Archive for the ‘Opções’ Category

O modelo Black-Scholes-Merton

outubro 8, 2007

Nassim Taleb é um autor polêmico na área de finanças. Sua pesquisa mais recente é sobre o modelo de opções que foi formulado por Black-Scholes-Merton (BSM). Segundo Taleb, e Haug, em Why We Have Never Used the Black-Scholes-Merton Option Pricing Formula (aqui), na realidade este não é um modelo “formulado” por BSM.

“Muitas derivações foram produzidas por pesquisadores matemáticos. A literatura econômica, entretanto, não reconhece estas contribuições, substituindo por redescobertas ou subsequentes reformulações feita por (alguns) economistas”

Haug e Taleb argumentam que BSM não representam uma nova fórmula de opção, mas unicamente um argumento econômico, “marketing”, que se estabeleceu no tempo e distorceu a essência das opções.

Outra questão apontada é que opções já eram comercializadas ativamente no século XVII através de um método heurístico. No século XIX e início do século XX já existia mercado de opções em Londres e Nova Iorque. Em 1904 foi publicado um livro “The ABC of Options and Arbitrage”. Em 1908, Vinzenz Bronzin publicou um livro que derivava muitas fórmulas de opções, inclusive uma similar ao modelo BSM. Bachelier, pioneiro no estudo de carteiras e risco, também estudou o assunto. Segundo Haug e Taleb, o modelo BSM não é original e pioneiro no estudo de opções, como afirmado por livros de finanças.

Um segundo “mito” é que os operadores não usam este modelo.

Para quem gosta de finanças e opções, este artigo é uma leitura recomendada.

Anúncios

"Morar Junto" é uma opção

outubro 8, 2007

Em alguns países o números de casais que estão “morando junto” aumentou, enquanto o número de casamentos diminuiu. Uma possível explicação pode estar no mercado de opções. Quando duas pessoas decidem “morar junto”, mas não casar, estão adotando uma opção, ou seja, o direito de comprar/vender um ativo numa data futura. Eis aqui um bom exemplo para explicar uma opção. Clique aqui para ler mais

Links

junho 16, 2007

1. Reportagem da Forbes sobre Leasing – Vantagens, Contabilização etc

2. Reportagem da Business Week informando que a SEC considera que o escândalo das opções retroativas não é tão grave assim

Jobs é intocável

janeiro 16, 2007

Valor de hoje publica a versão em português da reportagem da Business Week:

Chegou a hora de saber se Jobs é intocável

(…)
Um relatório publicado em 29 de dezembro por um comitê especial de dois membros, formado por nada menos que o ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore e pelo obstinado e veterano financista Jerome B. York, “não constatou nenhuma conduta inadequada” de Jobs e outros administradores. Mesmo assim, o documento reconhece que Jobs tinha conhecimento sobre parte das 6.426 opções de ações concedidas entre o fim de 1996 e o começo de 2003 – mais ou menos 15% do total da época -, e que foram datadas de maneira imprópria para dar aos funcionários um preço artificialmente baixo. Em algumas ocasiões, Jobs chegou até a recomendar as datas.

As opções permitem a seus proprietários comprar ações em uma data posterior, geralmente ao preço de mercado do dia em que elas foram concedidas. Retroagir as opções para dias com preços mais baixos garante um lucro certo.

A Securities and Exchange Commission (SEC), o órgão regulador das bolsas americanas, está examinando uma auditoria interna da Apple como parte de uma investigação formal sobre a alteração das datas das opções pela companhia. Além disso, vários especialistas em legislação e em remuneração estão ficando surpresos com a maneira como a Apple lida com seu funcionário mais valioso, quando outros presidentes de empresas estão sendo demitidos por envolvimentos parecidos ou menos óbvios em casos de opções de ações exercidas com data retroativa.

“Ele sabia o que estava fazendo. Antedatou as opções de propósito e o comitê disse que dará a ele um passe livre”, diz Alan Johnson, diretor administrativo da Johnson Associates, uma consultoria de Nova York especializada em remuneração. Até mesmo algumas companhias do Vale do Silício estão perturbadas com as conclusões do relatório da Apple. “Parece que o conselho da Apple está tentando encobrir a situação porque gosta muito dele”, diz Willem P. Roelandts, executivo-chefe da fabricante de chips Xilinx Inc.

Mas será que o mundo está preparado para ver um de seus maiores inovadores ser sacrificado no altar dos deuses da boa governança – especialmente quando não está claro como ele foi beneficiado pelos atos, ou seus acionistas prejudicados?

Ou seja, até onde estamos dispostos a defender a governança? Vide essa notícia no dia 5 de janeiro nesse blog, clicando aqui

Jobs é intocável?

janeiro 5, 2007


Pergunta a Business Week Online (04/01/2007). A história de Jobs na Apple é admirada por todos no Silicon Valley, pelo trabalho que fez em ressurgir a Apple.

Mas o escândalo com as opções não tem atraído simpatias da SEC, órgão que regula o mercado de capitais dos EUA, que está investigando a empresa.

Irá o mundo sacrificar um dos maiores inovadores no altar dos deuses da boa governança?

Apple

dezembro 30, 2006


Do Estado de S. Paulo de hoje

Jobs sabia da falsificação de documentos na Apple

(…) A Apple informou ontem à SEC, a comissão de valores mobiliários dos EUA, que seu presidente, Steve Jobs, tinha conhecimento das fraudes envolvendo a concessão de opções de ações a executivos da empresa. Mas, segundo a Apple, Jobs não se beneficiou financeiramente dessas operações nem “avaliou suas implicações contábeis”. A companhia disse ter total confiança na equipe de executivos.

A fraude cometida pela Apple é relativamente comum entre empresas americanas, principalmente as instaladas no Vale do Silício. Trata-se da vinculação de opções de ações a datas de concessão anteriores favoráveis, a fim de aumentar o prêmio de quem as recebe. A manipulação em si não é necessariamente ilegal, mas leis exigem que as companhias revelem adequadamente a prática em sua contabilidade e descontem qualquer encargo resultante.

(…)

No documento enviado à SEC, a Apple informa que a malversação envolvendo as opções resultará num encargo adicional de US$ 84 milhões. No seu relatório financeiro anual, adiado por causa da investigação sobre as opções, a empresa disse que os ganhos dos anos fiscais de 2006, 2005 e 2004 serão reduzidos em US$ 4 milhões, US$ 7 milhões e US$ 10 milhões, respectivamente.

A investigação interna de três meses levada a cabo pela empresa identificou casos nos quais as datas de concessão de opções foram escolhidas intencionalmente a fim de obter preços de exercício favoráveis. “A comissão especial, seu consultor independente e contadores forenses realizaram uma exaustiva investigação das práticas da Apple de concessão de opções de ações”, afirmaram, em comunicado conjunto, o ex-vice-presidente americano Al Gore, chefe da comissão especial, e Jerome York, chefe da Comissão de Auditoria e Finanças da Apple. Tanto Gore quanto York são membros da diretoria.

“O conselho de administração tem certeza de que a companhia corrigiu os problemas que levaram à revisão do balanço e tem total confiança em Jobs e na equipe executiva.” A fabricante do tocador de música iPod e dos computadores Macintosh é uma das mais proeminentes entre as cerca de 200 companhias que passaram a ser examinadas por causa da antedata de opções de ações. Dezenas de companhias já foram obrigadas a modificar suas declarações de ganhos, eliminando alguns dos lucros registrados, depois que suas manobras com opções de ações vieram à tona.

As investigações na Apple foram iniciadas em junho e, como resultado, a empresa adiou os relatórios do trimestre encerrado em 1º de julho e do ano fiscal terminado em 30 de setembro.

Notícias breves

dezembro 28, 2006


1. Apple tem baixa após boatos

2. Ministro japonês renuncia após escândalo

3. SEC muda normas de opções

4. Finanças comportamentais

Novo Escândalo Corporativo nos Estados Unidos

outubro 13, 2006

Backdating de opções de ações faz cabeças rolar e pode custar caro a empresas americanas
October 13, 2006 4:05 a.m. Por Charles Forele e James Bandler
The Wall Street Journal

A mais recente onda de escândalos corporativos nos Estados Unidos não tem feito tantas manchetes internacionais como a debacle da Enron. Mas a descoberta de empresas que fazem “backdating” — opções retroativas de compra de ações para a alta diretoria que dão aos beneficiários um ganho imediato e sem risco — tem feito cabeças rolar e pode levar grandes empresas a sair das bolsas de valores.

Dentre as baixas mais recentes, Shelby Bonnie, fundador e diretor presidente do provedor de conteúdo online CNET Networks Inc., e George Samenuk, presidente da fabricante de softwares de segurança do computador McAfee Inc., deixaram os cargos após investigações internas revelarem a prática de backdating. Até agora, mais de 20 executivos ou diretores de empresas já foram demitidos, suspensos ou renunciaram diante das investigações. Entre eles estão executivos de alto escalão da Apple Computer Inc., do operador de websites Monster Worldwide Inc., e da fabricante de softwares Comverse Technology Inc., cujo ex-diretor-presidente enfrenta um processo de extradição na Namíbia.

Especialistas dizem que mais baixas são prováveis. Mais de cem empresas estão sob investigação por backdating, e centenas de outras ainda estão conduzindo sindicâncias internas. As empresas enfrentam pressão para encerrar as investigações porque podem não conseguir fechar seu balanço trimestral no prazo legal se não souberem se precisarão fazer provisões ligadas a possíveis irregularidades.

Muitas empresas já informaram que não conseguirão cumprir os prazos para o trimestre. Isso cria o risco de terem suas ações excluídas das bolsas, de caras disputas com portadores de títulos de dívida — que têm o direito de receber relatórios financeiros no prazo apropriado — e prejuízos potencialmente grandes em qualquer processo por parte dos acionistas.

Charles Elson, diretor do Centro John L. Weinberg para Governança Corporativa na Universidade de Delaware, acredita que mais pessoas vão perder seus empregos. “É uma quebra fundamental na confiança dos investidores”, disse.

O backdating equivale a fingir que uma opção de ação foi dada antes da data verdadeira, durante um momento benéfico, quando a ação era cotada por um preço menor. Já que opções de ações dão aos beneficiários o direito de lucrar diante de uma alta na cotação, fazer o benefício retroagir a um período em que as ações estavam em baixa pode fornecer ao recipiente um lucro imediato.

No mínimo, backdating geralmente envolve violações de práticas contábeis e de transparência nos EUA. A prática também pode constituir fraude.

As resoluções na CNET e McAfee, juntamente com outras demissões recentes, mostram que os conselhos estão levando o problema a sério.

Num comunicado, Samenuk expressou “arrependimento” por alguns dos problemas ocorridos “sob a minha responsabilidade”. O diretor superintendente Kevin Weiss, que teve sua demissão anunciada quarta-feira, não estava disponível para comentar. Exatamente o quê Samenuk e Weiss fizeram que apressou suas demissões não é conhecido; uma porta-voz da McAfee informou que os dois “estavam envolvidos no escândalo de backdating”, mas se recusou a revelar detalhes.

A CNET disse que a sua sindicância, conduzida pela firma de advocacia Davis Polk & Wardwell e liderada por um comitê especial de conselheiros, descobriu “episódios de backdating” na abertura de capital em 1996 até “pelo menos 2003”.