Archive for the ‘mão-de-obra’ Category

GM

fevereiro 14, 2008

GM anuncia prejuízo mas ressalta crescimento em emergentes
13/02/2008
Por Terry Kosdrosky
The Wall Street Journal, de Detroit

(…) Para o ano, a GM divulgou o maior prejuízo de sua história, US$ 38,7 bilhões, a maior parte por causa de uma despesa sem impacto de caixa de US$ 38,6 bilhões, para dar baixa contábil em créditos fiscais que não vai mais usar.(…)

A GM está oferecendo aos funcionários dois níveis de compensação para se aposentarem antecipadamente: US$ 45.000 para os da produção e US$ 62,500 para os especializados. Cerca de 46.000 dos 74.000 funcionários sindicalizados já têm 26 anos de serviço, requisito da empresa para se aposentar mais cedo. Aos restantes será oferecido entre US$ 70.000 e US$ 140.000, de acordo com o tempo de serviço.

O novo contrato da GM com o UAW permite que ela contrate novos funcionários a um salário mais baixo e com menos benefícios. A redução do custo trabalhista é vista como um fator essencial para a GM conseguir competir com montadoras estrangeiras que têm produção nos EUA mas não têm acordos com sindicatos, entre elas a Toyota e a Honda.

Anúncios

Custo da mão-de-obra

dezembro 21, 2006


O custo da mão-de-obra está criando a mobilidade da mão-de-obra. Veja trechos da reportagem do O Globo:

Firjan admite que mão de obra brasileira não é competitiva
Ramona Ordoñez – O Globo
20/12/2006
Agência O Globo

(…) A ãlemã Tyssen, junto com a Vale do Rio Doce, contratará uma empresa chinesa para uma das etapas das obras que trará 600 trabalhadores chineses.

– Nós lamentamos, mas entendemos que o empresário tem sua estratégia para realizar o investimento ao menor custo e ser mais competitivo. Cabe a nós advogar pela redução do nosso custo de trabalho – disse Eduardo Eugênio.

O vice-presidente da Firjan, Carlos Mariani Bittencourt, destacou que esse feñômeno não é novo, principalmente em relação à China.

Um dos primeiros casos foi na construção do pólo petroquímico de Triunfo, no Rio Grande do Sul, há 30 anos.

Uma empresa de Taiwan propunha uma associação com empresários nacionais para construir uma fábrica de PVC. Uma das condições foi que eles pudessem importar toda a mão de obra,

Outro caso aconteceu com a companhia siderúrgica do Maranhão, da Vale do Rio Doce, a Arcelor e a chinesa Bao Steel.

– O investimento desse projeto no Maranhão feito com tecnologia e mão de obra chinesa. O custo sai pela metade – explicou Bittencourt.

Segundo a Firjan já é um fenômeno que está acontecendo no mundo: a mobilidade de mão-de-obra, o que até pouco tempo não acentecia.

– É até aceitável. O que nos chama atenção é que não é razoável imaginar que o Brasil tenha escassez de mão-de-obra. Isso levanta a discussão do custo do trabalho no país.

(…)

Contratar é mais caro

outubro 4, 2006

Uma notícia dos jornais (Valor, 3/10/2006) sobre o custo de contratar um funcionário no Brasil. Baseado num estudo do Ipea:

Contratar com carteira custa 26,8% mais, diz Ipea

Agência O Globo
Um funcionário com emprego formal no Brasil custa, em média, 26,8% a mais para o empregador do que de fato o empregado recebe no fim do mês, segundo um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Bancar um funcionário formalizado custa muito mais aqui do que no resto da América Latina e no Caribe, onde a diferença entre o que um empregado custa e o que ele recebe é de 15,9%.

Para os autores do estudo, os economistas Gabriel Ulyssea e Maurício Cortez Reis, o custo é muito alto e estimula a informalidade no país. Os economistas usaram uma metodologia do Banco Mundial para calcular a diferença líquida entre os custos do empregador e os benefícios pagos na folha de salário. A conta considera que parte dos encargos voltam para o funcionário mais tarde sob a forma de 13º salário, adicional de férias e FGTS, por exemplo.

O levantamento também mostra que o Brasil tem um índice altíssimo de “dificuldade de contratação”: 67, contra a média de 30 dos membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Nesse cálculo, além dos custos do empregador ao longo do período de vigência do contrato de trabalho, também são computados os encargos com demissões.

No Brasil, o empregador paga 50% sobre o saldo do FGTS em caso de demissão, sendo 40% para o funcionário e 10% para o governo. “O índice brasileiro é mais que o dobro da média dos países-membros da OCDE, 50% maior do que a média da América Latina e Caribe. Além disso, 50% dos 155 países pesquisados têm menos da metade do custo brasileiro”, diz Ulyssea.