Archive for the ‘juros’ Category

O BO dos Bancos

dezembro 10, 2007

Quando você compra um remédio numa farmácia, se o vendedor consegue “empurrar” certos tipos de medicamentos para o cliente ele ganha uma comissão conhecida como BO, ou Bônus, mas também conhecida como Bolso de Otário. Esta comissão chega a 20% do valor da venda. Assim, uma Novalgina, um remédio da Hoechst, não gera uma comissão bonificada, mas uma dipirona de um fabricante menos conhecido pode gerar 20% de BO.

Agora o Estadão informa que este BO chegou nas concessionárias de automóveis. É o o BO do carro. Veja a reportagem:

Bancos pagam bônus para lojista vender no crediário
O Estado de São Paulo – 9/12/2007

Bancos e financeiras pagam comissões e prêmios aos concessionários e vendedores para garantir gorda carteira de clientes. Lojistas recebem de 6% a 20% sobre o valor financiado por carro, operação conhecida como Retorno Financeiro ou simplesmente R seguido do porcentual a ser pago, como R6.

De olho no ganho extra com o crediário, lojistas treinam funcionários para convencer clientes a comprar a prazo. Para compra à vista é dada pouca vantagem. A prática não é nova nem restrita ao segmento, mas se alastra num momento em que o País tem venda recorde de 2,8 milhões de veículos. O bônus não é ilegal – se registrado na contabilidade dos envolvidos -, mas facilita ações predatórias de instituições e lojas que empurram planos que amarram o cliente por longo prazo, além do repasse de despesas para os consumidores.

Outra prática é a cobrança da Tarifa de Abertura de Crédito (TAC), nem sempre divulgada ao comprador, cujos valores variam de R$ 200 a R$ 900. Nas medidas anunciadas quinta-feira pelo Banco Central foi incluída a obrigatoriedade de os bancos informarem a cobrança, sem valor máximo para a taxa.

“Tem vendedor que abusa e chega a cobrar duas TAC, uma embutida nas prestações e outra à vista”, conta o vendedor de uma grande concessionária de São Paulo. “A comissão pela venda de um carro hoje é baixa, por causa da concorrência, por isso os lojistas buscam a diferença na TAC ou no R”, diz ele, no ramo há 15 anos. “Hoje, em muitas revendas, quem paga o salário do vendedor é o banco.”

Segundo o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos (Fenabrave), Sérgio Reze, juros, TAC e Retorno dependem de negociações entre bancos e concessionárias, levando em conta o risco do crédito. “É da natureza do sistema financeiro num regime livre.” O Procon reconhece o Retorno como “relação comercial”, mas admite que há abusos quando o consumidor não é informado de taxas e não recebe cópia do contrato.

Anúncios

A sedução do mercado brasileiro

outubro 26, 2007

Uma reportagem na The Economist de ontem (The view from cloud nine, 25/10/2007) tenta explicar a razão pela qual o Brasil parece um mercado emergente interessante. O texto destaca a redução da taxa de juros, a melhoria na governança e as finanças públicas (incluindo os preços dos commodities). Para a revista, a onda de IPO foi boa para a governança. O texto completo encontra-se aqui

A questão da captação de recursos

agosto 30, 2007

A empresas brasileiras já estão sentido o efeito da crise do crédito. Algumas adiaram a captação (Usiminas, por exemplo), outras buscaram novas fontes (Gerdau). Isto terá impacto futuro nas despesas financeiras, na competitividade futura, na rentabilidade etc.

Empresas brasileiras de primeira linha já são hoje obrigadas a pagar quase 50% a mais em prêmios de risco pelo crédito externo, como parte do impacto do estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos. Muitas companhias, como a Usiminas, adiam transações que seriam realizadas para investimentos. Outras empresas e fundos, como a Gerdau e o GP Investments, no entanto, foram pegos pela crise bem no meio de processos de aquisição e são forçados a aceitar condições menos favoráveis nos empréstimos, de US$ 4,2 bilhões e US$ 880 milhões, respectivamente.

Empréstimo externo mais caro – Valor Econômico – 30/08/2007

Prazo é mais importante que juros

março 27, 2007

Reportagem da Folha de São Paulo (27/03/2007, Para consumidor, prazo importa mais do que juros, de Fátima Fernandes) informa que o prazo é a variável mais relevante numa compra a prazo, segundo a Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) e a ACSP (Associação Comercial de São Paulo).

“Não é à toa que o consumidor sempre pergunta para o lojista em quantas vezes ele pode pagar o produto, não qual é a taxa de juros. Ele quer saber se a prestação cabe no orçamento do mês”, diz Miguel de Oliveira, vice-presidente da Anefac.

(…) Em dezembro do ano passado, o prazo médio de financiamento de bens no país era de 18 meses, e o máximo, de 36 meses, segundo levantamento da Anefac. Em 2005, o prazo médio era de 16 meses, e, o máximo, de 36 meses. Em 2004, esses prazos eram de 12 meses e 24 meses, respectivamente.

Juros cai e não cai

dezembro 23, 2006


A questão do juros no Brasil prossegue:

Segundo a Folha de ontem (Juro cai, mas banco eleva ganho com crédito)

De 11 modalidades de empréstimo para empresas e pessoas físicas, em 7 houve aumento do “spread” em novembro, aponta BC

Instituições culpam carga tributária, compulsório e inadimplência pela alta diferença entre a taxa que pagam e a que cobram

Por outro lado…

A mesma Folha de S. Paulo informa a mudança na conta salário (Após pressão, governo muda conta salário, SHEILA D’AMORIM E LEANDRA PERES, 22/12/2006)

Pressionado por bancos e governadores, a equipe econômica desidratou a principal medida destinada a aumentar a concorrência bancária e reduzir os juros aos consumidores.

Anunciada na campanha eleitoral, a nova conta salário -instrumento que permitirá ao trabalhador transferir de forma automática e sem custo seus rendimentos para o banco de sua preferência- será implementada entre abril de 2007 e 2012. A previsão inicial era que entrasse em vigor em janeiro.

Foram tantas as exceções criadas que nem o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, nem o ministro Guido Mantega (Fazenda) souberam dizer quantos trabalhadores serão beneficiados no primeiro momento e qual o impacto para a economia.

Spread Bancário

novembro 10, 2006

A taxa de juros está caindo mas o lucro dos bancos continua aumentando. Uma possível explicação é o spread bancário. Reportagem da Folha do dia 06/11 mostra o spread brasileiro está acima de 10%, muito acima da Argentina (1,4%) e mesmo da Venezuela (10,6%). Com diz a sabedoria, o melhor negócio no Brasil é ser dono de um banco; o segundo melhor negócio no Brasil é ser dono de um banco mal administrado. Clique aqui para ler.

Já reportagem do Estado de S. Paulo informa que nosso spread é 19% para 6%. Os números são diferentes, mas a realidade é a mesma: o spread nosso é elevado. Clique aqui para ler.

Uma reportagem do Valor Econômico, do dia 06 de novembro, destaca que pela primeira vez um banco brasileiro informou o efeito da queda da taxa de juros sobre o seu resultado. Segundo o Itaú, cada redução da taxa de juros reduz R$268 milhões da sua receita (mas não lucro):

Bancos apostam no crédito imobiliário

Maria Christina Carvalho
Toda vez que o juro básico cai os analistas perguntam se os bancos vão manter os lucros cintilantes no futuro, à medida que a queda da taxa avançar. Pela primeira vez um banco divulgou exatamente quanto perde com a queda dos juros. Em teleconferência com analistas, na semana passada, o Banco Itaú informou que sua receita consolidada diminui em R$ 268 milhões a cada queda de um ponto da taxa básica de juros. Desde setembro do ano passado, a taxa básica já caiu seis pontos, o que significa uma perda ao redor de R$ 1,6 bilhão para o Itaú. Mas, os lucros do banco não param de subir. Nos doze meses acumulados desde então, o Itaú teve um lucro líquido de R$ 5,847 bilhões, 40% superior aos R$ 4,171 bilhões ganhos nos doze meses anteriores, terminados em setembro de 2005.

O vice-presidente Alfredo Setubal afirmou que o banco pode compensar a perda de receita com o aumento do volume de crédito, oferta de mais serviços aos clientes e forte atuação nos custos. Nos doze meses terminados em setembro, o Itaú ampliou em 28,5% a carteira de crédito, para R$ 79,2 bilhões, sem contar as operações do BankBoston, incorporadas no terceiro trimestre. Somente o crédito para pessoas físicas saltou 41,6%, puxado pelo financiamento de veículos, que deu uma arrancada de 66,7% para R$ 15,766 bilhões. O crédito pessoal aumentou 27% para R$ 12,974 bilhões; e o cartão de crédito quase isso (26,6%) para 12,974 bilhões.

Acredita-se que o desafio será maior quando a taxa cair para um dígito. O professor da PUC-SP e ex-economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Roberto Troster, acredita que a taxa básica de juros chegará a um dígito já em 2008. “Os piores cenários são bons cenários tanto no exterior quanto no mercado interno”, disse. Já o professor André Carvalhal, do Instituto Coppead de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), não espera a queda do juro nominal caia para um dígito antes de três a quatro anos: “Depende da política do futuro governo e o mercado internacional ainda é uma incógnita. Fora nosso dever de casa para fazer”.

Valor Econômico de 6/11