Archive for the ‘minério de ferro’ Category

Vale aumenta preço

fevereiro 19, 2008

Vale fecha preço de minério e fica mais próxima da Xstrata
Gazeta Mercantil – 19/2/2007

Rio, 19 de Fevereiro de 2008 – A Companhia Vale do Rio Doce (Vale) surpreendeu o mercado e ganhou pontos para as negociações de compra da Xstrata ao anunciar, ontem, que emplacou um aumento de 65% no preço do minério de ferro junto às siderúrgicas asiáticas. Para a matéria-prima de melhor qualidade explorada na mina de Carajás, o chamado minério fino, o acréscimo foi de 71%. O reajuste chama atenção porque acontece após um aumento 185% nos últimos cinco anos, durante a expectativa de uma crise na economia norte-americana e do menor ritmo de crescimento da produção siderúrgica na China.

Seis siderúrgicas – cinco japonesas e uma coreana – fecharam novos contratos de fornecimento com a Vale que começam a valer em abril próximo. A Vale informou reajustes para a coreana Posco e as japonesas Sumimoto, Nisshin Steel, Kobe Steel, JFE Steel Corporation (JFE Steel), Nippon Steel Corporation (NSC – a maior do Japão). Também há rumores de que já teria fechado com a alemã ThyssenKrupp, informação ainda não confirmada pela companhia.

A mineradora brasileira saiu na frente das concorrentes BHP Billiton e Rio Tinto e deve determinar os preços de mercado de 2008, conforme a praxe: o primeiro reajuste sempre dita as negociações seguintes. Mas as concorrentes, mesmo assim, querem emplacar aumentos maiores do que o da Vale, idéia que já haviam manifestado antes do desfecho das negociações entre a companhia brasileira e as siderúrgicas asiáticas.

“Podem esquecer. Esse reajuste será para todas, como sempre ocorre. Se eu fosse chinês, bateria o pé para elas (outras mineradoras, que querem maior reajuste) e não daria o diferencial do frete”, afirmou um analista a este jornal, que não se identificou porque está impedido de fazer comentários sobre a Vale até que as negociações com a Xstrata sejam concluídas.

Aliás, com o fechamento de contratos a valores tão positivos, e antes do que o mercado esperava, pode reforçar a proposta de aquisição da mineradora da inglesa Glencore, para o analista Rodrigo Ferraz, da Brascan. “Há uma mensagem subliminar aí. A Vale está dizendo que vai aumentar a produção e, além disso, vendê-la a preços 65% maiores, mesmo diante de tantos aspectos que poderiam estar enfraquecendo o mercado, como a crise norte-americana e o menor ritmo de aço na China”, avaliou Ferraz.

Roger Downey, do Credit Suisse, também avaliou que o reajuste foi “bem positivo, bem à frente do consenso”. O mercado, segundo os três analistas, esperava no máximo 50% de aumento do minério. Nenhum deles acredita que as mineradoras consigam melhor percentual junto a siderúrgicas. “Os preços para 2008 refletem a continuidade do excesso de demanda no mercado global de minério de ferro. (…) A Vale reitera seu compromisso com os clientes, investindo montante substancial de recursos para aumentar sua capacidade de produção. Apesar da considerável alta de custos operacionais e de investimento, a Companhia foi capaz de expandir a produção de minério de ferro à taxa média anual de 14,1%, entre 2001 e 2007”, informou a Vale em comunicado.

A partir das negociações com as siderúrgicas japonesas e a coreana Posco, a tonelada de minério de ferro passará de US$ 46 para US$ 76,60, sem considerar o custo do frete. Com o preço de transporte, o preço final chega a US$ 110 por tonelada. Mineradoras como BHP e Rio Tinto tentam quebrar a tradição de seguir o primeiro negociador a concluir novos preços. Mais próximas do mercado consumidor em relação à Vale, querem reajustar o minério a ponto de o preço final chegar aos US$ 110, o que poderia significar um reajuste de 100%.

Com o anúncio dos acordos fechados, ontem as ações da mineradora brasileira registraram um crescimento expressivo.

(Gazeta Mercantil/Caderno C – Pág. 2)(Sabrina Lorenzi

Anúncios

Preço em alta

dezembro 23, 2006


O minério deverá sofrer um novo reajuste este ano. As empresas Rio Tinto e Vale do Rio Doce conseguiram um aumento de 9,5% neste mês. Este aumento é possível diante da demanda pelo minério, em especial da China.

Isto significa dizer que provavelmente a Vale deverá ter outro recorde de lucro no próximo ano.

Ontem a Gazeta noticiou que a Merril Lynch recomendava a compra da ação da Vale. Conforme a notícia (MINERAÇÃO: ML reitera recomendação de compra para Vale, Gazeta Mercantil News, 22/12/2006)

“Recomendamos fortemente a compra das ações PN da Vale, dado que o atual desconto de 18% sobre as ações ON é injustificável, pois ambas classes de ação dão os mesmo direitos a voto.”

De acordo com Merrill Lynch, a rapidez no processo de negociação é uma clara indicação de que os fundamentos de mercado seguem firmes e que as relações da empresa com os chineses estão cada vez mais saudáveis. O banco reitera sua expectativa de estabilidade nos preços do minério para 2008, com o risco de alta no preço caso a relação oferta/demanda se mantenha justa.

O banco acredita que o patamar de negociação das ações da Vale deve mudar dado o acordo para o preços e pelo fato de que, agora, cerca de 30% das receitas operacionais da companhia serão geradas pelo negócio de níquel.

(…) Para o Merrill Lynch, os próximos catalisadores para a Vale são: maior preço para o níquel em 2007; redução de custos no Brasil, que podem resultar em um aumento de US$ 3 por ADR; sinergias com que podem gerar outro US$ 1 por ADR e notícias positivas resultantes da integração e reestruturação com a Inco.

Reajuste no minério da Vale?

dezembro 5, 2006


O The Wall Street Journal de 4/12 tratou do possível aumento do minério de ferro (Minério de ferro deve ter aumento menor em 2007, dizem analistas – Por Paul Glader em Pittsburgh, e Patrick Barka em Bangcoc). Especificamente, trata das negociações iniciais entre a Vale do Rio Doce, maior produtora de minério de ferro do mundo, e a Shanghai Baosteel Group Corp., uma das maiores siderúrgicas da China.

Entretanto, ao contrário das vezes anteriores, não se espera um aumento significativo para o produto agora. Estas negociações

“vão determinar o preço do minério para o próximo ano, está surgindo um consenso de que ele vá subir entre 5% e 10%, e portanto que o aumento de quase 20% do ano passado não deve se repetir.

Além disso, as siderúrgicas chinesas, que ano passado não tiveram sucesso em sua tentativa de resistir às demandas das mineradoras, estão decididas a liderar as negociações.

Ao contrário do ano passado, quando as siderúrgicas corriam freneticamente para garantir fornecimento, as negociações do setor este ano acontecem tendo um pano de fundo diferente, em que a demanda por minério de ferro continua forte e a oferta apertada, mas não tão apertada quanto no ano passado. Também se espera que as conversas avancem mais rapidamente este ano do que no ano passado, quando a recusa inicial da China de aceitar um aumento de 19% arrastou-se por meses.”

O produto aumentou, segundo a reportagem, 19% em 2004, 71,5% em 2005 e 19% em 2006.