Archive for the ‘Usiminas’ Category

Presidente da Usiminas é multado

agosto 8, 2007

Reportagem da Folha (07/08/2007) informa que a CVM multou o presidente da Usiminas, Rinaldo Campos Soares, em R$ 1 milhão para própria siderúrgica. Soares realizou pagamentos, sem comprovar os serviços, à SMP&B Propaganda, agência do publicitário Marcos Valério.

Ocorreu neste caso uma simulação de serviço com a finalidade de transferir recursos para campanhas políticas.

De acordo com a CVM, o valor da indenização a ser paga por Soares é superior aos eventuais prejuízos levantados na acusação. A previsão é que os recursos cubram os prejuízos causados aos acionistas da siderúrgica pelos pagamentos considerados irregulares.

Anúncios

Multas e multas

julho 12, 2007

Algo está mudando no mercado de capitais do Brasil!

Primeira notícia

Rinaldo terá de pagar R$ 1 milhão à Usiminas
Mônica Ciarelli – O Estado de São Paulo – 12/07/2007

O presidente da Usiminas, Rinaldo Campos Soares, se comprometeu a pagar R$ 1 milhão aos cofres da siderúrgica para revogar um inquérito administrativo aberto pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). O inquérito foi aberto para investigar as suspeitas de irregularidades em pagamentos feitos pela siderúrgica à SMP&B Propaganda, do empresário Marcos Valério. O termo de compromisso entre a CVM e o presidente da Usiminas foi assinado ontem e o valor estabelecido supera os prejuízos aos acionistas da companhia pelos pagamentos irregulares constatados pela CVM. O processo investigava o pagamento à agência publicitária sem a devida comprovação dos serviços prestados e sem a formalização da aprovação prévia dos custos e escopos do trabalho.

Além do pagamento, o acusado se comprometeu a contratar uma empresa de auditoria externa para efetuar a revisão dos procedimentos utilizados pela Usiminas para a contratação e pagamento dos serviços.

Segunda Notícia

Pactual faz acordo e paga multa à CVM
Gazeta Mercantil – 12/07/2007

São Paulo, 12 de Julho de 2007 – André Esteves e Aldo Santos Laureno, dois dos principais executivos do banco Pactual (hoje UBS Pactual), firmaram ontem um termo de compromisso comprometendo-se a pagar à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) uma multa de R$ 8,1 milhões para pôr fim a um processo que investigava operações feitas entre a instituição e a Romanche Investment Corporation LLC, no mercado de câmbio entre 2002 e 2004.

O processo tinha como objetivo investigar a ocorrência de operações conhecidas no jargão do mercado como “esquenta-esfria”, engenharia financeira aplicada na operação que permite a um banco remeter para o exterior lucros obtidos no País, reduzindo impostos. (…)

CSN e Usiminas

novembro 9, 2006

Os resultados da CSN e Usiminas foram afetados pelo câmbio e pela despesa financeira. Talvez a situação melhore nos próximos meses com a mudança cambial. A seguir reportagem do Estado de hoje sobre o tema:

CSN e Usiminas ganham menos

Perdas com o câmbio e com operações financeiras afetam o desempenho das siderúrgicas

Agnaldo Brito

O lucro líquido da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e da Usiminas caiu no terceiro trimestre deste ano, de acordo com os balanços das duas empresas divulgados ontem. Segundo analistas, o aumento de despesas financeiras foi responsável pela queda do lucro. Apesar da redução além da expectativa do mercado, os analistas continuam confiantes no desempenho das duas empresas e mantém recomendação de compra dos papéis.

A tendência de retomada do crescimento da economia brasileira faz com que as expectativas sobre o desempenho das empresas no mercado interno melhore nos próximos meses. “A situação do setor é boa. Ainda que haja queda de preços no mercado internacional, a tendência de retomada do crescimento da economia brasileira garante um bom desempenho”, afirma Pedro Roberto Galdi, analista de mineração e siderurgia do ABN Amro.

A CSN apurou um lucro líquido 35% mais baixo do que o registrado no penúltimo trimestre do ano passado, o valor nominal baixou de R$ 516,8 milhões para R$ 334,2 milhões. Segundo Galdi, a despesa financeira da CSN cresceu substancialmente no último trimestre.

O saldo negativo do segundo trimestre deste ano para o terceiro subiu de R$ 101 milhões para R$ 437 milhões. “A informação no balanço é de que foi uma operação com derivativos a responsável por esse resultado”, explica. A explicação sobre a operação que impactou o resultado do trimestre deverá ser dada hoje, quando a diretoria financeira da empresa irá fazer a apresentação do balanço.

USIMINAS

O desempenho da Usiminas foi melhor que o da CSN, embora o lucro também tenha sido afetada por um resultado financeiro ruim. A siderúrgica obteve, segundo balanço, lucro líquido de R$ 715 milhões no trimestre, uma redução de 9% em relação ao mesmo período do ano passado, quando o valor atingiu R$ 728 milhões.

Galdi, do ABN Amro, esperava um lucro líquido ligeiramente melhor, principalmente em razão da expectativa sobre a elevação do faturamento da companhia. A receita líquida da Usiminas chegou a R$ 3,127 bilhões e a expectativa do analista era de R$ 3,3 bilhões.

O presidente da Usiminas, Rinaldo Campos Soares, disse ontem que os principais fatores para a queda do lucro líquido da Usiminas no terceiro trimestre foram o câmbio e os preços menores dos produtos siderúrgicos. Apesar disso, ele apontou que o resultado foi melhor que o esperado. Ele explicou que, no acumulado de janeiro a setembro de 2005, o dólar médio esteve cotado a R$ 2,50, enquanto que, no mesmo período deste ano, a média foi de R$ 2,18. Soares afirmou ainda que os preços dos produtos siderúrgicos neste ano será menor do que o praticado no ano passado. “A demanda interna era muito grande no ano passado”, disse.

Para Cristiane Viana, analista de siderúrgica e mineração da Ágora Senior, o resultado da Usiminas foi considerado bom, embora tenha registrado ligeira queda do lucro líquido. “A Usiminas superou as expectativas. A pequena queda no lucro não chega a ser preocupante. A recomendação de compra das ações da empresa está mantida”, diz Cristiane.

Sobre a CSN, a analista considerou o resultado do 3º trimestre normal e não acredita que a redução do lucro irá comprometer o balanço final do ano. Ela lembrou que o problema com uma operação de derivativos no item “despesas financeiras” influenciou negativamente o lucro líquido. Segundo ela, foi uma operação de tesouraria a responsável pelo efeito negativo.

COLABOROU RAQUEL MASSOTE