Archive for the ‘GM’ Category

Baixa contábil na GM

novembro 23, 2007

(…) O problema mais recente a alimentar dúvidas em Wall Street é a incerteza quanto à exposição da GM ao mercado hipotecário. Os problemas envolvem a Residential Capital LLC, uma unidade de crédito imobiliário da financeira GMAC Financial Services LLC. A ResCap, que já foi uma operação altamente lucrativa controlada pela GM por meio de sua participação de 49% na GMAC, divulgou um enorme prejuízo trimestral. Para exacerbar os problemas da GM, alguns analistas já estão levantando bandeiras vermelhas sobre o aumento da inadimplência nos financiamentos de automóveis da GMAC.

Enquanto isso, a GM preocupou investidores ao dar baixa contábil de quase US$ 39 bilhões em créditos fiscais contabilizados como ativos em seu balanço, admitindo na prática ser improvável que ela vá ter lucro suficiente nos vitais mercados dos EUA e da Alemanha para fazer uso dos créditos. A Delphi Corp., antiga divisão de autopeças da GM, propôs um novo plano para sair da concordata, que reduz o dinheiro que pagaria à GM em US$ 1,25 bilhão. Ao mesmo tempo, as operações da GM nos mercados amadurecidos da América do Norte e Europa Ocidental continuam perdendo muito dinheiro. E as vendas nos EUA estão caindo mais rápido do que a GM esperava, enquanto os custos de matérias-primas estão mais altos do que o projetado. (…)

Mercado ‘subprime’ e vendas fracas pressionam GM e Wagoner
John D. Stoll, The Wall Street Journal
The Wall Street Journal Americas – 22/11/2007

Anúncios

GM divulga demonstrações

março 15, 2007

Uma empresa em dificuldade sempre chama a atenção dos analistas para suas demonstrações. É o caso da GM.

Nas demonstrações divulgadas nessa semana, a GM mostrou o peso da reestruturação que está sendo feita. Apesar da venda de 9,1 milhões de automóveis e bom faturamento, além de lucro nas filiais, a GM preciso de tempo para fechar a contabilidade em razão da necessidade de rever a contabilidade dos últimos cinco anos. A revisão foi um pedido da SEC.

As demonstrações aparentemente mostram que a crise já passou para GM. Para se ter uma idéia, o lucro da filial européia no último trimestre do ano de 2006, conforme informa o El Mundo, foi de 731 milhões de euros; no ano de 2005 era de 5,1 milhões.

Rir é o melhor remédio 59

março 12, 2007

GM e Ford precisam dar garantias para conseguir empréstimos

novembro 15, 2006

A decadência de duas montadoras: precisar dar garantias para conseguir empréstimos.

GM e Ford agora têm de empenhar ativos para conseguir empréstimos
November 15, 2006 4:05 a.m.

Por Jeffrey C. McCracken e John D. Stoll
The Wall Street Journal

DETROIT — Uma mudança de regras contábeis e problemas nas operações na América do Norte deixaram a General Motors Corp. e a Ford Motor Co. numa posição à qual não estão acostumadas: as duas maiores montadoras dos Estados Unidos estão agora conseguindo empréstimos tendo de dar como garantia fábricas, equipamentos ou outros ativos.

A Ford “logo, logo” fechará um empréstimo que provavelmente será garantido “por uma porção significativa dos ativos da empresa”, disse ontem seu diretor financeiro, Don LeClair, numa teleconferência para reapresentar os balanços da empresa de 2001 a 2005. A Ford reapresentou os balanços para corrigir a contabilização de swaps de juros em sua divisão de crédito e algumas outras transações com derivativos. O recálculo reduziu o prejuízo no terceiro trimestre para US$ 5,2 bilhões, ante US$ 5,8 bilhões que haviam sido divulgados anteriormente.
[gmford]

LeClair não quis especificar quanto a Ford está querendo tomar emprestado e nem que ativos ela pode dar em garantia para conseguir novas linhas de crédito, ou se isso pode incluir patrimônio da família Ford. A família é dona de cerca de 3% do capital da empresa, mas tem 40% dos direitos de voto.

Os planos da Ford vieram à tona um dia depois que a GM usou equipamentos de suas fábricas na América do Norte como garantia de um empréstimo de US$ 1,5 bilhão. A GM disse que a decisão tem por objetivo “melhorar” sua liquidez e “aproveitar condições robustas do mercado”.

LeClair admitiu que a decisão da Ford de tomar empréstimos garantidos por bens reflete a situação financeira difícil da empresa. Esta é a primeira vez nos 103 anos da história da montadora que ela recorreu a esse tipo de financiamento.

“É um reconhecimento de que temos alguns problemas”, disse LeClair.

A mudança na captação de recursos ocorre em meio a sinais crescentes de problemas para a GM, a Ford e o Chrysler Group, do grupo alemão DaimlerChrysler AG. Ontem, os diretores-presidentes das três reuniram-se na Casa Branca com o presidente dos EUA, George W. Bush, e apresentaram as dificuldades que elas enfrentam por causa da alta de custos de seguro-saúde, planos de pensão e do aço, e das taxas cambiais desfavoráveis, que segundo eles dão uma vantagem a rivais japonesas.

A Ford disse que espera voltar ao azul na América do Norte, com um pequeno lucro, em 2009. Esse é um mercado onde a Toyota Motor Corp. lucra cerca de US$ 2 bilhões por trimestre.

Anos atrás, a GM e a Ford eram tomadores tão preferenciais que os bancos faziam fila para atendê-las. Mas o prolongado declínio delas deixou seus balanços sob pressão. A GM teve prejuízo de US$ 10,6 bilhões no ano passado, e a expectativa é de que a Ford divulgue um prejuízo ainda maior este ano.

A corrida para assegurar empréstimos garantidos por ativos foi causada por uma mudança em como grandes empresas americanas precisam contabilizar os planos de aposentadoria custeados por elas. A partir de 1o de janeiro, elas precisam contabilizar todas as obrigações relativas a benefícios futuros em seus balanços.

O acréscimo das obrigações deixará a GM com patrimônio líquido negativo, ou passivo a descoberto. Isso dificultará para ela tomar dinheiro emprestado, porque cláusulas contratuais de títulos emitidos por ela podem proibi-la de dar certos ativos em garantia de empréstimos. Na segunda-feira, a GM disse que está tirando proveito de oportunidades que podem não estar disponíveis para ela em 2007. A empresa planeja tomar até o fim do ano um empréstimo sênior garantido de US$ 1,5 bilhão com prazo de sete anos.

A Ford também espera um grande efeito da mudança contábil. Falando ao Wall Street Journal por telefone, LeClair disse que ela vai “com toda probabilidade” também deixar a Ford com patrimônio líquido negativo. Num informe a autoridades, a montadora disse que a mudança vai reduzir seu patrimônio líquido em US$ 15 bilhões.

A Ford tem aproximadamente US$ 23 bilhões em caixa e espera encerrar o ano com cerca de US$ 20 bilhões — um número suplementado por US$ 3,4 bilhões tirados de um fundo que as empresas criam para pagar custos com planos de saúde de aposentados. Durante todo o ano de 2006, a Ford deve queimar US$ 8,4 bilhões em caixa.

— Neal E. Boudette colaborou neste artigo.

O fracasso do acordo da Nissan com a GM

outubro 6, 2006


As negociações entre a Nissan e a GM fracassaram, mas parece que os acionistas da Nissan gostaram. As ações subiram nos mercados japonês e norte-americano. Os investidores provavelmente acredita que a junção com a GM seriam ruim para a empresa japonesa.

O gráfico mostra o comportamento das ações da empresa.

Fonte: Seeking Alpha