Archive for the ‘mercado’ Category

Marcação a Mercado e a Crise

março 5, 2008

A adoção da marcação a mercado ajudou a crise financeira mundial? Segundo alguns pesquisadores, sim. Quando o preço dos ativos aumenta, melhora o patrimônio líquido. O inverso também é verdadeiro. Eis o que diz o Financial Times

Only now, in the middle of a global credit crisis, is the impact of the broad introduction of mark-to-market accounting becoming clear. The critical concerns are around how much these changes helped to inflate the credit bubble and whether they will increase the speed and destructive power of its collapse.

To be fair, the US banks protested at the outset that the move would change their role in the economy. So did the French banking federation before similar changes came to Europe in 2005. It warned that fair-value accounting “could even further increase the euphoria in a financial bubble or the panic in the markets in a time of crisis”. Tobias Adrian, an economist at the New York Fed, and Hyun Song Shin of Princeton University, have produced a string of work about this kind of “pro-cyclicality” in finance and the economy, culminating in a paper last September entitled Liquidity and Leverage .

(…) The lesson for regulators is that the solution to one problem almost always contains the seeds of another.

Aqui para mais detalhes

Anúncios

Impostos e crença no Mercado

fevereiro 7, 2008


A figura foi extraída do texto “Groupthink and Ideology“, de Roland Benabou (). Mostra a relação existente entre no sistema de livre mercado e a participação dos impostos na economia. Países que acreditam mais no livre mercado possuem um governo que arrecada menos tributo. O gráfico inclui o Brasil (BRA na figura, no centro).

Diante do crescente (e sempre crescente) aumento nos tributos no Brasil, uma possível justificativa “talvez” seja a descrença que temos no livre mercado.

Beleza Russa

fevereiro 6, 2008

A revista Slate pergunta: de onde vieram estas belezas russas? No comunismo, a URSS não era conhecida como um local de mulheres bonitas. Hoje, as russas são consideradas uma das mulheres mais lindas do mundo (Sharapova, lembre-se, é russa). Aqui , uma provável explicação para esta incoerência: no comunismo, a beleza feminina não tinha “mercado” (revista, por exemplo).

Queda no mercado

janeiro 18, 2008

Uma possível explicação para o comportamento do mercado nos últimos pode ser encontrada nas finanças comportamentais, segundo este endereço . A argumentação é que os problemas do Citigroup (e da economia e de mercados imobiliários) já eram conhecidos. O problema seria o fato de que o mercado possui um viés de otimismo, que impede de ver os problemas de lucro ou recessão.

Sobre o mercado de música e quem ganha e perde

janeiro 14, 2008

Um texto no NEw York Times de 13/01/2008, Tyler Cowen, do Marginal Revolution, faz uma análise do mercado de música:

Em 2007, as vendas de álbum caíram 15,3 por cento, em comparação com 2006, um ano ruim. Mesmo que as vendas de 10 faixas sejam contados como um álbum, as vendas foram ainda caíram 9,5 por cento.

Os economistas não sabiam se digitalização iria ajudar ou prejudicar o mercado de música; muitos pensavam que uma maior exposição à música e à facilidade de acesso on-line pode levar as pessoas a comprarem mais. Mas, em 2007, o resultado ficou claro: as pessoas tendem a comprar a sua música favorita de um álbum, online, em vez de comprar todo o álbum. Mais faixas digitais individuais estão sendo vendidas, mas isso não significa maiores lucros para os artistas da música ou para as empresas. Os preços são mais baixos para a música (99 centavos uma canção no iTunes) e uma parte dos lucros ficam com os fabricantes de hardware, acima de tudo com a Apple e seu iPod.

Projeção

janeiro 14, 2008

Na construção de uma estrutura de avaliação, uma das etapas mais sensíveis é a projeção do resultado futuro da empresa. O analista precisa determina como o futuro irá afetar os resultados e, conseqüentemente, o valor da empresa.

Existem diversas formas de fazer a projeção. O uso de métodos quantitativos confere a projeção uma certa cientificidade ao resultado, mas isto não garante, de certo modo, que o valor encontrado seja próximo ao valor que será realizado.

Desde a publicação de certos trabalhos ressaltando a qualidade do “mercado”, tem-se buscado o uso de técnicas que poderiam substituir a opinião (ou a “sabedoria”) da massa.

Existem bons e maus resultados com o uso desta técnica. Recentemente uma pesquisa foi realizada com dados dos funcionários da Google. Esta empresa está usando a “opinião” de empregados, através de contratos de compra e venda referente ao desempenho de um produto da empresa. O resultado deste encontro entre comprador e vendedor reproduziria o mercado de opiniões sobre determinado produto.

Dois pesquisadores tiveram acesso a estas informações e encontraram algumas conclusões interessantes:

=> os mercados são bons na projeção de quantos usuários o sistema de e-mail a empresa teria ao final de cada período
=> os empregados tendem ao otimismo quanto a esta informação
=> quando as ações da empresa no mercado de capitais estão em alta, os empregados são mais otimistas
=> A existência de afinidade/vínculo entre as pessoas termina por influenciar a projeção.

Fonte: Aqui e aqui

A questão é que o uso do mercado para previsão depende de certas características (diversidade, agregação e incentivos) que nem sempre estão presentes no que queremos medir. Recentemente, o uso do “mercado” sofreu uma derrota na previsão eleitoral dos Estados Unidos. Nesta situação, duas das condições não foram observadas, o que torna difícil afirmar que esta não é uma boa técnica tendo em vista este revés.

Links

janeiro 11, 2008

1. Mercado em todo lugar: lentes de contato da Hello Kitty
2. Ensinando economia através da música. Uma boa idéia para fazer o mesmo com a contabilidade, não?
3. Ainda sobre a Sanyo e outras empresas que refizeram as demonstrações
4. Medo de perder e vontade de ganhar

Links

dezembro 26, 2007

1. Países pequenos e estranhos

2. Alugam-se Bolsas

3. Dicionário Informal

Links

dezembro 12, 2007

três reportagens da The Economist
1. A Tecnologia sendo usada no Varejo
2. evolutionary design e Evolutionary alghoritms
3. Mercado de armas

Futebol, Torcedor e o Técnico

novembro 16, 2007

Este endereço discute se a “sabedoria das massas” funciona no futebol. Ou seja, se através de uma pesquisa de opinião entre os torcedores seria possível fazer uma seleção de jogadores ideal (Pense, por exemplo, numa pesquisa para escolher a melhor relação de jogadores brasileiros e a seleção brasileira de futebol). Para “sabedoria das massas” é necessário duas condições: (1) cada opinião deva ser independente e não influenciada por outros ou pela imprensa; (2) o conhecimento esteja disperso e fragmentado. A primeira condição, segundo o endereço, existe. O problema é que o técnico de um time tem informações que o torcedor comum não possui (se o jogador dormiu tarde ou foi para balada, se o atleta tem problemas de relacionamentos pessoais etc), e isto impede que a “sabedoria” funcione.