Archive for the ‘risco país’ Category

A força dos Emergentes

novembro 16, 2007

A The Economist desta semana (que deve chegar aos assinantes brasileiros na segund-feira) lembra da força dos emergentes (Aqui).

O gráfico é ilustrativo do crescimento do mercado brasileiro, desde 2003: 900%. Mas o risco é elevado, embora a revista chame a atenção para a existência de diferenças entre os países.

Para a revista, as economias mais arriscadas são Índia, Turquia e Hungria (vide figura 3). A reportagem destaca o grande número de oferta pública de ação e a valorização do real.

Anúncios

Fazendo negócios no Brasil

outubro 23, 2007

Ser empresário no Brasil não é fácil. Os relatórios apontam para dificuldades de abrir uma empresa, conseguir uma autorização da burocracia etc. Um relatório do Banco Mundial faz uma análise comparativa, e a posição do Brasil é muito ruim. Clique aqui para ter acesso. E aqui numa planilha Excel. Aqui, os links via Financial Times.

Risco dos emergentes

setembro 14, 2007

Risco persiste nos emergentes. Brasil parece melhor preparado
Joanna Slater – The Wall Street Journal

Depois de recuperarem-se heroicamente da recente turbulência financeira, os mercados emergentes estão com desempenho melhor que os dos Estados Unidos e Europa. Foi uma vitória para os investidores que argumentavam que esses mercados têm fundamentos mais sólidos do que antes, e melhores perspectivas de crescimento que os países desenvolvidos.

Mas embora a maioria desses mercados esteja bem mais firme que no passado, nem todos estão em forma financeiramente. Alguns têm problemas que lembram os emergentes do passado — e como naqueles tempos, podem deixar muitos investidores ingênuos com prejuízos.

Entre os países na lista de observação estão Turquia e Hungria, que gastam mais do que poupam; Venezuela e Argentina, por causa de suas controversas políticas econômicas; e até México e Israel, cujas enormes indústrias de exportação seriam vulneráveis a um desaquecimento na economia americana.

(…) Alguns, como Brasil e Rússia, acumularam reservas impressionantes e reduziram suas tomadas de empréstimo externo, o que melhorou bastante sua capacidade de suportar mais instabilidade.

(…) Outros discordam, notando que os EUA continuam sendo um consumidor importante, especialmente para América Latina e Ásia. México, Israel e Colômbia estão entre os países particularmente vulneráveis a um declínio da demanda dos EUA, que foram destino de mais de um terço das exportações deles no ano passado, segundo o Fundo Monetário Internacional. O México é de longe o mais exposto: 85% de suas exportações foram para os EUA.

Ações individuais também estão suscetíveis. O Morgan Stanley analisou as 20 empresas com maior valor de mercado em seu índice de emergentes e concluiu que sete dependiam dos EUA para mais de 20% de suas receitas: a Infosys Technologies e a Reliance Industries, da Índia; a Teva Pharmaceuticals, de Israel; a TSMC e a Hon Hai Precision, de Taiwan; a Cemex, do México; a Samsumg Electronics, da Coréia do Sul; e a Petrobras. Entre as empresas que obtêm mais de 30% de suas vendas nos EUA, segundo o Citigroup, estão a Embraer, a peruana Southern Copper e a mexicana Gruma.

Onde o risco do Brasil é maior?

setembro 13, 2007

A The Economist faz um ranking, por país, do risco, dividindo sua análise em tópicos. Para o Brasil os pontos positivos são o risco de estabilidade política (nota B, 25o. lugar), o risco macroeconômico (B, 40o. lugar, com melhoria em relação a penúltima pesquisa) e o risco vinculado ao comércio exterior (B, 32o. lugar).

Os problemas do Brasil? Risco de efetividade do governo (nota D, 68o. lugar), da política de impostos (D, 63o. lugar) e da infra-estrutura (nota D, 63o. lugar).

Coerente.

Brasil pode ser muito afetado pela crise, segundo a ONU

setembro 6, 2007

A ONU alerta que uma real turbulência no mercado financeiro internacional ainda virá, que a crise pode se aprofundar e que, nesse cenário, o Brasil será um dos países mais afetados. (…) Para a ONU, o resultado da política monetária brasileira é “decepcionante”, os custos são “insustentáveis para a economia real” e a especulação do real só tende a crescer. (…)

Na opinião de Flassbeck, a decisão do Banco Central de acumular reservas ao mesmo tempo que mantém juros altos está “equivocada”. “Os custos de manter essa reserva são enormes e quem está pagando por isso são os contribuintes .”

(…) Segundo o documento, as altas taxas de juros, aliadas à valorização do câmbio, acabam criando oportunidades para a especulação internacional com o real. O resultado disso é uma queda também na competitividade brasileira. A especulação seria tão intensa em volume como nos momentos antes do regime monetário adotado em 1999.

ONU vê mais problemas para o Brasil, Jamil Chade, O Estado de São Paulo, 06/09/2007

Crise imobiliária e reputação das agências de rating

setembro 3, 2007

Acredita-se que o Brasil deverá receber nos próximos meses o grau de investimento por parte das agências de rating.

O problema é que as agências estão sendo questionadas pelo comportamento no caso da crise imobiliária dos EUA. Uma reportagem do Estado de S. Paulo de 02/09/2007 tenta fazer este vínculo (Crise imobiliária dos EUA faz estragos nas agências de rating, Patrícia Campos Mello, p. B10)

“A reputação das agências foi bastante prejudicada; só vamos saber a extensão do dano quando a crise acabar”, disse ao Estado Lawrence J. White, professor de Economia da Universidade de Nova York, que vê semelhanças com a situação de empresas de auditoria como a Arthur Andersen durante os escândalos contábeis. As ações da Moody’s, negociadas a mais de US$ 70 há três meses, estão hoje na faixa dos US$ 45.

(…) Segundo ele, é um problema inerente à função das agências, que tentam apresentar um panorama de longo prazo, e não flutuações diárias na saúde financeira. O segundo problema, segundo White, é que essas empresas têm consciência da importância de seus ratings – os mercados respondem vigorosamente a uma promoção ou rebaixamento de nota. Um grau de investimento funciona como um selo de qualidade que economiza milhões em juros de empréstimos. Já um rebaixamento pode custar milhões a uma empresa ou mesmo excluí-la de alguns negócios – certos fundos são proibidos, em seus estatutos , de comprar títulos de empresas ou países que não tenham atingido o grau de investimento.

A visão do Brasil e Argentina pelo investidor estrangeiro

maio 23, 2007

O blog de Yaser Anwar apresenta longas análises sobre investimento. Recentemente teve uma análise sobre investimento no Brasil e na Argentina, com análise dos fundamentos da economia. A conclusão final do blog foi de que a qualidade da governança permanece pobre, podendo ser afetada pelo aumento do autoritarismo dos governos da América Latina.

Notícias

dezembro 20, 2006


1. Controle de capital na Tailândia – A Bolsa de Valores de Bangcoc caiu 14,8% depois do anúncio pelo governo da Tailândia de medidas para controlar o movimento de capitais

2. Cheira mal – O ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Carlos Villegas, afirmou que o governo brasileiro desistiu da arbitragem internacional. Irá adotar a negociação para determinar o preço do gás natural.

3. Risco Brasil – Apesar das notícias, o risco Brasil atingiu o menor patamar desde que começou a ser medido: 199 pontos.

4. Coca compra Sucos del Valle – clique aqui para ler

Rating

novembro 28, 2006


Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, a principal razão para mudança no rating de uma empresa é a melhoria do risco país.