Archive for the ‘crise aérea’ Category

Da Superinteressante

janeiro 9, 2008

Na revista superinteressante de janeiro uma pergunta: Por que tantas empresas aéreas vão à falência no Brasil? A explicação da revista é interessante:

“Basicamente, porque voar é um troço caro pra caramba – seja por aqui, seja em qualquer outro lugar do mundo. Tudo é caro, do combustível às taxas para pousar e decolar, dos gastos com pessoal superespecializado (pilotos e técnicos de manutenção) à própria compra ou leasing das aeronaves. Um exemplo concreto ajuda a entender o preço da aviação. Para manter seus 65 aviões no ar, a Gol gastou, em 2006, R$3,1 bilhões. Isso dá nada menos que R$47 milhões por aeronave! Claro que, se tiver bastante gente disposta a voar pela companhia, o custo compensa. (…) Com 74% dos assentos ocupados e aeronaves no ar por 14 horas diárias, a empresa conseguiu embolsar R$569 milhões – um lucro de R$8,7 milhões por aeronave. (…) Como os custos não caem, um pequeno desequilíbrio vira um buraco sem fundo (…)”

Podemos então traduzir o texto para uma linguagem mais apropriadas (a contábil):

“a Gol gastou” = custo do serviço prestado mais despesa administrativa e despesa operacional da empresa
“Conseguiu embolsar” = obteve um lucro. Este número não consegui achar nas demonstrações financeiras
“como os custos não caem” = custo fixo

Anúncios

Gol

novembro 22, 2007

A reportagem a seguir, publicada no Wall Street Journal, faz uma análise da Gol. A reportagem é clara ao afirmar que os problemas da empresa não são decorrentes somente da crise do setor aéreo, mas também devido as decisões da empresa, em especial a aquisição e dificuldade de incorporar a Varig.

Skies Cloud for Brazilian Airline
By Claudia Assis
The Wall Street Journal – 21/11/2007

When Brazil’s Gol Linhas Aereas Inteligentes SA listed in Sao Paulo and New York in June 2004, it sounded like an investor’s dream — a new, very profitable airline from a corner of the world where more and more people were ditching buses to hop on planes.

But three years later, investors aren’t so sure Gol has really scored. Questions about whether Gol is still true to the low-cost carrier model after a major acquisition, coupled with a continuing crisis in the Brazilian civil aviation sector, have left investors uncertain.

The skies became cloudy for civil aviation in Brazil in September 2006, when a Gol airliner crashed in midair with an executive jet, killing all 154 people on board the Gol plane.

Earlier this year, Gol bought the assets of legacy airline Varig. More recently, management has been under fire for lowering financial guidance in October and then again earlier this month. There’s also been talk of a stock buyback and interest from other investors, including private-equity groups, in buying Gol.

“They are not really giving people much of a sense of where they are going, or where the company stands,” Citi analyst Steve Trent said.

Gol’s 2004 IPO was three times oversubscribed, with international investors snapping up two-thirds of the shares offered. Their enthusiasm was understandable: A year earlier, Gol was the world’s second most profitable carrier, after low-cost pioneer Ryanair Holdings PLC of Ireland.

Gol, with a catchy name that translates to a soccer goal, followed by “smart airline,” seemed ready to reap the benefits of being the sole budget airline in Brazil. The company, led by a member of the Constantino family, which has ties to the Brazilian transportation market, offered flights to anyone with Internet access and as little as one real (57 cents) in his or her pocket. In its early days, Gol did many one-real promotions on one-way flights.

But the shares have taken a hit lately, and were down almost 16% by mid-November. Gol’s management has said the Constantino family was considering a share buyback. In a third-quarter conference call last week, management didn’t discuss any repurchase plans or the private-equity interest in the company. Chief Financial Officer and Vice President Richard Lark did say that controlling shareholders continue to mull alternatives and that the market would be notified in due course if anything concrete took place.

After it bought Varig’s assets, Gol Linhas Aereas became the parent company of GOL Transportes Aereos and VRG Linhas Aereas. Gol said it is working to incorporate its low-cost model into the daily operations of Varig, or VRG, as the company is now called.

“We have renegotiated leasing contracts, reduced maintenance reserves, and adjusted sales commissions through contract negotiations,” Gol said. “We are redesigning VRG’s organizational structure to increase productivity while hiring additional employees, and reducing IT costs through outsourcing.” Nonetheless, the company’s bottom line still has been hurt.

Brazil’s aviation crisis also has damped the stock price of TAM SA, the country’s dominant airline, but analysts are more positive on TAM, as the company has a stronger foothold on international flights. TAM has made no acquisitions recently.

Gol trades at a premium compared with TAM. According to Factset, Gol’s 2008 price/earnings ratio hovers around 23, while TAM’s P/E ratio stands at 14. That premium was justified when Gol followed the low-cost carrier model, but since the company acquired Varig’s assets, “that argument entirely goes out the window,” Citi’s Mr. Trent said. Gol is no longer a pure low-cost carrier, he added.

Boston-based fund manager Urban Larson, of F&C Management, said Gol’s strategy in buying Varig assets is “unproven,” given that the company “was quite successful as an LCC.”

In the past, F&C has owned Gol shares, but the fund got out when “uncertainty surrounding the [Brazilian civil aviation] sector did not make us want to continue holding the stock,” Mr. Larson said. He declined to disclose when he sold his positions on Gol.

Gol’s plane crash last year exposed infrastructure weaknesses in the Brazilian civil-aviation sector. Since then, the industry has had to cope with frequent air-traffic-controller strikes, management upheaval at the regulating agency, and other wrinkles leading to stranded passengers and scores of chronically late planes or canceled flights.

The crisis was at its worst in July, when a TAM airliner overran the runway and went down in flames at Sao Paulo’s Congonhas airport, killing 199 people. That led to restrictions to operations in the airport, one of Brazil’s busiest.

Gol’s operations, heavily reliant on Congonhas, were deeply affected. The company reported third-quarter net profit of 45.5 million reals, down from 190 million reals in the same period a year ago.

Not all the news is bad for Gol. On Nov. 8, UBS Investment Research upgraded Gol to hold from sell, thanks to the bank’s belief there’s room for better profits. “We highlight significantly stronger than expected [October] passenger traffic . . . coupled with BRA’s struggles as key supporting arguments,” UBS said.

Time may very well be on Gol’s side. Market participants say that despite the current problems, the airline’s long-term story, on the back of domestic demand trends, still looks interesting, since demand for flights is expected to continue to grow in Latin America and in Brazil.

Efeito da crise aérea

setembro 4, 2007

Segundo o jornal O Globo (Entidade internacional critica setor aéreo brasileiro, 04/09/2007)

Um relatório da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), que representa as principais empresas aéreas do mundo, põe em xeque as condições de segurança do controle de tráfego aéreo do Brasil, e afirma que a crise do setor ainda vai demorar.

Um dos problemas apontados são os custos para as empresas:

Entre os custos elevados, a entidade cita o Ataero (adicional tarifário de 50% sobre todas as taxas cobradas pela Infraero) e os preços do querosene da aviação no Brasil, resultado das alíquotas diferenciadas do ICMS. A incidência do PIS/Cofins sobre o combustível também aparece entre os entraves citados pela Iata.

Crise aérea nos Estados Unidos

setembro 3, 2007

Apesar de não ser tão grave quanto a nossa crise, os Estados Unidos também estão passando por uma crise aérea.

O New York Times (Most Flights Are Late, and the Situation May Only Get Worse, por Jeff Balley, 03/09/2007) apresenta alguns dados dos atrasos nos vôos naquele país.

Já a Gazeta Mercantil apresenta reportagem no mesmo sentido (Sistema aéreo está saturado nos EUA, 03/09/2007) com um enfoque na American Airlines (a reporter, Regiane de Oliveira, viajou a convite da empresa). O destaque é a boa gerência da empresa

Na última semana, o presidente da American Airlines, Gerard. J. Arpey, fez um apelo as autoridades norte-americanas para que voltem a investir no setor. “Precisamos de infra-estrutura no ar”, afirmou o executivo. “E melhorar a capacidade dos aeroportos”. De acordo com Arpey, o aumento da demanda e a expansão das companhias de baixo custo levaram a saturação do sistema aéreo. Por enquanto, nada que afete a segurança dos passageiros. Só por enquanto.

(…) O modelo norte-americano prevê que as aéreas podem construir os terminais, mas eles devem ser doados ao estado. Em contrapartida, as empresas recebem, além de contrato – no caso da AA de 30 anos – benefícios de locação.

(…) Erli Rodrigues, diretor-geral da American Airlines no Brasil, lembra que foram períodos desgastantes. O projeto de reestruturação de custos tinha como objetivo inicial reduzir US$ 4 bilhões de um faturamento de US$ 20 bilhões ao ano da companhia. “Não dava só para cortar, tivemos de mudar processos”, explica Rodrigues. A empresa vendeu ativos, fez leasing de aviões, cancelou encomendas e renegociou os contratos de funcionários com sindicatos, demitiu pessoas. Isso tudo tendo de concorrer com novos competidores. “Até 2000 enfrentávamos as empresas de baixo custo em cerca de 25% de nossas linhas. Hoje 80% do segmento já é operado por elas”, explica.

Após 11 de setembro, a principal diferença foi o comportamento dos passageiros. “As pessoas ficaram com medo de voar e o fator custo começou a ser muito relevante”, conta Rodrigues. A prioridade do passageiro passou a ser pontualidade e preço, e depois, conforto. Até o serviço de bordo mudou. “Hoje não temos mais serviço de bordo em vôos de até duas horas”.

A primeira meta de corte de custos foi atingida, mas não foi suficiente. “Começamos a trabalhar num sistema de cortes constantes de custos”, afirma. E segundo ele foi a criatividade que garantiu que a empresa não passasse por mais reduções. “Em vez de cortar mais ou terceirizar serviços, resolvemos oferecer alguns de nossos serviços para fora, como a manutenção”, diz. Hoje a AA tem contrato com a Rolls Royce para manutenção de turbinas. “Isso trouxe receita de US$ 500 milhões ao ano”. O resultado de todas as ações foi um caixa de US$ 6 bilhões.

Impacto do acidente

julho 27, 2007

TAM vale R$ 2 bi a menos do que no dia do acidente
Patrícia Cançado – O Estado de São Paulo – 26/07/2007

CRISE SEM FIM – Tranferência de cargas para o Aeroporto de Guarulhos provoca prejuízos às empresas

A TAM já valia ontem R$ 2,1 bilhões a menos que no dia do acidente que matou quase 200 pessoas e agravou ainda mais a crise do setor aéreo. No dia 17 de julho, o valor de mercado da companhia era de R$ 9,9 bilhões. Ontem, fechou em R$ 7,8 bilhões. A Gol, que vale agora R$ 9,4 bilhões, perdeu R$ 1,4 bilhão em sete dias de negociação. TAM e Gol estão entre as companhias aéreas mais valorizadas do mundo. As ações da TAM caíram 21,6% entre o dia 17 e ontem. No dia seguinte ao acidente, a queda foi de 9,1% (ante 2,6% da Gol). Ontem, fecharam em R$ 52. Na Gol, o impacto foi menor que o da TAM no primeiro dia, mas foi aumentando à medida que a tragédia passou a afetar todo o setor. Até ontem, a desvalorização acumulada era de 14,6%. (…)

Salários

julho 24, 2007

Olhe que interessante esta lista. Os maiores salários das profissões nos Estados Unidos:

1. Anestesistas – 184,340 dólares
2. Cirurgiões – $184,150
3. Obstetras e ginecologistas – 178,040
4. Ortodentistas – $176,900
5. Cirurgiões (Maxial e Oral) – $164,760
6. Médicos Internistas Geral – 160,860
7. Prododentistas – $158,940
8. Psiquiatra – 149,990
9. Médicos de Família – 149,850
10. Executivos Chefes – 144,600
11. Médicos e Cirurgiões- 142,220
12. Pediatra Geral – 141,440
13. Dentista Geral – 140,950
14. Pilotos, Co-pilotos e Engenheiros de voô – 140,380
15. Médicos do pé – 118,500
16. Advogados – 113,660
17. Controladores de Trâfego aéreo – 110,270
18. Engenheiros – 110,030

Fonte: Forbes – Clique aqui

Custos adicionais da crise aérea

janeiro 7, 2007


Crise aérea gera custos extras
Agência Jornal do Brasil – 04/01/2007

Crise aérea gera custos extras
O caos aéreo pode gerar custos extras para as companhias aéreas. Está em elaboração uma portaria que cria um plano de contingenciamento de crises, para evitar problemas como os vistos ao final de 2006. Entre as medidas, está em estudo a criação de frota reserva nas companhias aéreas para atender situações de emergência.
? Sem um sistema backup (reserva), qualquer coisa que ocorrer acarreta uma série de problemas em cascata, no chamado efeito dominó – disse ontem o presidente da Anac, Milton Zuanazzi.
Pelo estudo da agência os aviões , de propriedade das companhias aéreas, ficariam à disposição das próprias empresas para fazer frente a problemas como o da TAM em dezembro, quando seis aviões tiveram de voltar ao solo para manutenção ao mesmo tempo.
Integrar mais aeronaves à frota tem, obviamente, um custo expressivo. O impacto dessa medida está em análise e a direção da agência diz que está atenta e que não quer que o passageiro financie a frota extra. Um dos temas que tem preocupado técnicos nesse assunto é o mercado mundial de aeronaves.
Com a forte expansão do transporte aéreo, principalmente em mercados emergentes como a América Latina e China, a oferta de aviões de médio e grande porte é bastante reduzida. Isso poderia dificultar a iniciativa, ainda que especialistas acreditem que esse reforço de frota seria de uma ou duas aeronaves no caso das maiores empresas, como, por exemplo, a TAM e Gol.
O pacote preparado pela Anac também deve sugerir a criação de estrutura emergencial com controladores de tráfego e canais de comunicação entre a Anac, aéreas e Infraero.
Zuanazzi informou que, paralelamente à edição da portaria, que deve ser editada no fim do mês para vigorar no segundo semestre, a Anac quer criar ferramenta para diagnosticar casos de venda de passagens em número superior à capacidade das aeronaves, o chamado overbooking.
Nada impede que a gente faça isso. Por isso, queremos ter esse instrumento, disse a diretora da agência, Denise Abreu. Ela explica que a ferramenta pode permitir o acompanhamento em tempo real das reservas de todas as aéreas brasileiras.
Apesar de a ferramenta operar em tempo real, a agência não pretende acompanhar o mercado diuturnamente. Denise sinalizou que a leitura dos dados poderá ser feita em períodos críticos que, potencialmente, têm maior chance de overbooking. Ela se recusou a informar se o sistema poderá ser usado no Carnaval.
Denise e Zuanazzi rechaçam a análise de que esse sistema significaria algum tipo de intervenção branca nas empresas. A diretora sustenta que esse trabalho é apenas de monitoramento.
Procurado para comentar a portaria em elaboração na Anac, o Sindicato Nacional das Empresas Aeroviárias (Snea) não retornou os pedidos da reportagem.

Leia mais

Ainda área pública

dezembro 31, 2006

A crise aérea trouxe a questão do desempenho na Anac. O balanço, publicado no Estado de ontem, é o seguinte:

Os aeroportos brasileiros estão no meio da maior crise da história, mas a Anac está gastando mais dinheiro em passagens e diárias de viagem do que com o pagamento de pessoal e a fiscalização das empresas do setor aéreo. A conclusão é do site Contas Abertas, ao analisar os números do Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi), que reúne dados da execução orçamentária dos órgãos da administração pública.

Até o dia 27 de dezembro, segundo o Siafi, a Anac já gastou R$ 10,5 milhões na rubrica “Passagens Aéreas e Diárias”, o que representa 15% de todo o orçamento do órgão. No mesmo período, no programa “Fiscalização da Aviação Civil”, foram gastos R$ 7,4 milhões.

Crise aérea

dezembro 31, 2006


Do O Globo de hoje sobre as conseqüências da crise aérea:

Com o apagão aéreo, 567 mil pacotes turísticos para o verão deixaram de ser vendidos no país. Só no Rio o prejuízo é de R$35 milhões.

Cias Aéreas terão lucro em 2006

dezembro 27, 2006

O resultado dos três primeiros trimestres foram bons para compensar o final do ano ruim. Clique aqui para ler