernando Dantas, 16/07/2007, p. c1) informa que a gravidez indesejada pode ser uma das causas dos crimes violentos em São Paulo. Esta conclusão faz parte de um estudo feito por um economista, Gabriel Hartung, usando dados de 643 dos 645 municípios de São Paulo.

É fácil lembrar do famoso estudo de Levitt – autor do best-seller Freakonomics – que registrou um vínculo entre legalização do aborto e redução da criminalidade. Este estudo ainda é muito polêmico já que Levitt cometeu um erro estatístico no seu estudo.

Como não existe legalização do aborto no Brasil, Hartung mostrou um vínculo entre a redução do número de crianças vivendo com mãe solteira e homicídios. A reportagem afirma que “segundo o pesquisador, o trabalho aponta o controle de natalidade como instrumento fundamental para o combate à criminalidade no Brasil. Pessoalmente, ele também defende a descriminalização do aborto. “O meu estudo é uma evidência de que a gravidez indesejada aumenta o crime”, diz Hartung, que faz doutorado na Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio.”

Mais recentemente um artigo do Washington Post comenta uma pesquisa realizada por Rick Nevin onde a presença de chumbo foi a causa da variação nos crimes violentos nos Estados Unidos. A proposta decorre da constatação de que a exposição ao chumbo torna a criança mais violenta. Anteriormente, existia presença de chumbo na gasolina e na tinta usada nos Estados Unidos. Nevin afirma que este não é o único fator a explicar a redução no crime, mas é o principal.

Esta não é a única explicação para a redução na criminalidade nos Estados Unidos. clique aqui para ler

Líderes no cibercrime

julho 17, 2007

Segundo a revista Forbes (via Symantec) os países com maiores problemas de crimes digital são

1. Estados Unidos
2. China
3. Brasil
4. Rússia
5. Suécia
6. Ucránia
7. Grã-Bretanha e Índia
8. Alemanha

O Brasil responde por 14,2% dos problemas mundiais. Destaca a revista os muitos trojans, para inserir senhas de bancos, em virtude no número pequeno de bancos existentes no país.

Uso Errado da Matemática

junho 5, 2007

Sou fã da série Numb3rs (e aqui), onde um matemático ajuda o FBI na solução de diversos crimes. A notícia abaixo mostra o contrário.

Na Holanda Lucia de Berk foi condenada pela morte ou tentativa de morte de diversos pacientes nos hospitais onde trabalhava. Um especialista encontrou que a chance estatística de ser mera coincidência as mortes ocorridas nos hospitais em 1 para 342 milhões.

Entretanto, alguns cientistas holandeses argumentam que o cálculo está errado e pode ser irrelevante para o caso. Isto é conhecido como Prosecutor´s Fallacy, onde falácias estatísticas são usadas em argumentos perante a lei.

Os investigadores do caso não foram cuidadosos na coleta dos dados. Em alguns casos, consideraram alguns eventos como suspeitos somente depois de saberem que Lucia estava presente. Isto significa que o número apresentado estava inflado e provavelmente Lucia é inocente. Em um hospital, quando Lucia trabalhava, ocorreram 6 casos suspeitos; no mesmo período, antes de Lucia começar a trabalhar, foram 7 casos. Ou seja, se Lucia é uma assassina, o número de morte diminuiu com sua presença.

Freakonomics processado

janeiro 13, 2007

Quem leu o best-seller Freakonomics deve ter achado interessante o capítulo sobre aborto e crime. Pesquisas posteriores mostraram que talvez a pesquisa tinha problemas. Na segunda edição (ainda não traduzida para o português) os autores afirmaram que Lott falsificou seus resultados. Lott não gostou do texto e entrou na justiça. (clique aqui)

Ministério público investiga campanha

janeiro 4, 2007


Ministério Público investiga empresas por crime eleitoral

Em alguns casos, doação para candidatos paulistas superou o faturamento declarado pela pessoa jurídica

Fausto Macedo e Rodrigo Pereira

O Ministério Público Federal apertou o cerco a um grupo de 100 doadores de campanha e descobriu que o caixa 2 e o financiamento ilegal foram usados em larga escala nas últimas eleições em São Paulo. Com base nos resultados parciais da investigação, acionou a Receita Federal para rastrear balanços contábeis e fiscais de pessoas físicas e jurídicas que violaram regras eleitorais.

Há casos de pessoas físicas que contribuíram com valor superior ao da própria renda bruta auferida em todo o ano anterior. E de pessoas jurídicas que doaram total muito maior que o faturamento bruto declarado. “Suspeitamos que a origem dos recursos possa ser ilícita ou que possa estar havendo prática de caixa 2”, destacou o procurador-regional eleitoral, Mário Luiz Bonsaglia, que comanda a apuração. A maior parte das ocorrências envolve candidatos eleitos. “Esperamos que a Justiça Eleitoral seja rigorosa na punição desses abusos.” (…)

Fusões de Bancos e Impactos Sociais

novembro 16, 2006

Usando dados de fusões de bancos, Garmaise e Moskowitz, dois pesquisadores norte-americanos, encontraram uma ligação entre o impacto destas sobre o crime. Isto mesmo, o crime. A questão da pesquisa foi que a redução na competição bancária aumenta a propensão ao crime. Acompanhe: fusão => reduz competição e crédito => redução de crédito reduz a atividade econômica => redução da atividade econômica aumenta o crime.

O texto foi publicado no prestigioso periódico Journal of Finance, de abril deste ano.