Archive for the ‘medicina’ Category

Pacientes têm mesmo tratamento?

julho 17, 2007

Os pacientes num hospital possuem o mesmo tratamento? Se uma mulher é uma advogada ou é esposa de um advogado, isto significa um melhor tratamento? Estes clientes são considerados pelos médicos como potenciais “problemas” em virtude do risco de litígio legal por erros médicos. Clique aqui.

Anúncios

Cigarros e saúde

abril 17, 2007


Uma propaganda antiga de cigarros. Médicos preferem Camels. Fonte: Las Insólitas Aventuras del Pez

Custos de diálise

dezembro 29, 2006


SUS não cobre custos de diálise

Centros de terapia renal têm prejuízo de R$ 7 milhões porque Ministério da Saúde não corrige teto de atendimento

Chico Siqueira, ESPECIAL PARA O ESTADO, ARAÇATUBA

Hospitais e centros que prestam serviços de diálise e hemodiálise para o Sistema Único de Saúde (SUS) acumulam prejuízos de pelo menos R$ 7 milhões porque as verbas repassadas pelo Ministério da Saúde para bancar os procedimentos são insuficientes. A situação prejudica a qualidade do atendimento de 67 mil doentes renais crônicos que dependem do serviço de Terapia Renal Substitutiva (TRS) da rede pública.

Levantamento feito pela Associação Brasileira de Centros de Diálise e Transplante (ABCDT) constatou que pelo menos 130 de 450 centros que prestam esses serviços para o SUS, ouvidos em novembro em todo o País, acumulam dívidas de R$ 7,03 milhões causadas por atendimentos que não foram pagos pelo SUS.

O levantamento foi enviado ao ministro da Saúde, Agenor Álvares, e à diretoria executiva do Fundo Nacional da Saúde (FNS), que em janeiro serão cobrados pela ABCDT a corrigir o teto pago aos prestadores.

De acordo com a ABCDT, os cortes variam de 5% a 13% e atingem centros e hospitais de todo o País, mas a situação é mais precária nos Estados do Paraná, onde o corte chega a 13%, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio. “O problema se arrasta desde 2002, mas piorou nos últimos anos, com a edição de portarias que estipularam limites de gastos com médias mensais estabelecidas abaixo dos custos reais de atendimento”, diz a gerente da ABCDT, Fabrivia Coelho. Segundo ela, o reajuste de 11% feito pelo governo nos valores dos procedimentos de TRS ainda é insuficiente para cobrir os custos. O custo médio real de cada sessão é de R$ 175, mas o governo repassa R$ 130. Além disso, o teto de atendimentos não foi ampliado, o que levou os centros e hospitais a acumularem prejuízos com os atendimentos extras.

Em São José do Rio Preto, por exemplo, o Hospital de Base, referência regional para 120 municípios de São Paulo e do interior de Minas, atende uma média de 290 pacientes por mês, mas recebe por 200. O hospital pediu muitas vezes a correção do teto, mas nunca foi atendido. O resultado é uma dívida de R$ 140.690 com procedimentos extras. A situação no HB começou a piorar em 2005.

“O problema é que os hospitais e centros não podem recusar os atendimentos extras. Não pode deixar o paciente morrer. Esses atendimentos extras quase sempre são autorizados pelas secretariais estaduais de saúde, mas nunca são pagos depois”, diz a gerente da ABCDT. Segundo Fabrivia, a situação está fazendo com que centros fechem as filiais e passem a funcionar num único prédio. “Isso prejudica a qualidade do atendimento, pois o paciente enfrenta atrasos ao esperar mais tempo para ser atendido e ter de se deslocar para centros mais distantes”, diz.

ENCONTRO DE CONTAS

A diretora do Departamento de Regulação, Avaliação e Controle do Ministério da Saúde, Cleusa Bernardo, disse ontem que o ministro da Saúde, Agenor Álvares, deve assinar ainda hoje uma portaria que estabelece repasse de R$ 3,7 milhões para pagamento aos prestadores de serviços de TRS. Segundo ela, a verba é referente aos serviços extras prestados em outubro por centros de diversos Estados.

Cleusa admitiu que há diferenças entre o valor pago e o prestado pelos Estados, mas que o Ministério da Saúde sempre promove “encontro de contas” para corrigir as distorções. Segundo ela, em 2006 a situação ficou mais difícil porque houve problemas com a aprovação do orçamento.

Cleusa disse não poder confirmar o valor de R$ 7 milhões apresentado pela ABCDT. Segundo ela, os R$ 3,7 milhões a serem repassados agora deverão colocar as contas em dias “para entrar em 2007 com tudo acertado”.

A diretora do Ministério da Saúde lembrou que entre 2002 e 2006 houve um reajuste de 57,4% no valor do financiamento da TRS. Em 2002 o serviço consumiu R$ 850,2 milhões; em 2006, esse valor está em R$ 1,33 bilhão. “Quando a verba não cobre o custo, a lei diz que os Estados e municípios devem fazer a complementação. Ocorre que nem sempre eles têm verbas para isso”, explicou. “Daí a necessidade das portarias para fazer o encontro de contas”, acrescentou.

Segundo Cleusa, os valores pagos para cada sessão estão dentro da realidade e o serviço é um dos poucos do Ministério da Saúde que não está defasado.

Estado de S. Paulo, 29/12/2006