Archive for the ‘freakonomics’ Category

Analisando a Prostituição

janeiro 29, 2008

O livro Freakonomics representa um marco para muitos leitores. De repente é possível aplicar os conhecimentos econômicos em situações triviais, como o comércio de drogas ou o aborto. Abre-se um leque para tentar entender o cotidiano sob uma nova perspectiva.

Num dos capítulos do livro é narrado o caso de um estudante que conhece o comércio de drogas numa grande cidade e começa a entender a razão pela qual alguns jovens são atraídos para este tipo de comércio.

Agora um dos autores do livro, Steven Levitt, em conjunto com este ex-estudante, Sudhir Venkatesh, publicaram um artigo preliminar sobre a prostituição numa grande cidade (Chicago). Em “An Empirical Analysis of Street-Level Prostitution”, os autores fazem um estudo da prostituição e diversos aspectos econômicos, incluindo a receita, os riscos da profissão e o custo de oportunidade.

Uma primeira constatação dos autores é que a prostituição é uma atividade econômica com um alto grau de concentração geográfica. Para isto, usaram notícias de prisões, comparando a prostituição com roubos, drogras e outros tipos de crimes.

Como atividade econômica, uma prostituta de rua gera uma média de 27 dólares por hora, o que significa 20 mil dólares por ano. Neste período de um ano, espera-se que a profissional tenha cerca de 12 incidentes de violência e 300 atividades de sexo sem proteção. O estudo concluiu que o preço cobrado varia conforme as características do cliente (incluindo raça) e exigências do cliente quanto ao ato sexual.

Já as prostitutas que trabalham com intermediário possuem uma receita maior e são menos prováveis de serem presas. Além disto, a existência de intermediário parece contribuir com um aumento de receita em razão do preço superior. Para as prostitutas que trabalham sem o intermediário é mais provável prestar serviços ao policial do que ser presa.

O trabalho apresenta ainda algumas lacunas, indicando ser uma versão preliminar. Mas é muito instigante.

Anúncios

Economia e Sexo

janeiro 18, 2008

Segundo a The Economist (Selling sex, 17/01/2008), o encontro da American Economic Association deste ano foi dominado por uma sessão onde de discutiu o mercado de sexo pago (prostituição).

O trabalho foi desenvolvido por Steven Levitt, co-autor de “Freakonomics”, e Sudhir Venkatesh. Eles pesquisaram as transações de prostitutas nas ruas de Chicago.
Os resultados:
=> A indústria está concentrada em termos de locais pelo fato das prostitutas e seus clientes necessitarem de um “ponto de encontro”
=> O lucro é alto, quando comparado com outros trabalhos (de 25 a 30 dólares por hora, ou quatro vezes o salário normal)
=> Risco é elevado pois o sexo sem proteção é algo normal.
=> A chance de assalto é elevada (média de uma vez por mês)
=> O risco de problemas legais é baixo (a chance de serem presas é menor que terem sexo com policiais)
=> Estratégia de preço é igual a outros tipos de negócios. Os preços são segmentados e o valor varia conforme a percepção da habilidade de pagamento do cliente
=> O mercado absorve um aumento de demanda (através de um evento nas proximidades de um ponto) por conta da flexibilidade de oferta.

Links

dezembro 15, 2007

1. O Greenpeace faz campanha contra a Exxon
2. Obesidade da criança pode ser explicada pelo trabalho da mulher. Eis um caso de externalidade
3. Freakonomics está sendo adaptado como um documentário

Links

dezembro 13, 2007

1. Passe o mouse para descobrir a celebridade sem produção
2. Esquema de pirâmide =>
3. As vantagens da Vale perante os concorrentes
4. Economia dos mosquitos

Utilitarismo

outubro 29, 2007

Próximo as discussões de Harford, uma discussão sobre o utilitarismo e a decisão de Kerry Katona (quem? aqui foto abaixo) de fazer ou não um certo tipo de operação plástica pode ser encontrada aqui.

Qual o limite da economia (ou dos economistas)?

outubro 29, 2007

Tim Harford é um economista conhecido pela sua abordagem não tradicional, comentando sobre café e outros temas curiosos. É uma versão inglesa do Freakonomics.

Mas o limite para os comentários de Harford não são amplos demais? Aqui Harford responde a uma leitora sobre virgindade. Aqui compara o valor da vida. E aqui discute a questão da pontualidade.

Economia e Rock

agosto 21, 2007

Mais pesquisas no rastro do Freakonomics. Um Discussion Paper (aqui, em PDF) da University of Calgary, de Robert Oxoby, usou o grupo de rock AC/DC. Este grupo vendeu mais de 160 milhões de cópias, o que o torna um dos grupos de maiores sucessos na história do rock.

A questão relevante da pesquisa é comparar os dois vocalistas da banda: Bon Scott e Brian Johnson. O primeiro, foi vocalista até 1980; o segundo, a partir desta data.

A pesquisa conclui que escutando música com Johnson, as pessoas produzem melhores “resultados”, o que leva o paper a concluir que Johnson é melhor vocalista que Scott.

Clique aqui e aqui para breves comentários de dois blogs sobre esta pesquisa. Aqui, outro comentário informando que a pesquisa é uma piada.

Pesquisa e Blog

julho 18, 2007

O PhD Satoshi Kanazawa, em conjunto com o também PhD Alan Miller publicaram na Psychology Today sobre algumas verdades politicamente incorretas. O texto atraiu a atenção do famoso blog Freakonomics que deu amplo destaque as posições dos autores. Anteriormente o mesmo blog já tinha dado um destaque a outra pesquisa de Kanazawa, sobre a atração de mulheres bonitas por homens feios.
(Além disto, fiz um vínculo para o artigo do Psychology Today)

Um blog especializado em estatística faz um comentário devastador sobre a pesquisa de Kanazawa. Basicamente os estudos de Kanazawa possuem erros estatísticos. Quando controla-se as variáveis intermediárias não existe nada que comprove que “pais bonitos tem mais filhas”. Ou seja, a teoria não foi comprovada estatísticamente.

Crime: causa x efeito

julho 18, 2007

Uma reportagem do Estado de S. Paulo (Estudo liga gravidez indesejada a crimes violentos em cidades de SP SEGURANÇA Queda de 10% no número de crianças que vivem com mães solteiras reduziria em 5,1% os homicídios, de Fernando Dantas, 16/07/2007, p. c1) informa que a gravidez indesejada pode ser uma das causas dos crimes violentos em São Paulo. Esta conclusão faz parte de um estudo feito por um economista, Gabriel Hartung, usando dados de 643 dos 645 municípios de São Paulo.

É fácil lembrar do famoso estudo de Levitt – autor do best-seller Freakonomics – que registrou um vínculo entre legalização do aborto e redução da criminalidade. Este estudo ainda é muito polêmico já que Levitt cometeu um erro estatístico no seu estudo.

Como não existe legalização do aborto no Brasil, Hartung mostrou um vínculo entre a redução do número de crianças vivendo com mãe solteira e homicídios. A reportagem afirma que “segundo o pesquisador, o trabalho aponta o controle de natalidade como instrumento fundamental para o combate à criminalidade no Brasil. Pessoalmente, ele também defende a descriminalização do aborto. “O meu estudo é uma evidência de que a gravidez indesejada aumenta o crime”, diz Hartung, que faz doutorado na Escola de Pós-Graduação em Economia (EPGE) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), no Rio.”

Mais recentemente um artigo do Washington Post comenta uma pesquisa realizada por Rick Nevin onde a presença de chumbo foi a causa da variação nos crimes violentos nos Estados Unidos. A proposta decorre da constatação de que a exposição ao chumbo torna a criança mais violenta. Anteriormente, existia presença de chumbo na gasolina e na tinta usada nos Estados Unidos. Nevin afirma que este não é o único fator a explicar a redução no crime, mas é o principal.

Esta não é a única explicação para a redução na criminalidade nos Estados Unidos. clique aqui para ler

Links

julho 1, 2007

1. Chris Benoit – Foi uma coincidência? (aqui e aqui)

2. Os piores versos da Música Popular Brasileira – uma listagem interessante, mas incompleta.

3. Combatendo as epidemias globais – Do blog Conjuntura Contábil