Archive for the ‘professor’ Category

O que interfere na qualidade da educação?

janeiro 23, 2008

Foram dois textos da The Economist no ano passado que deixei arquivados para um oportunidade melhor. Ou talvez para uma maior reflexão. Teachers´s salaries , de 27 de setembro de 2007, mostra um quadro muito interessante sobre os salários dos professores em diversos países do mundo. Em alguns lugares, entre os quais a Coréia do Sul, o salário do professor revela um alto status. Em outros, como Noruega, a média é baixa.

O Segundo artigo (How to be top, com o subtítulo “O que funciona na educação”) é de 18 de outubro de 2007. É o mais interessante e intrigante. O texto procura entender por que alguns países são sempre bem avaliados nos testes (Canadá, Finlândia, Coréia, Japão, Cingapura) como o Pisa e outros não.

O primeiro mito: não é dinheiro. Observe o gráfico, que informa a variação no gasto em educação e a variação nos pontos em matemática. Países, como Nova Zelândia, aumentaram muito o gasto em educação, mas a nota caiu.


Não é o tamanho das turmas. E não é o número de horas.

Para a empresa de consultoria McKinsey a solução começa com os professores. É uma questão simples que pode ser colocada nos seguintes termos: “a qualidade do sistema educacional não pode exceder a qualidade dos seus professores”. Estudos já mostraram que a qualidade dos professores afeta o desempenho dos alunos. Neste sentido, a redução do tamanho das turmas possui o efeito oposto: como os bons professores são raros, reduzir o tamanho corresponde a diminuir a chance do aluno de ter bons professores.

Outro aspecto diz respeito ao que é feito após o professor tornar-se professor. Alguns países só aceitam professores com um grau mínimo, como é o caso da Finlândia, onde a exigência é o mestrado. Além disto, os professores precisam de treinamento e isto inclui absorver conhecimento dos professores mais antigos.
O texto afirma também que a questão da avaliação do ensino não é o aspecto mais relevante do processo. Alguns países, como a Finlândia, não dão atenção a este aspecto. Mas o Brasil dá.

Um ponto relevante é a capacidade de intervir no início do processo. Estudos adicionais e horas extras para alunos são de ajuda inestimável se ocorrerem de imediato, quando se percebe uma dificuldade.

Anúncios

Cópia na internet

outubro 8, 2007

Num congresso como o Enanpad, onde centenas de trabalhos importantes e interessantes são apresentados, é difícil destacar uma pesquisa. No último Enanpad talvez tenha sido uma exceção.

Um trabalho foi muito comentado entre diversas pessoas na área de contabilidade. Trata-se da pesquisa “Fatores que levam Acadêmicos do Curso de Ciências Contábeis ao Uso Indevido de Trabalhos Prontos Retirados da Internet”, de Nelma Terezinha Z Valente, Diva Abib, Sandro Camargo, Marcos Machado Pereira, José Alcides Ramos e Sandro da Silva. Os autores fizeram uma pesquisa entre os estudantes da Universidade Estadual de Ponta Grossa tentando identificar o que leva um aluno a entregar ao professor trabalhos prontos, retirados da internet.

Entrevistando 276 alunos, os pesquisadores obtiveram que 41% da amostra já entregaram ao professor trabalhos retirados da internet. O principal motivo alegado foi “falta de tempo” (28%), “preguiça de pesquisar” (4%) e “tinha todo conteúdo que precisava” (3%).

Os alunos apontam para o professor como o responsável por esta prática. A exigência de trabalho sem que o professor faça uma análise crítica (e até mesmo uma leitura do mesmo) e o fato do trabalho não estar associado a um projeto pedagógico (tema sem vínculo com a disciplina, por exemplo) são as razões apontadas no estudo.

Para leitura, clique aqui (para associados)

Salário de professor

setembro 28, 2007

Outra figura do The Economist: agora salário de professores.

Teaching in Turkey and South Korea has a very high status, with earnings more than double the average income per head. In Germany and Japan teachers are high up the pay scale, but they are somewhat less valued in Italy, France and America.

Rir é o melhor remédio

junho 19, 2007

Sapo Professor

A mocinha passeava à beira de um lago, quando, de repente, apareceu um sapo dizendo:

– Olhe, eu sou um professor, solteiro, recém-formado, mas fui transformado em um sapo por uma bruxa malvada. Se você me beijar, eu volto ao normal e me caso com você. seremos felizes para sempre!

A mocinha, toda contente, pegou o sapo e o colocou na bolsa. E foi andando para casa. O sapo começou a ficar impaciente e perguntou:

– Ei moça! Quando é que você vai me beijar?

Ela respondeu:

– Nunca. Um sapo falante dá muito mais dinheiro do que um marido professor.

(Enviado por André Calvo)

O que determina a qualidade do professor

novembro 1, 2006

Numa pesquisa realizada no Canadá, Florian Hoffmann e Philip Oreopoulos, tentaram verificar o que determina a qualidade do professor. Apesar do cuidado dos autores em observar o impacto do status do professor e o seu salário, a conclusão de que estas variáveis não interferem parece questionável e polêmico.

Clique aqui