Archive for the ‘estatística’ Category

Modelos e Realidade

dezembro 17, 2007

Eu começo minha aula a cada ano dizendo o seguinte: “Existem modelos. E a razão pela qual nós chamamos de modelos é que eles não são 100% verdadeiros. Se eles fossem, nos poderíamos chamá-los de realidade, não modelos. Eles são simplificações.”

Aqui uma entrevista de Eugene Fama

Anúncios

Links

dezembro 12, 2007

três reportagens da The Economist
1. A Tecnologia sendo usada no Varejo
2. evolutionary design e Evolutionary alghoritms
3. Mercado de armas

Nova crise?

outubro 23, 2007

No aniversário do Black Monday (a segunda-feira que representou a crise da bolsa de 1987), este endereço pergunta se é possível ocorrer novamente.

Se os retornos dos mercados estiverem distribuídos normalmente (ou seja, através da distribuição normal) a resposta seria não. Um queda de 22,6% no mercado norte-americano é um evento de 18 desvios ou uma vez dentro da história do universo.

O problema é que os retornos provavelmente não seguem uma distribuição normal. Já se comprovou que nos extremos a curva da distribuição dos retornos do mercado acionário é mais “gorda” que a curva normal. É o que os especialistas chamam de “fat tail”.

R

outubro 15, 2007

Marcos F Silva é técnico de controle externo do TCE/RJ e fã do software R. Ele enviou um texto “Usando R na Análise de Relatórios do SIAFEM”. É muito interessante pois o R é um software livre (ao contrário do SPSS e SAS, por exemplo). As dicas são interessantes e você pode conferir em http://marcosfs2006.googlepages.com

Links

outubro 5, 2007

1. Para quem gosta de esportes e estatística

2. Loja que vende lingerie para homens

Correlação espúria

setembro 29, 2007

Correlação espúria é o nome que se dá para a existência de relação estatística entre duas ou mais variáveis, mas sem significado teórico. Por este motivo é comum afirmar que a correlação não significa causação.

Uma notícia interessante aqui afirma que a melhor medida de correlação com o índice da bolsa de valores norte-americana (SP 500) é a produção de manteiga em Bangladesh. Este é um exemplo de correlação espúria.

Pesquisa e Blog

julho 18, 2007

O PhD Satoshi Kanazawa, em conjunto com o também PhD Alan Miller publicaram na Psychology Today sobre algumas verdades politicamente incorretas. O texto atraiu a atenção do famoso blog Freakonomics que deu amplo destaque as posições dos autores. Anteriormente o mesmo blog já tinha dado um destaque a outra pesquisa de Kanazawa, sobre a atração de mulheres bonitas por homens feios.
(Além disto, fiz um vínculo para o artigo do Psychology Today)

Um blog especializado em estatística faz um comentário devastador sobre a pesquisa de Kanazawa. Basicamente os estudos de Kanazawa possuem erros estatísticos. Quando controla-se as variáveis intermediárias não existe nada que comprove que “pais bonitos tem mais filhas”. Ou seja, a teoria não foi comprovada estatísticamente.

Uso Errado da Matemática

junho 5, 2007

Sou fã da série Numb3rs (e aqui), onde um matemático ajuda o FBI na solução de diversos crimes. A notícia abaixo mostra o contrário.

Na Holanda Lucia de Berk foi condenada pela morte ou tentativa de morte de diversos pacientes nos hospitais onde trabalhava. Um especialista encontrou que a chance estatística de ser mera coincidência as mortes ocorridas nos hospitais em 1 para 342 milhões.

Entretanto, alguns cientistas holandeses argumentam que o cálculo está errado e pode ser irrelevante para o caso. Isto é conhecido como Prosecutor´s Fallacy, onde falácias estatísticas são usadas em argumentos perante a lei.

Os investigadores do caso não foram cuidadosos na coleta dos dados. Em alguns casos, consideraram alguns eventos como suspeitos somente depois de saberem que Lucia estava presente. Isto significa que o número apresentado estava inflado e provavelmente Lucia é inocente. Em um hospital, quando Lucia trabalhava, ocorreram 6 casos suspeitos; no mesmo período, antes de Lucia começar a trabalhar, foram 7 casos. Ou seja, se Lucia é uma assassina, o número de morte diminuiu com sua presença.

Significante e não significante pode não ser significante

janeiro 28, 2007

Quem tem o prazer de fazer pesquisa empírica já se deparou com testes de significâncias. Os softwares que usamos geralmente consideram 5% como o padrão para aceitação ou rejeição das hipóteses. Qual a razão de usar 5%? Talvez o costume na pesquisa na área de ciências sociais.

Existe muita discussão sobre a importância desse valor nas pesquisas empíricas. Afinal, a diferença entre “significante” e “não significante” é importante? Clique aqui para um artigo (PDF) de Gelman e Stern sobre o assunto

Estatística

janeiro 12, 2007

Você fica confuso com as técnicas estatísticas? Não sabe como enquadrar a meta-analíse nos métodos quantitativos? Os gráficos abaixo talvez facilitem as coisas:

Fonte: Statistical Modeling, Causal Inference, and Social Science