Archive for the ‘IAS’ Category

SEC e Normas internacionais

novembro 16, 2007

Atualmente os Estados Unidos exigem das empresas que publicam demonstrações contábeis pelas normas do Iasb que façam uma conciliação com a normas norte-americanas. Notícia divulgada dia 15 de novembro informa a decisão da SEC de permitir que as empresas adotem as normas internacionais sem esta exigência (fonte: aqui).

Nesta mesma data o Iasb parabeniza a decisão da SEC e lembra que esta decisão acompanha decisões idênticas da Comunidade Européia, Austrália, Hong Kong, África do Sul, Canadá, Índia, Coréia, Japão e China. O Brasil também é citado no comunicado: “No Brasil empresas abertas terão que usar as IFRSs em 2010” (Clique aqui para ler o comunicado)

Anúncios

Não é mais Balanço Patrimonial

setembro 11, 2007

O Iasb anunciou no dia 6 de setembro a revisão da apresentação das demonstrações financeiras. Em outras palavras, a norma IAS 1 será modificada para, segundo o Iasb, melhorar a habilidade de análise e comparação da informação.

Entre as alterações, o Iasb informa da introdução da demonstração do comprehensive income. Além disto o Balanço Patrimonial mudará de nome para Demonstração da Posição Financeira. A norma terá efeito a partir de 1o de janeiro de 2009.

A Convergência seria possível?

setembro 6, 2007

Uma das vantagens das normas internacionais seria a possibilidade de comparar balanços de diversas empresas de diversos países. Mas será que o caminho adotado pelo Iasb torna isto possível? Esta é uma questão importante pois uma resposta negativa coloca em dúvida o esforço que está sendo realizado até o momento pelos órgãos nacionais encarregados de fazer esta convergência.

Um estudo da Moody´s sobre este assunto (Comparability of EU automakers hit by different accounting practices – Moody’s, AFX International Focus, 05/09/07) entre diferentes fabricantes de automóveis que adotaram as regras do International Financial Reporting Standards mostrou diferenças na contabilidade que pode afetar medidados como o EBITDA, o passivo e o valor das pensões.

Apesar da amostra ser reduzida, sete empresas somente (Bayerische Motoren Werke AG, DaimlerChrysler AG, Fiat SpA, Peugeot SA, Renault SA, Volkswagen AG e AB Volvo) e referente a somente um ano (2006) os resultados podem ser um alerta para os reguladores. Ou não?

IAS encoraja os ganhos de curto prazo

julho 24, 2007

Leia, a seguir, um artigo sobre o IAS do Valor Justo e os efeitos sobre o comportamento das empresas:

Standards that encourage short-term gain.
Por CHARLES PICTET
Financial Times – 23/07/2007, p. 6

The 2005 IAS 36 fair value accounting standards encourage listed companies to pursue takeovers for short-term gain – a tendency exacerbated by low financing costs – regardless of possible longer term consequences.

A listed company has three basic ways to pursue a growth or value-creation strategy.

First, a company may simply buy back its own stock to increase earnings per share. This can be done either with cash, borrowings or a combination of the two. Although earnings per share may increase (as long as the company’s return on equity is higher than its financing costs), this approach creates no real economic value. Its only purpose is to protect the company from takeover.

In the second, “traditional” method, a company expands through capital investment, which typically has a three to five-year pay-off. For the investor-entrepreneur, this presents uncertainty: it is difficult to assess the future value creation in advance, especially in new business fields, while the investment has to be amortised, which in the short term depresses profits and valuation multiples. Such organic growth is the classic long-term strategy of unlisted companies free from the pressures of quarterly earnings results.

The third, more straightforward, growth strategy is to acquire another company for cash or borrowings. The acquirer can achieve its objectives much more quickly and assess the return on its purchase more accurately.

The purchase price is generally higher than the shareholders’ equity on the balance sheet of the acquired company. This difference, called goodwill, is an intangible asset that reflects the company’s reputation, brand and client base. For the acquiring company, goodwill represents the additional cost of buying a business that is already productive.

Until the advent of IAS 36, the accounting and tax treatment was the same whether companies grew organically or expanded through acquisition. Companies growing organically had gradually to amortise their investments, while acquisitive companies had to amortise the recently purchased external goodwill. This approach considered goodwill as a wasting asset.

Writing off goodwill is not only transparent, but has the added virtue of limiting the acquisition price, because the amortisation requirement reduces the net profits of the acquiring company.

The new international accounting standards, known ironically as “fair value” accounting, have turned this notion on its head. Rightly, they recognise that goodwill should not necessarily be written off; a company’s reputation, brand value and client base may well have an enduring value. Thus, under the new rules, a company that takes over another no longer has to amortise the goodwill of the business it acquires.

But the acquirer can also include the goodwill on its balance sheet immediately. If the company it buys is already efficient and productive, the acquiring company will therefore increase its profits instantly, boosting the share price and benefiting the management and board of directors of the acquiring company, even if the goodwill ultimately has to be written down.

What is the “fair” value of goodwill? For market purists, the price paid is by definition fair value. But in the event of a hostile takeover, for example, the price paid for goodwill is often far too high. This is especially true if the predator is sitting on a lot of cash or if it can borrow at low interest rates (as today), which naturally leads to overpaying.

The result is that in today’s conditions of easy money, the recent change in international accounting standards has fuelled the mergers and acquisition boom, and given an acquiring company wide discretion in the statement of its profits, which in turn affects valuation multiples. The lure of short-term gain may be difficult to resist.

To be sure, since goodwill is held as an asset on the balance sheet, its value is subject to an annual “impairment” test under the new rules. Such impairment normally arises from a lower projected return on investment, either because the assets are deemed to have become less productive, or simply because of higher interest rates, which depress the internal rate of return. This is potentially very damaging, because such write-downs invariably come at the low point of the cycle.

Either way, IAS 36 allows companies that pay too much for acquisitions in a period of low interest rates the freedom to boost profits now and take the hit later, probably when they can least afford it. And, as the ancient wisdom has it: “If you don’t pay at the beginning, you pay at the end.” Investors would be well advised to heed this traditional advice.

Charles Pictet is a former managing partner of Pictet & Cie and a member of the Swiss Banking Commission

Normas internacionais para PME

junho 16, 2007

Los mayores expertos internacionales cargan contra la contabilidad española
Expansión – 16/06/2007 p. 31

Críticas de la federación mundial de auditores y contables

La norma con la que contarán las pymes se topa con obstáculos antes de tiempo. La IFAC, federación global de auditores, critica la adaptación de las reglas mundiales y alerta de los problemas que puede generar.

Los ya largos vaivenes del futuro plan contable para las pymes que quiere aprobar el Gobierno para dar a estas sociedades un trato más simple y diferenciado no han hecho más que empezar. A la densa negociación parlamentaria del PSOE para buscar apoyos, y las “lagunas” que denuncian los máximos analistas nacionales, se suman ahora las críticas de los mayores expertos internacionales.

La IFAC (International Federation of Accountants), principal institución mundial que agrupa a las organizaciones de contabilidad y auditoría, defiende, en contra del criterio de Solbes, la necesidad de que los gobiernos adopten -no que adapten con cambios- directamente en sus leyes propias las normas internacionales de contabilidad para pymes elaboradas por el IASB (International Accounting Standard Board). Este organismo global independiente -cuyo objetivo es desarrollar normas contables en todo el mundo- publicó a primeros de año las Normas Internacionales de Información Financiera para PYMES (NIIF-Pymes),

La IFAC considera, así, que “carece de sentido” desarrollar nueva normativa contable nacional, según pone de manifiesto en las conclusiones de la cumbre que acaba de celebrar en México -Contabilidad y Responsabilidad para el Crecimiento Económico Regional, organizada también por el Banco Mundial-, a la que ha tenido acceso EXPANSIÓN.

El organismo -que cuenta con 155 instituciones de 118 países- argumenta su tesis en los avances realizados en la convergencia contable para empresas medianas y pequeñas por parte del IASB. Y añade otro argumento de peso: la adaptación de las normas nacionales es muy costosa y no permite a las empresas “el gran beneficio de poder argumentar” que se han aplicado normas internacionales.

Aunar esfuerzos

De ahí que el presidente de IFAC, Fermín del Valle, apostara por aunar esfuerzos en vez de por dividirlos. Así, solicitó a los representantes del sector de la contabilidad y auditoría que aporten sus comentarios al NIIF-Pymes del IASB, que, a su juicio, está llamado a convertirse en la norma contable para las empresas que no cotizan en los mercados de capitales, que en el caso de España son la gran mayoría.

La crítica al plan que prepara el PSOE llega en un momento delicado. En España se acaba de adaptar la legislación mercantil y contable a la normativa europea y queda pendiente el desarrollo de la nueva ley a través del Plan General de Contabilidad. Cinco meses después de que el texto se viera en el Pleno de la Cámara, el PSOE estuvo buscando un acuerdo con los grupos parlamentarios, especialmente con aquellos que presentaron enmienda de totalidad, CiU y PP. Y una vez que ha logrado el acuerdo con la mayoría de los grupos, que se plasma en unas 40 enmiendas transaccionales, llegan las sugerencias inducidas por la autoridad contable, que también encontró el apoyo de expertos españoles. Es el caso del presidente del Instituto de Censores Jurados de Cuentas de España, Rafael Cámara, también presente en la Cumbre, donde defendió las ventajas de “contar con un lenguaje único y convergente en la contabilidad que deben aplicar las pymes españolas”, cada vez más relacionadas con el exterior, y se mostró convencido de la necesidad de dar pasos en firme en esa dirección. Es decir, en adoptar las normas internacionales más que adaptarlas.

La convergencia contable también es una máxima en Europa. Para Carlos Soria, vicepresidente del SARG, organismo que supervisa la emisión de normas de contabilidad de la Unión Europea, Bruselas también está poniendo un especial énfasis en seguir avanzamdo en la convergencia contable, lo que también puede augurar más problemas para el plan a la española.

“Carece de sentido” desarrollar una norma contable nacional para pymes, según el IFAC

La norma contable del IASB “está llamada a convertirse” en la norma global

É o IASB querendo seu lugar ao sol…

Liberdade Contábil

abril 26, 2007

La SEC proclama la libertad contable
Juan Llobell – 26/04/2007
Expansión

El órgano regulador propone que tanto las firmas foráneas, como las estadounidenses, puedan aplicar las normas internacionales.

La Comisión de Valores de Estados Unidos (SEC) parece decidida a hacer la vida más fácil a las empresas extranjeras que cotizan en Estados Unidos. O, lo que es lo mismo, quiere impedir que muchas de ellas plieguen -o piensen en plegar- velas. El órgano regulador bursátil dijo ayer que propondrá que las compañías internacionales puedan presentar sus estados financieros con las reglas de contabilidad internacional -conocidas como Ifrs o Niif-. Es decir, las firmas podrían ahorrarse el costoso y enrevesado proceso de verter la información financiera a las normas contables norteamericanas -denominadas Gaap-. Los europeos han solicitado insistentemente el fin de esta dualidad metodológica y 2009 es la fecha límite para eliminarla. Paralelamente, la SEC también sopesará la posibilidad de que las empresas estadounidenses puedan aplicar las reglas de contabilidad internacionales. De este modo, muchas multinacionales de la primera economía mundial podrían servirse de unos parámetros globales que utilizarían sus filiales regionales y que facilitarían las comparaciones más homogéneas.

La medida, curiosamente, se produce semanas después de que el órgano regulador anunciase que suavizará las reglas que impiden a las empresas foráneas retirarse del país si lo consideran oportuno. Ayer, British Airways dijo que dejará de cotizar en los mercados de capitales estadounidenses, aduciendo -como el resto de firmas que pretenden abandonar la superpotencia- la pesada losa de los costes. En la actualidad, las autoridades políticas y empresariales de Estados Unidos están tomando conciencia de la pérdida de competitividad del país por el asfixiante y oneroso corsé jurídico de la Ley Sarbanes-Oxley, aprobada en 2002 para poner coto a los escándalos de la era postEnron.

Pros y contras

A partir del verano, el órgano capitaneado por Christopher Cox solicitará opiniones para sopesar los pros y los contras de la propuesta y estudiar cuándo convendría que entrase en vigor. De eliminarse la regla de la armonización obligatoria, la contabilidad norteamericana -que está quedando al margen del proceso de convergencia mundial- podría encaminarse a su desaparición. En todo caso, Cox dice que eliminará “la obligación de homologación” en 2009, como está previsto en la hoja de ruta de la SEC esbozada en 2005, que busca la reciprocidad en el reconocimiento de la información financiera entre norteamericanos y europeos.

Las normas internacionales de contabilidad son obligatorias para los grupos cotizados en la Unión Europea desde 2005. El año 2009, sin embargo, queda demasiado lejos, sobre todo en un momento en el que Nueva York está perdiendo atractivo, en favor de otras plazas financieras como Londres o Hong Kong, menos costosas y mucho más profundas que en el pasado. El fin de la dualidad contable podría espolear las inversiones transatlánticas y devolver parte de la competitividad perdida a EEUU.

Recientemente, la SEC ha decidido que bastará con que menos de un 5% del volumen de negociación mundial se haga en territorio americano para que sea posible dejar de cotizar. Algunas compañías ya han anunciado su salida, entre ellas, Adecco y SGL. Hasta un 60% de las empresas europeas, entre ellas la escasa representación española, cumplen el nuevo requisito. No se espera, sin embargo, una huida masiva del tercio de 1.200 entidades foráneas registradas que cumplen con el criterio del 5%.

Los extranjeros se quejan del prohibitivo coste de cotizar en los parqués americanos, tras la irrupción de la polémica ley Sarbanes-Oxley. La norma, que buscaba frenar la histeria inversora tras los escándalos Enron y WorldCom, tiene en la sección 404 su punto más criticado. Ésta exige la evaluación del control interno financiero, que tiene que ser valorado, documentado y certificado por la dirección de la sociedad y auditado por el auditor de cuentas. El año pasado, las empresas norteamericanas gastaron cerca de 6.000 millones de dólares (4.417 millones de euros) en el cumplimiento de la Ley Sarbanes-Oxley. SGL, por ejemplo, dice que la aventura legal de cotizar le ha costado un desembolso adicional de 3 millones de euros.

La convergencia entre las normas del Consejo de Normas Internacionales de Contabilidad (Iasb) y las reglas norteamericanas es un proceso necesario para asegurar una mayor eficiencia económica y no confundir a los inversores, según los expertos. El resto de países industrializados y muchos en desarrollo -como Brasil, China o India- también han sabido ver las bondades de los estándares internacionales que ofrecen una mayor flexibilidad que los norteamericanos, al poner el acento en los principios generales y no en los detalles más minuciosos.

La SEC proclama la libertad contable (4233279) | Página p14

Contabilidade internacional

janeiro 11, 2007

Do Financial Times (10/01)

Os padrões IFRS [do Iasb] agora governam 1/3 da capitalização do mercado mundial. Países com mais 1/5, incluindo China e Índia, planejam mover para o IFRS ou já usam uma forma local de IFRS.

Em 2007, o chairman do Iasb, Sir David Tweedie, está priorizando o santo graal da convergência com o US GAAP. Críticos estão preocupados que isso possa significar uma reversão a média para o tipo de padrão norte-americano, com sua cultura orientada para o lítigio com regras prescritivas sobre os princípios.

Isso é justo? O Iasb está indo na direção errada em alguns caso – por exemplo, ao favorecer o estilo norte-americano de capitalização das despesas financeiras. Numa visão geral é mais positivo.

China adota o Iasb

janeiro 11, 2007

Do Jornal Expansión

Las firmas del país asiático elaborarán desde este año los informes financieros con las normas mundiales.

El aumento de la inversión en China ha aumentado la necesidad de crear un sistema contable fiable y transparente para las empresas extranjeras que se instalan en el país.

Las nuevas normas contables chinas, publicadas en febrero de 2006 y que están en vigor para las empresas cotizadas desde el pasado 1 de enero, han adoptado principios y tratamientos homólogos a los empleados por las normas internacionales de información financiera (Niif), lo que supone un gran avance para el inicio de la homogeneización contable en todo el mundo. Al mismo tiempo, es un primer paso para la aplicación de las Normas Internacionales de Auditoría (ISA) en esa región. “Se está fomentando que el resto de entidades también adopten las nuevas normas y, de no ser así, que cumplen con los principios ya existentes”, explican desde KPMG en China. Además, “se espera que la aplicación de las nuevas normas contables se extienda gradualmente a las grandes y medianas empresas, en función del resultado que se obtenga tras la implantación en las sociedades cotizadas”, añaden.

Nuevos estándares

El Gobierno chino ha redactado 38 nuevos estándares compatibles con las Niif.

Según la filial de la firma de auditoría Ernst & Young en China, “la aplicación de estos principios supone que los inversores y usuarios de la información financiera entenderán mejor los informes de las compañías chinas, además de reducir el coste de la preparación de la información”. Sin embargo, según KPMG, “los costes continúan siendo una importante preocupación a la hora de contratar una firma internacional, ya que existe una gran brecha entre los honorarios aplicados por las empresas nacionales y los de las extranjeras”.

El proceso de aplicación de las Niif incluye la formación no sólo de los directivos de las empresas, sino de los auditores y contables del país. Las grandes firmas de auditoría no pueden quedarse atrás. “El desafío al que nos enfrentamos como auditores es poder garantizar que se realizan los ajustes adecuados, lo que resulta difícil, ya que la dirección de la empresa no tiene conocimientos suficientes”, explican fuentes de KPMG.

Dominios de las grandes

Las Cuatro Grandes son las auditoras de las principales compañías del país. PricewaterhouseCoopers (PwC), que se hizo con la firma china de Andersen, tras su desaparición a raíz del caso Enron, audita el 32% de las 500 principales empresas, mientras que KPMG y Deloitte -que en 2005 se fusionó con la auditora Beijing Pan-China- se reparten las cuentas de los principales operadores de telefonía, entre otras compañías.

El control del Gobierno sobre los revisores

La Constitución de la República Popular China de 1949 supuso la estatalización de todas las empresas del país, por lo que las normas y reglamentos contables eran empleados como instrumento financiero para salvaguardar las propiedades del Estado. El Colegio Profesional de Auditores de China (Cicpa) es el único órgano autorizado para la formación y la concesión de licencias a los revisores. Según fuentes de KPMG, las firmas contables extranjeras que quieren ejercer sus funciones en China pueden hacerlo a través de negocios conjuntos con un socio local. En 2005, 18 empresas contables nacionales perdieron su licencias por comportamiento ilícito y 60 fueron sancionadas con multas y con la obligación de acometer reformas. No obstante, otras 68 firmas fueron autorizadas a lo largo de 2006. Actualmente, “la Oficina Nacional de Auditoría se está centrando más en el control interno y en el gobierno de las empresas contables”, señalan en KPMG.

Quando será a vez do Brasil?

Bancos com lucro

dezembro 19, 2006


Uma entrevista do jornal português Diario Economico (18/12/2006) sobre lucros, bancos e contabilidade.

“Estamos a dar a ideia de que ter lucros é mau”
Sílvia de Oliveira
Diário Económico

João Salgueiro, em entrevista, afirma que os clientes pouco ganham com as medidas para a banca.

A banca tem sido acusada pelo Governo e associações de consumidores do pagamento de poucos impostos, práticas lesivas e falta de transparência.

O Governo, pela voz do primeiro-ministro, referiu, que não se tratava de nenhum ataque à banca.

Se não foi, pareceu.

Realmente pareceu. Os portugueses são capazes de ter tirado três conclusões erradas: que a banca tem um sistema fiscal especial; que paga poucos impostos e que há pouca transparência.

E as práticas são lesivas?

Se este sector tem, é difícil encontrar um que não tenha. Primeiro, não há nenhum regime fiscal especial. A banca tem questões em que os impostos são agravados. Não deduz inteiramente o IVA, tem uma contribuição anormal para a Segurança Social, através do CAFEB e é o inteiro responsável pelas despesas de saúde e de Segurança Social dos trabalhadores e famílias e dos reformados. A carga fiscal é pior. Em segundo lugar, dizem que a banca paga pouco. Só vi mostrarem que a taxa efectiva na banca é inferior à nominal, o que normalmente é a regra. E depois, apresentaram meia dúzia de sectores com taxas equivalentes. Mas isso não diz nada. Há que analisar com coisas comparáveis. Se se comparar com os bancos estrangeiros, a nossa taxa de rentabilidade e os valores absolutos não sugerem que estejamos a ter lucros anormais.

Mas há bancos que têm uma taxa efectiva de IRC abaixo dos 10″.

As autoridades têm elementos suficientes para saber se os impostos que estão a ser pagos são os devidos. E são.

Mas os bancos aproveitam a lei para pagar menos impostos?

A optimização é uma obrigação. E não se pode comparar com os lucros declarados, mas sim com os lucros tributáveis.

Os resultados divulgados não têm correspondência com os lucros tributáveis?

Em alguns casos, não. Por duas razões: há rendimentos que já vêm tributados, como os de subsidiárias, ou filiais no estrangeiro; e porque, até agora, grande parte das contribuições para os fundos de pensões, ia directamente do balanço e não passava pela conta de resultados. Mas isso é um custo. Portanto, quando somávamos aos custos contidos no balanço os custos que estavam directamente registados no balanço, a taxa tinha que ser inferior. De qualquer maneira, a relação entre lucro tributável e lucro declarado vai ser mais uniformizada. Com as novas regras de contabilidade (IAS/IFRS), todos os custos são logo contidos nos resultados anuais. A taxa efectiva vai subir já este ano.

Por força das IAS?

Sim. Não sei se as IAS são melhores, se piores. Facto é que os lucros tributáveis vão aproximar-se dos lucros declarados. Um banco teve lucros em Portugal e prejuízos nos EUA, com regras contabilísticas igualmente sãs.

Fala do BCP.

Se isso aconteceu, não há nada que espantar que em Portugal, uma taxa seja alta ou baixa.

O Governo diz é que a banca paga poucos impostos.

Nunca ouvi dizer isso.

Disse mais: havia que pôr a banca a pagar mais.

O que é que isso quer dizer? A banca não tem um regime especial, está em linha com as outras empresas cotadas e não está acima dos bancos estrangeiros.

Há bancos com taxas efectivas de cerca de 8″.

Com certeza que há uma razão para isso, porque senão o banco teria sido obrigado a pagar.

As acusações não são de violação da lei.

O que não pode ser dito da maior parte dos sectores.

O que o Governo critica é que a taxa efectiva seja muito abaixo.

Calculada como? O Fisco pode aceder a uma série de dados. A divulgação de dados não comparáveis não é positiva. Os principais bancos enviaram, nos últimos 16 meses, todos os elementos que o Fisco pediu. A ideia era ver se a maneira como se interpretava a lei era a mesma.

E era?

Não foi dito nada. Concluímos que se fossem necessários mais elementos, ou se houvesse discrepâncias nos teria sido comunicado e não foi.

Na sua opinião, a banca paga os impostos justos?

Quem tem que ter opinião é a Direcção-Geral de Impostos. Ao avolumar a questão, não se está a prestar um bom serviço ao país.

Quais são as consequências?

Este é um dos sectores em que todos estamos de acordo que é moderno, bem gerido e que está ao nível europeu. Se um sector que vive uma forte concorrência, consegue ter lucros, isso deveria ser dado como exemplo e não o contrário. Estamos a dar a ideia de que ter lucros é mau. Dá-se uma ideia errada, de que não se deve ter lucros, o que é uma ideia que faz o país andar para trás. E não melhora a imagem da banca.

A imagem foi afectada?

Acho que não. Os bancos têm um bom ‘rating’.

E junto dos clientes?

Esse problema é mais complicado. O Governo tem seguido uma regra de conflitualidade, o que não ajuda o país. Quando se lança suspeitas sobre várias camadas da população portuguesa.

Nomeadamente, sobre a banca.

E não só. Parte dos conflitos não tem justificação.

Vê qualquer outro objectivo?

Pode ser sincero. Mas também pode ser um estilo de gerir a agenda pública.

Mas voltando à imagem da banca. Foi afectada?

Não tenho nenhum dado de alteração de comportamentos. Por exemplo, o tema dos arredondamentos foi apresentado erradamente. O dinheiro tem um custo e os arredondamentos são, apenas, uma parte da fixação do preço ao cliente. Se os clientes optavam por determinada prática é porque entendiam que era a melhor proposta. Pode-se dizer que os clientes portugueses são tão estúpidos, que optam pela pior prática? Não.

O cliente irá sempre suportar o facto de ter direito a um arredondamento mais favorável, à milésima?

A banca é o intermediário entre o dinheiro que compra e o que vende. Não pode perder dinheiro. A menos que o Estado queira subsidiar a banca, o que não me passa pela cabeça.

Os custos do crédito manter-se-ão?

Não conheço as propostas dos bancos .

A relação cliente/banco é analisada em “pacote”.

O que posso garantir é que o custo do dinheiro não baixou por isso. E os bancos não podem vender abaixo do custo.

Um arredondamento à milésima, traduz-se num ‘spread’ mais alto, em mais comissões.

Ou na prestação de mais garantias.

Afinal as novas regras dos arredondamentos acabam por ser neutras para o cliente.

A táctica do Governo só tem a vantagem de passar a existir maior igualdade de condições.

E os ‘spreads’ já começaram a subir, por força da prática do arredondamento à milésima?

Vão subir um bocadinho, necessariamente. Ou os ‘spreads’ aumentam, ou o prazo tem que ser mais curto, ou as garantias maiores. Os bancos não vão trabalhar com prejuízos.

Afinal o consumidor ganhou alguma coisa?

Tem menos trabalho ao comparar condições. Haverá casos em que o crédito ficou mais caro e outros em que terá ficado igual. Os clientes piores têm preços mais caros. As autoridades sabiam do problema e se não legislaram foi porque não quiseram. Não podem é dizer que a culpa é da banca.

Os bancos foram utilizados politicamente?

Não sei se foi consciente. Pode ter sido para mostrar que não estavam só a sair medidas que penalizavam os mais desfavorecidos.

Outra alteração recente foi a da data-valor dos cheques. Com as novas regras, os bancos têm que disponibilizar o dinheiro num dia.

Há situações em que esse um dia não é realista, como os cheques vindos do estrangeiro.

Dificulta o combate ao branqueamento ? [??]

Não será possível controlar a qualidade daquele dinheiro.

Os bancos poderão cumprir todos os requisitos?

Provavelmente não. Num caso ou noutro, poderá fazer-se um contacto directo. Não se pode assegurar que em todos os casos seja cumprida a lei que obriga a certos controlos.

O Governo insiste no combate ao crime económico, surge a “Operação Furacão”. Esta lei pode prejudicar esta política?

Não digo que possa prejudicar, mas não permite um controlo total. Tudo tem um ‘trade off’. O Governo quis dar maior importância à disponibilização dos meios do que ao controlo da sua origem.

A banca alertou para os riscos das novas regras?

Sim. Estando em preparação uma directiva sobre os meios de pagamento para o final do ano, teria sido razoável que a nossa alteração se fizesse como transposição da directiva. Corremos o risco de ter que alterar a lei.

Mas concorda que cinco dias para compensar um cheque também era muito?

Era a prática tradicional. Outra coisa que se falou foi a dos 360/365 dias na contagem de juros dos créditos e depósitos. Também são normas do comércio desde o século XIX. Não é uma invenção da banca.

A evolução, por vezes, exige-se.

As coisas devem evoluir. O que é mau é fazer uma descoberta e dizer que a banca introduziu práticas pouco legais.

Mas essa diferença é desfavorável para os clientes.

Quando se dá por um lado tira-se por outro. Os custos são claros.

Resumindo, os clientes não beneficiarão de nenhuma destas alterações?

Sou partidário de práticas mais uniformes e mais transparentes. Acho bem que se caminhe nesse sentido, mas não atribuindo culpas. Mas o dinheiro não é dos bancos. Os clientes ganham apenas no facto de verem facilitadas as comparações. Agora a ideia do coitadinho do cliente que não sabe interpretar as condições… As pessoas não são estúpidas. Não há ninguém, a não ser que esteja distraído, que não peça propostas a três ou quatro bancos quando faz um empréstimo a longo prazo. O que existe agora é menos variáveis na negociação. Não é uma mudança de moral, mas de regulamentos.

O Governo anunciou ainda, no âmbito do OE, uma série de medidas que atingem a banca…

Não vi nada especificamente para a banca. As reacções vieram dos advogados e consultores.

Obrigatoriedade de informar as operações de planeamento fiscal, inspecção tributária obrigatória a todas as operações de transmissão de prejuízos fiscais superiores a um milhão de euros relativas a operações de reestruturação societária.

Essas operações já têm que ser autorizadas. As outras [planeamento] não sei o que são. Só quando vir o projecto de decreto-lei.

Afectam a banca?

Não sei o que vai ser legislado. Mas é bizarro porque, actualmente, todos os bancos são objecto de fiscalização da Direcção-Geral de Impostos. É preciso mais do que isto?

O Governo analisa a descriminalização total dos cheques e o fim do pagamento obrigatório até 150 euros. Qual a sua opinião?

A lei actual não é a melhor. Encoraja o uso o cheque, ao contrário do que se está a passar na Europa. O cheque é um meio de pagamento à distância e foi criado quando não havia meios electrónicos. Hoje, é mais seguro o cartão de débito, mesmo para os comerciantes. E aumenta a conflitualidade. O cheque é uma ordem de pagamento sobre uma conta. Se não há provisão, não há pagamento. Quando se cria a obrigatoriedade de pagamento, está a dizer-se que o detentor do papel tem direito de conceder crédito a si próprio. Isto acaba em tribunal, de uma maneira ou der outra.

Qual é a solução desejável?

Acabar com a obrigatoriedade do pagamento até 150 euros, o que fará com que os comerciantes sejam mais prudentes na aceitação de cheques A descriminalização tem a ver com a ordem jurídica e não com os bancos. Para os bancos tanto faz.

O Multibanco implica um investimento dos bancos. Os clientes devem pagar pelo serviço?

Esse é um problema comercial. Não sou partidário de que se esteja a regular tudo. Os bancos devem ter liberdade de cobrar ou não. Em Espanha, é geral a cobrança de comissões ao cliente fora da rede do seu banco.

É justa a gratuitidade do sistema?

É uma despesa e quem a paga é o conjunto dos clientes. Os bancos não vivem de subsídios.

Concorda com a regra do utilizador-pagador?

Admito que alguns bancos fizessem como se fez em Espanha. O tratamento dado a uma pessoa que faz três ou quatro operações por mês não deveria ser o mesmo de uma pessoa que faz uma série de operações por dia. Este traduz-se num custo grande que os outros clientes também estão a pagar. Talvez fosse positiva a introdução de uma taxa moderadora, como existe na Saúde. Mas não sei se faz parte da estratégia de algum banco.

Os bancos estão preparados para Basileia II?

É tradição anteciparmos as mudanças com sucesso. A única novidade séria é na avaliação dos riscos.

Os grandes bancos apontam para a utilização de modelos avançados.

Porque existe a convicção de que estes modelos permitirão economizar capital.

Quais as estimativas de poupanças de capital?

Não tenho dados. Nem sei se os bancos já têm esses dados porque os modelos têm que ser validados pelo Banco de Portugal, o que ainda não foi feito.

Os bancos também poderão ajustar a política comercial. Os ‘spreads’ vão baixar para os segmentos de menor risco, como o crédito à habitação?

Sim, não muito porque já temos vindo a reduzir. Mas é possível algum ajuste porque o capital necessário será menor.

E em relação às PME?

Se não tiverem feito um trabalho de transparência e profissionalismo vão ver agravados os seus custos.

Com consequências para a economia portuguesa, cujo tecido empresarial é dominado por PME.

É um desafio mais exigente.

As PME têm noção desta consequência?

Ainda não acreditaram que vai ser assim.

Qual será o impacto na economia?

Isto deveria ser um estímulo para as PME tentarem ter ‘rating’. Seria bom que os portugueses que, normalmente, só reagem à última da hora, fizessem uma análise para ver o que têm que melhorar nas suas práticas para não verem agravado o custo do capital alheio. É que os bancos não têm a liberdade para não praticar Basileia II.

Considera as novas regras positivas?

Tem aspectos positivos. Mas nas IAS, por exemplo, vi aspectos muito negativos.

Quais?

É pro-cíclica, por causa das imparidades. O sistema de provisões era muito melhor. O regulador era muito prudente e obrigava a constituir provisões que nas épocas de crise se mostravam necessárias. As imparidades, nas épocas boas, não obrigam a criar provisões nenhumas e o Fisco também não considera isso como custo. Isso quer dizer que nas épocas boas os bancos se descapitalizam e nas épocas más não têm recursos para fazer face aos imprevistos. Vão ter que agravar os custos, entrar em incumprimentos e podem até vir a ter prejuízos em muitos anos. Somos o único país europeu que não teve um grande banco com problemas de falência. Porque o regulador foi muito prudente e obrigou a reestruturações muito profundas. As regras eram tão restritas que alguns bancos desapareceram.

E Basileia II?

É positivo na medida em que contribui para afinar os critérios de risco, mas a diferenciação no preço do dinheiro é capaz de ter ido para um mundo ideal que não corresponde à realidade.

Porquê?

Porque valia mais encorajar o crédito às empresas do que o crédito a habitação. O risco sobrevalorizou tudo o resto. A banca podia ter outro papel.

Têm sido as IAS que têm permitido aos bancos apresentar crescimentos recorde dos lucros?

Sim e não foi só cá. Estes crescimentos não têm que ver com a conta de exploração.

Este ritmo não é sustentável?

Claro que não é. Os lucros justificam-se com a alteração das regras.

As IAS tornaram o sector mais vulnerável?

Menos seguro. Acabou-se com a provisão para riscos gerais de crédito, que era uma garantia importante. Aumentaram-se as provisões específicas e reduziram-se os prazos de incumprimento. Os resultados de 2005 e 2006 não são comparáveis, pelo que as taxas de crescimento não fazem sentido.

E a estratégia?

A inexistência de uma estratégia para o sector financeiro seria uma erro crasso, segundo João Sal gueiro. “As consequências serão muito sérias”, disse o presidente da APB, cons tatando as diferenças entre Espanha e Portugal neste ‘dossier’. “Não sabemos qual é [a estratégia do Governo]. Sei, por exemplo, que as caixas em Espanha não podem comprar bancos. Em Portugal podem ou não? As OPA hostis devem ser aceitáveis ou não no sector financeiro? Em Espanha não são”, disse o economista. Salgueiro relembra que a compra de bancos espanhóis por estrangeiros, na prática, só se faz se as autoridades espanholas o quiserem. “A estratégia espanhola é a de fazer grandes empresas mundiais a partir de Espa nha”, adiantou o presidente da APB. Por oposição, existe, na sua opinião, a sensação de que, em Portugal, “se pratica a opção contrária: condenar os lucros, des confiar das empresas, criar problemas”. Questionado sobre se a CGD deveria ou não assumir o papel de braço do Estado na con cretização de uma estratégia para o sector, João Salgueiro limitou-se a relembrar a sua experiência enquanto antigo presidente do banco público. “Quando aceitei a presidência da CGD, foi com base numa estratégia aprovada pelo ministro das Finanças e publicada em Diário da República. Como a assembleia geral da CGD não é pública entendi desejável ver a estratégia publicada”, explicou.

O presidente da APB recusou comentar a OPA lançada pelo BCP sobre o BPI, limitando-se a constatar que em Portugal o nível de concentração no sector está de acordo com a média comunitária.

Portugal patológico

Portugal é um “caso patológico” na Europa. Na opinião de João Salgueiro, a economia portuguesa está numa situação muito complicada, da qual os portugueses ainda não tomaram inteira consciência. “Estamos a divergir há quatro anos, já nos dizem que vamos divergir mais dois. É um caso patológico na Europa. Tínhamos atenuantes porque estávamos associados à França e à Alemanha, agora somos o único caso. A partir de Janeiro de 2008, quando acabar a presidência portuguesa, qualquer incumprimento nosso vai para a primeira página da Comissão”, alertou o economista. O presidente

da APB considera ainda que o país tem estado muito polarizado “por uma estratégia de conflitualidade” e que tem vivido muito do pro tago nismo do Governo”. Sobre José Sócrates, o economista sublinha as suas qualidades de líder, mas alerta para os riscos de “um excessivo protagonismo do Governo”, que só acentua uma cultura de dependência. Segundo João Salgueiro, o país é que será o motor da mudança: “Precisamos é de regras de aplicação geral, claras e estáveis”, diz. Isto porque, adianta o mesmo respon sá vel, “Todos os milagres eco nómicos que houve no Mun do resultaram de alterações importantes no compor ta mento dos agentes econó micos”. Na sua opinião, o equilíbrio das contas pú bli cas é indispensável, mas não é o mais importante. “Crucial é criar condições de com pe titividade. E não é só na ques tão da fiscalidade que estamos a perder compe titi vidade”, defendeu.

Perfil: João Salgueiro

O presidente da Associação de Bancos Portugueses foi o fundador da Associação para o Desenvolvimento Económico e Social (SEDES). Nascido em Braga, em Setembro de 1934, licenciou-se em Economia pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras, tendo completado pós-graduações na Holanda e em Stanford, na Califórnia. Ocupou os cargos de subsecretário de Estado do Planeamento, entre 1969 e 1971, e de ministro de Estado, das Finanças e do Plano, no VIII Governo Constitucional, entre 1981 e 1983. João Salgueiro foi, ainda, economista do Banco de Fomento, director do Departamento Central de Planeamento, vice-governador do Banco de Portugal, presidente do Banco de Fomento e da Caixa Geral de Depósitos.

Normas internacionais em Português

outubro 10, 2006

Acabo de receber do professor Uverlan (do Ceará) uma versão das normas internacionais do IASB em português, de Portugal.

Grato.