Archive for the ‘endividamento’ Category

Uma medida contábil pode ser relevante para entender a economia

março 5, 2008


As vezes uma informação tipicamente contábil pode ser interessante para entender a economia. Lembro-me agora dos estoques, como um indicador de recessão ou crescimento econômico. Uma outra medida usada, e recentemente lembrada pelo jornal NY Times é o “caixa”. E segundo o jornal a notícia é boa. Ao contrário do que se possa imaginar – num momento de crise financeira – as empresas norte-americanas estão muito bem de recursos financeiros. Um estudo mostrou que a quantidade de caixa aumentou desde 1998, enquanto a dívida caiu. As empresas que compõe o SP Industrial Index possuiam em janeiro 600 bilhões de dólares em caixa.

Para René Stulz, um conhecido pesquisador de finanças, este crescimento talvez seja indicador que o mundo hoje é mais rico para fazer negócios. A relação (Dívida – Caixa)/Ativos, um índice de endividamento e independência financeira, está, em muitas empresas, negativo.

Várias são as explicações. Um interessante é o papel cada vez menor dos estoques no capital de giro (por conta, entre outras razões, do just-in-time). Outra explicação é que as empresas estão menos intensas de capital físico (e mais de capital humano), o que significa menos ativo permanente.

Como entender isto dentro do contexto econômico? Mais caixa pode ser um sinal de que estas empresas possuem capacidade para fazer aquisições de empresas, comprar equipamentos para novas expansões, investir em novas tecnologias ou, simplesmente, distribuir dividendos. De qualquer forma, isto poderia representar mais dinheiro na economia, reduzindo a influência de uma recessão.

Clique aqui para ler mais

Anúncios

Obesidade e Análise Econômico-Financeira

dezembro 18, 2007

Nos últimos anos surgiram uma série de pesquisas sobre obesidade. A grande maioria delas usa como medida de obesidade o índice de massa corporal, que é uma relação entre o peso e a altura.

Algumas das pesquisas realizadas constataram que uma pessoa com um índice elevado de massa corporal não possui uma taxa de mortalidade esperada, sugerindo que pessoas com sobrepeso podem ter uma taxa de sobrevivência melhor do que pessoas magras. Este fenômeno é conhecido dos especialistas como paradoxo da obesidade.

Uma possível explicação deste problema pode estar justamente no índice usado. O índice de massa corporal não consegue distinguir entre os diferentes tipos de massa. Assim, um atleta que ganha massa muscular poderia ser classificado como “gordo”, quando na verdade ele somente ganhou peso por um tipo de massa mais saudável.

Esta situação, apresentada de forma mais detalhada aqui, alerta para o uso de certos índices como aproximação do que queremos medir. Um exemplo ocorre em análise econômico-financeira quando usamos índices de endividamento. Geralmente estes índices são expressos por uma relação entre o passivo (circulante e de longo prazo) pelo ativo ou pelo patrimônio líquido.

Entretanto, nem todo passivo representa uma “dívida” ruim. Existem passivos decorrentes de atividades operacionais, como as obrigações com fornecedores e empregados, que são negativos. Uma melhor forma de estudar o endividamento é retirar dos índices esta parcela destes passivos. Assim, conclusões apressadas do tipo “maior passivo, pior para empresa”, comum na análise econômico-financeira, deveriam ser evitadas.

Dívida perdoada

janeiro 14, 2007

Da Veja dessa semana (via blog do Reinaldo Azevedo):

Num dos períodos mais lucrativos para os usineiros de cana-de-açúcar no país, o Banco do Brasil concedeu ao setor perdão de dívidas superior a R$ 1 bilhão, segundo documentos obtidos pela Folha.O benefício foi garantido em repactuações de débitos fechadas no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sobretudo entre 2004 e 2006, referentes a empréstimos e financiamentos contraídos ou renegociados na década de 90.De 2003 para cá, o banco selou acordo com pelo menos 20 produtores, a maior parte do Nordeste. Apenas em quatro casos, a redução no valor alcança cerca de R$ 400 milhões.Dois advogados ouvidos pela Folha com vários clientes nessa situação, que pediram para não ter seus nomes divulgados, disseram que o perdão para os 20 usineiros ultrapassa facilmente R$ 1 bilhão. O grupo pernambucano União, por exemplo, pagou apenas 1,77% (R$ 3,7 milhões) dos R$ 208,63 milhões que devia originalmente.

Eu costumo usar o exemplo dos usineiros em sala da aula para comentar como é difícil fazer análise de balanços. A frase que fazer dívida é ruim (consequentemente endividamento quanto menor, melhor) não é válida. E cito o exemplo dos usineiros, que fazem dívida e não pagam. Fazer dívida pode ser bom.