Archive for the ‘globalização’ Category

Instinto de sobrevivência

janeiro 1, 2008

Para reduzir custos de produção e ganhar competitividade, empresários brasileiros têm procurado cada vez mais o exterior. A Sociedade Brasileira de Estudos de Empresas Transnacionais e da Globalização Econômica (Sobeet) pesquisou esse movimento e com o resultado do trabalho está lançando o livro Internacionalização das Empresas Brasileiras.

Custo alto leva empresas a optar pela globalização – Fernando Nakagawa
O Estado de São Paulo -1/1/2008

Anúncios

Links

dezembro 21, 2007

1) Cognição e Teoria dos Jogos

2)O que acontece quando a população diminui?

3) A gravidez da irmã da Britney Spears e o mercado

4) A primeira globalização ocorre com o império mongol

A morte da distância foi exagerada?

dezembro 5, 2007

Um livro que não li, O mundo é Plano, de Thomas Friedman, destaca o fato do mundo econômico ter-se pequeno diante da globalização. Um trabalho de CEPR (um centro de estudos europeu na área de economia) mostra que este fato pode ter sido exagerado. Clique aqui, aqui e aqui

Links

novembro 29, 2007

1. Gastou $250 mil para mudar o slogan para “Welcome to Scotland”

2. Fotos interessantes de esportes

3. O preço da globalização – Inclui sobre o PCC

4. Baniram a Wikipedia da escola

5. É possível hackear a máquina de votação dos EUA

Futebol de brasileiros

novembro 29, 2007

Segundo Joseph Blatter, presidente da FIFA, os jogadores de futebol provenientes do Brasil tornaram-se um “perigo, um perigo real” para o futebol”. Isto em razão da invasão de jogadores brasileiros na Europa, Ásia e África. Então a Copa de 2014 e 2018 poderá ser uma copa com 32 times, todos com jogadores brasileiros.

Hoje mais de mil jogadores deixam o Brasil para jogar em clubes distantes como a Rússia e Japão. Estes jogadores criam raízes nos países e são adotados para jogar pela seleção nacional.

O New York Times (27/11/2007, em Born in Brazil, But Representing Someone Else, de Jack Bell) cita o caso de Deco, Antonio Naelson (?), Alessandro Santos (?), Jose Clayton (?) e Eduardo Silva, que jogam pela seleção de Portugal, México, Japão, Tunísia e Croácia, respectivamente, como exemplos)

Links

novembro 13, 2007

1. Há petróleo

2. Não diga “função utilidade” e sim “função valor”

3. Estimativa do custo da guerra (EUA)

4. A face estranha da globalização. O que são fundos soberados

5. O poder do relacionamento pessoal = Uma história interessante que mostra o relacionamento pessoal em fundos de investimento

6. Um jogo interessante em Finanças Comportamentais

Produtos made in USA

setembro 20, 2007

Este endereço fez uma lista de 22 produtos que são feitos nos Estados Unidos, após muito esforço. É a globalização.

Centros financeiros mundiais

setembro 14, 2007

A The Economist de 13/09/2007 faz um extenso relatório sobre o setor financeiro mundial. Uma constatação é a proliferação de centros financeiros mundiais, que nos dias de hoje possuem uma alta dependência entre eles. Apesar do aumento no número de centros financeiros, a revista considera que provavelmente somente Nova Iorque e Londres possam ser considerados centros globais.

Na reportagem Marketplaces on the move, a revista apresenta o seguinte gráfico:

Globalização

julho 25, 2007

Na coluna de artes do Financial Times (The ancient art of globalisation, Jeremy Grant, 24/07/2007), USA Ed1, p. 15, o jornal inglês comenta uma exposição sobre a história de Portugal. O título da matéria é apropriado e interessante pois informa que a globalização é mais antiga do poderíamos pensar.

Além disto, a matéria informa sobre a espionagem italiana, que rouba o “Cantino Planisphere”, um mapa que contém informações das quatro grandes expedições marítimas: Colombo, Cabral, Vasco da Gama e os irmãos Corte-Real.

In 1502, an Italian diplomatic agent working in Lisbon for the Duke Ercole d’Este of Ferrara pulled off what must rank as one of the boldest thefts of a state secret. Somehow, he managed to make off with an item of inestimable value to the Portuguese king: a copy of the “Cantino Planisphere”, a large map. This was no ordinary map. Using information brought back by Portuguese sailors in the latter half of the 15th century, it represented the most accurate view of the known world at that time, allowing the Portuguese to project their emerging maritime empire more effectively than any rival.

With the beginning of the reign of Joao II in 1481, Lisbon had become the seat of a vast project of exploration, carried out along the African coasts, with the objective of reaching the Indian Ocean and southern Asia. The Portuguese had begun their explorations in the early part of the century, colonising Madeira and the Azores, moving later along the west coast of Africa in search of slaves and gold. Asia soon followed, then Brazil.

Royal cartographers fashioned the map using information brought back by sailors from four series of voyages: Columbus to the Caribbean; Pedro Alvarez Cabral to Brazil; Vasco da Gama to eastern Africa and India; and finally the brothers Corte-Real to Greenland and Newfoundland. Except for Columbus, all had sailed under the Portuguese flag. The original of the Cantino map is presumed to have been lost in the Lisbon earthquake of 1755. But the stolen version – a copy – has been housed at a library in Modena ever since.

(…) As empires go, the Portuguese seems to get less attention than those that followed. But Portugal was the first European nation to build an extensive commercial empire, creating a global network that relied more on trade than conquest of land. In the process, they not only made contact with regions previously unknown to Europeans, but also left a legacy that was more cultural than political. (…)

A quem interessa a globalização?

janeiro 26, 2007

Notícia do jornal Cinco Dias, da Espanha, de 18/01/2007:

El negocio de auditoría de las cuatro grandes (Deloitte, PricewaterhouseCoopers, KPMG y Ernst & Young) en España continúa activo. Las adaptaciones a las normas contables internacionales siguen suponiendo un auténtico balón de oxígeno para las firmas de servicios profesionales, que mantienen importantes crecimientos en este área de negocio. (…) Para Deloitte, que sin embargo es la firma cuyo crecimiento en comparación con la facturación del ejercicio anterior es menor (el 6%), la buena marcha del negocio auditor tiene que ver con “el incremento de servicios relacionados con la adaptación a las normas de información financiera y con los servicios relacionados con el asesoramiento de control interno”.

Além disso, o mercado é oligopólio:

Deloitte, Ernst & Young, PricewaterhouseCoopers y KPMG emitieron durante el ejercicio 2005 el 91,3% del total de informes de auditoría que se remitieron a la CNMV. Pero en el caso de las compañías que pertenecen al Ibex 35 el porcentaje se eleva hasta el 100%. Ahí las cuatro grandes copan el mercado y aunque en ciertos concursos alguna de las firmas que se encuentran por detrás en el ranking, como BDO, ha logrado meter la cabeza, no ha conseguido romper el monopolio que se reparten las cuatro grandes.