Archive for the ‘petróleo’ Category

Comparação

janeiro 16, 2008


Você sabe que o mundo mudou quando o seu carro bebe mais que você. Comparação do custo da gasolina e da Coca-cola. Fonte: Aqui

Anúncios

O Ponto de Equilíbrio no Petróleo

dezembro 26, 2007

O ponto de equilíbrio é um conceito de custos que mostra quanto devo produzir para não ter nem lucro nem prejuízo. Em certas situações, o conceito pode ser adaptado. É o caso do petróleo, onde é possível obter o ponto de equilíbrio em US$ por barril, conforme o país de origem da extração. Em alguns países, o ponto de equilíbrio está em torno de US$30 o barril. A diferença entre o preço atual e este valor corresponde ao lucro gerado em cada barril extraído. No Bahrein o valor do ponto de equilíbrio é de US$40, mas no Kuwait é somente US$17. Mas os dois maiores países em reservas (Arábia Saudita e Canadá, com 260 e 179 bilhões de barris) possuem um ponto em torno de US$30 e 33.
As novas áreas de extração provavelmente terão um ponto de equilíbrio mais elevado. Neste caso, o preço atual do barril é um forte incentivo para a exploração destas áreas.

Correlação entre mercado acionário e preço do petróleo

dezembro 7, 2007


Existe correlação entre o preço do petróleo e o mercado? Pelo gráfico, não. A correlação é de 0,05, conforme esta fonte.

O Choque do Petróleo

dezembro 4, 2007


O preço do petróleo está em alta, mas a economia parece não sentir. A razão pode ser explicada, pelo menos parcialmente, na figura. Apesar do preço dos últimos dias ser o mais elevado da história, a relação do consumo de petróleo pela riqueza gerada é cada vez menor. Ou seja, o mundo depende menos do petróleo já que as economias estão mais flexíveis. A revista The Economist também chama a atenção para o papel dos Bancos Centrais.

Hedge bem feito

dezembro 4, 2007

A empresa aérea Southwest fez um contrato de longo prazo para comprar combustível até o ano de 2009 por um custo de 51 dólares o barril. (O preço atual está acima de 90 dólares o barril) Isto pode significar economia de 2 bilhões de dólares. Aqui para mais detalhes

A maldição dos recursos naturais

novembro 21, 2007

A recente descoberta de petróleo no Brasil torna o texto Resource Abundance and Corporate Transparency, de Art Durnev e Sergei Guriev, interessante (aqui link).

Tradicionalmente a abundância de recursos naturais pode comprometer o desenvolvimento econômico de uma país no longo prazo. A riqueza fácil pode reduzir os incentivos para o crescimento de outros setores, inclusive o industrial. A pesquisa de Durnev e Guriev é inovadora, na minha opinião, por mostrar um outro lado negativo desta questão: a redução da transparência corporativa.

Durnev e Guriev lembra a Primeira Lei da Petropolítica: o preço elevado do barril inibe a democracia, a liberdade econômica e a liberdade política nos países ricos em petróleo. Com efeito, nos últimos anos os países ricos em petróleo aumentaram o controle sobre a imprensa (vide o exemplo da Rússia e Venezuela). Isto já foi provado por outros trabalhos. Usando dados microeconômicos, Durnev e Guriev mostraram o efeito dos recursos naturais no direito de propriedade e na transparência das empresas!

O argumento dos autores é o seguinte: Durante os períodos de preços altos, o lucro das empresas obtido com recursos naturais são fáceis de serem confiscados pelo governo. Estas empresas possuem o seguinte dilema: precisam atrair capital externo (e com isto serem transparentes), mas por outro lado a transparência atrai a cobiça dos políticos para o confisco (seja sob a forma de suborno, impostos ou tomada de ativos). Ou seja, a transparência torna a indústria mais vulnerável para a confisco, principalmente em países onde o direito de propriedade é fraco.

Um exemplo citado pelos autores é o caso da Yukos, mas podemos também analisar os acontecimentos da Bolívia e Petrobrás recentemente sob esta ótica.

Os efeitos podem ser percebidos no setor de petróleo, onde a transparência é menor, o que afeta a alocação de capital.

Clique aqui para Download da pesquisa dos autores

Links

novembro 13, 2007

1. Há petróleo

2. Não diga “função utilidade” e sim “função valor”

3. Estimativa do custo da guerra (EUA)

4. A face estranha da globalização. O que são fundos soberados

5. O poder do relacionamento pessoal = Uma história interessante que mostra o relacionamento pessoal em fundos de investimento

6. Um jogo interessante em Finanças Comportamentais

Estados Unidos no Iraque: fracasso na Contabilidade

outubro 25, 2007

O The New York Times comenta o fracasso norte-americano no Iraque na criação de um sistema contábil moderno (U.S. Faults Its Bid to Replace Iraq’s Accounting System, de James Glanz e Andrew Kramer, 25/10/2007, p. 12). O projeto era substituir o sistema contábil corrupto de Saddam Hussein por algo que possibilitasse maior controle, em especial das receitas do petróleo.

BAGHDAD, Oct. 24 — An American project to replace the Iraqi government’s opaque and easily manipulated Saddam Hussein-era accounting system has failed to achieve its goals after four years and more than $38 million, an American oversight agency reported Wednesday.

An early objective of the American occupation was to streamline the corrupt Iraqi bureaucracy that had flourished under Mr. Hussein, and establish controls that would make it more difficult to divert the enormous Iraqi oil revenues that provide nearly all of the government’s budget.

But the American oversight agency, called the Office of the Special Inspector General for Iraq Reconstruction, said Wednesday in a report that the system the United States had chosen had shown a ”lack of understanding of the existing Iraq financial and business processes,” and had not taken root.

As a result, the new system has had little impact on Iraq’s financial apparatus, said Ginger Cruz, a deputy inspector general in the office. The old system remains in place, she said.

”The convoluted way that they used to do accounting under Saddam was created for secrecy and control,” Ms. Cruz said. (…)

Já vi este filme antes

outubro 17, 2007

Quito, 16 out (EFE).- O Governo do Equador ressaltou hoje que não houve nenhuma ação ilegítima nem confisco das empresas petrolíferas privadas, com o decreto que dá ao Estado 99% dos ganhos extraordinários com o petróleo.

Em reunião com diplomatas credenciados em Quito, o ministro de Minas e Petróleo, Galo Chiriboga, disse que hoje conversou com representantes da hispano-argentina Repsol-YPF. Ele também se reuniria com diretores de cinco petrolíferas, entre elas a Petrobras, que aceitaram estudar uma renegociação de seus contratos.

(…) Chiriboga repetiu os argumentos do Governo de que o decreto de 4 de outubro foi uma mudança “regulamentar”, dos 50% aprovados no ano passado para 99% na parte do lucro extraordinário para o Estado, sem afetar os contratos originais. (…)

Quito garante que não vai confiscar empresas petrolíferas
Agencia EFE – Serviço em português- 16/10/2007

Tecnologia de Petróleo na Venezuela

outubro 9, 2007

Uma reportagem do Wall Street Journal (Oil Giants Leave More Than Oil Behind in Venezuela — Firms’ Technology, Expertise May Fall Into Hands of Rivals, Isabel Ordonez, The Wall Street Journal – 09/10/2007 – A11) mostra que a saída da Exxon e da ConocoPhillips da Venezuela pode representar mais do que o abandono de direitos na produção de petróleo. Estas empresas estariam deixando tecnologia e know-how nas mãos de competidores, em especial a forma para maximizar a produção de óleo pesado. Este tipo de petróleo é mais difícil e mais caro de processar e refinar. Entretanto, o aumento nos preços tornou este tipo de petróleo valioso e viável.


The two Western companies’ technical legacy in Venezuela could offer competitors a chance to acquire expertise in drilling sophisticated wells, upgrading crude-oil quality and preventing costly accidents, analysts say. Access to this knowledge could prove to be a boon for national oil companies, which control the world’s largest deposits yet often depend on technology developed by the private-sector Western companies to access their oil.

As empresas que podem ocupar o lugar da Exxon e da Conoco são a Petropars (Irã), Oil & Natural Gas (Índia), Lukoil (Rússia), National Petroleum (China) e Petrobrás.

A tecnologia que a Exxon e a Conoco usaram no Orinoco está disponível no mercado se as empresas pagarem um preço elevado. Mas o controle operacional será da PDVSA.

One of the most valuable pieces of expensive technology used in the Orinoco Belt is ConocoPhillips’s delayed coking process, which converts viscous oil into lighter crude.