Archive for the ‘índia’ Category

Carros baratos na Índia

dezembro 29, 2006


Índia lidera onda dos carros baratos
Valor Econômico

A idéia não é nova. Fabricar carros com custos baixos teve um grande papel no avanço econômico da Europa durante a década de 1960 – e criou modelos clássicos, como o Mini. Agora, uma nova geração de automóveis de custos ultra-baixos poderá ter um impacto igualmente dramático na Ásia.

Durante anos, especialistas do setor acreditaram que esses veículos surgiriam primeiro na China, que já é o terceiro maior mercado automobilístico do mundo e fonte de tudo que tenha custos baixos.

Mesmo assim, as atenções agora mudaram para a Índia, um país com estradas terríveis e um décimo dos investimentos internos na produção industrial.

No começo do mês o governo de West Bengal aprovou a construção de uma nova fábrica em Singur, perto de Calcutá. Em menos de 18 meses, se tudo correr bem, os primeiros modelos de um novo carro de custos baixos deixarão a linha de produção. A empresa que está por trás do projeto, a Tata Motors – parte do grupo Tata, que está brigando com a CSN (grupo siderúrgico) do Brasil pelo controle da Corus, siderúrgica anglo-holandesa – está no ramo automobilístico há menos de uma década. Mas o grupo Tata é respeitado na Índia por sua capacidade de superar obstáculos aparentemente impossíveis, além de possuir recursos financeiros formidáveis. As expectativas são tão grandes, que outros estados indianos estão tentando atrair futuras fábricas e as montadoras mundiais estão fazendo fila para colaborar com a empreitada.

Os primeiros testes do novo carro aconteceram no mês passado em uma pista de testes de Pune, perto de Mumbai. Ele não é uma versão menor de um modelo já existente e sim um projeto totalmente novo. Com um motor traseiro de 30bhp, espaço para quatro pessoas e modelos opcionais de quatro e cinco portas, ele é um “carro bonito e confortável de dirigir”, segundo Ravi Kant, presidente da Tata Motors. O mais ambicioso de tudo é o preço. O modelo está sendo conhecido como carro “one lakh” – de um lakh, que corresponde a 100.000 rúpias, equivalentes a cerca de US$ 2.100 quando o modelo foi concebido, quatro anos atrás. Os custos materiais aumentaram desde então, mas a Tata ainda pretende vendê-lo a menos de US$ 3.000 antes dos impostos.

Isso representa mais ou menos a metade do valor do automóvel mais barato disponível hoje, o Renault Logan, fabricado na Romênia. Isso é possível?

Executivos da Tata apontam para o Ace, uma caminhonete lançada no ano passado ao preço de 1,1 lakh, ou cerca de US$ 2.500 antes dos impostos. As vendas se restringiram a três estados indianos durante meses. Mas a capacidade de produção está sendo aumentada em mais de oito vezes. A Ace não é só popular, mas também lucrativa: apesar da alta dos custos das matérias-primas e da escala limitada, ele recuperou seus custos de desenvolvimento em um ano.

A maior concorrente local da Tata, a Maruti, duvida que o carro “one-lakh” consiga atender as exigências de segurança e emissões de gases poluentes. E é justamente por isso que a Ace não está sendo exportada para os países desenvolvidos. Embora ela emita uma quantidade muito pequena de dióxido de carbono, por causa de seu motor muito pequeno, atender os padrões de emissões de gases poluentes e segurança contra acidentes seria muito mais difícil e tornaria a Ace muito mais cara. As mortes em acidentes rodoviários e a qualidade do ar são preocupações cada vez maiores na Índia.

Mesmo assim, a Tata Motors está prosseguindo com seu carro one-lakh e outras montadoras poderão fazer o mesmo. A Bajaj, uma companhia conhecida por seus veículos de duas e três rodas, está estudando a possibilidade de fabricar um carro de baixos custos que usaria um motor de motocicleta. A família Munjal, que está por trás da Hero Honda, uma fabricante local de motocicletas, também está estudando a possibilidade de produzir automóveis baratos. E no Paquistão, a Transmission Motor Company, com sede em Karachi, já vende uma série de veículos de quatro rodas bem básicos por até US$ 2.200, e já o exporta para países como o Sudão, Qatar e Chile.