Archive for the ‘spread bancário’ Category

Spread Bancário

novembro 10, 2006

A taxa de juros está caindo mas o lucro dos bancos continua aumentando. Uma possível explicação é o spread bancário. Reportagem da Folha do dia 06/11 mostra o spread brasileiro está acima de 10%, muito acima da Argentina (1,4%) e mesmo da Venezuela (10,6%). Com diz a sabedoria, o melhor negócio no Brasil é ser dono de um banco; o segundo melhor negócio no Brasil é ser dono de um banco mal administrado. Clique aqui para ler.

Já reportagem do Estado de S. Paulo informa que nosso spread é 19% para 6%. Os números são diferentes, mas a realidade é a mesma: o spread nosso é elevado. Clique aqui para ler.

Uma reportagem do Valor Econômico, do dia 06 de novembro, destaca que pela primeira vez um banco brasileiro informou o efeito da queda da taxa de juros sobre o seu resultado. Segundo o Itaú, cada redução da taxa de juros reduz R$268 milhões da sua receita (mas não lucro):

Bancos apostam no crédito imobiliário

Maria Christina Carvalho
Toda vez que o juro básico cai os analistas perguntam se os bancos vão manter os lucros cintilantes no futuro, à medida que a queda da taxa avançar. Pela primeira vez um banco divulgou exatamente quanto perde com a queda dos juros. Em teleconferência com analistas, na semana passada, o Banco Itaú informou que sua receita consolidada diminui em R$ 268 milhões a cada queda de um ponto da taxa básica de juros. Desde setembro do ano passado, a taxa básica já caiu seis pontos, o que significa uma perda ao redor de R$ 1,6 bilhão para o Itaú. Mas, os lucros do banco não param de subir. Nos doze meses acumulados desde então, o Itaú teve um lucro líquido de R$ 5,847 bilhões, 40% superior aos R$ 4,171 bilhões ganhos nos doze meses anteriores, terminados em setembro de 2005.

O vice-presidente Alfredo Setubal afirmou que o banco pode compensar a perda de receita com o aumento do volume de crédito, oferta de mais serviços aos clientes e forte atuação nos custos. Nos doze meses terminados em setembro, o Itaú ampliou em 28,5% a carteira de crédito, para R$ 79,2 bilhões, sem contar as operações do BankBoston, incorporadas no terceiro trimestre. Somente o crédito para pessoas físicas saltou 41,6%, puxado pelo financiamento de veículos, que deu uma arrancada de 66,7% para R$ 15,766 bilhões. O crédito pessoal aumentou 27% para R$ 12,974 bilhões; e o cartão de crédito quase isso (26,6%) para 12,974 bilhões.

Acredita-se que o desafio será maior quando a taxa cair para um dígito. O professor da PUC-SP e ex-economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Roberto Troster, acredita que a taxa básica de juros chegará a um dígito já em 2008. “Os piores cenários são bons cenários tanto no exterior quanto no mercado interno”, disse. Já o professor André Carvalhal, do Instituto Coppead de Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), não espera a queda do juro nominal caia para um dígito antes de três a quatro anos: “Depende da política do futuro governo e o mercado internacional ainda é uma incógnita. Fora nosso dever de casa para fazer”.

Valor Econômico de 6/11

Anúncios