Archive for the ‘vendas’ Category

Faturamento das Multis

dezembro 10, 2007

Uma notícia no sítio da Terra:

“Multinacionais dos EUA faturam três vezes mais no País”

O País refere-se ao Brasil. Como seria possível que o faturamento destas empresas seja maior no Brasil que nos Estados Unidos? O primeiro parágrafo esclarece:

“Pesquisa do Brazil-US Business Council mostra que o faturamento das empresas norte-americanas no País cresceu cerca de três vezes mais do que o crescimento que elas atingiram em outros mercados no mundo. Enquanto aqui as vendas dessas multinacionais subiram 18,8% ao ano, a média mundial de crescimento dessas mesmas empresas é de 4,8%.”

P.S. Observe que o texto usou faturamento e vendas como sinônimos.

Anúncios

Toyota, a maior empresa de automóveis do mundo

abril 25, 2007

A notícia já era esperada: a Toyota tornou-se a maior montadora em vendas do mundo. Segundo o Wall Street Journal

Agora líder, Toyota tende a reduzir a marcha
25/04/2007
Por Amy Chozick em Tóquio e Norihiko Shirouzu em Detroit

A Toyota Motor Corp. ultrapassou a General Motors Corp. em vendas trimestrais pela primeira vez, um fato que ressalta a profunda mudança ocorrida na indústria automobilística mundial antes dominada pelas Três Grandes de Detroit.

Ultrapassar a GM nas vendas mundiais, ainda que apenas num trimestre, é um feito que coroa a notável expansão da montadora japonesa, que tinha pouco mais de metade do volume de vendas da rival americana uma dúzia de anos atrás. Mas a Toyota também tem de lidar com alguns dos desafios de ser grande: a empresa teve mais recalls nos Estados Unidos, sua equipe de engenharia tem dificuldades para dar conta de uma gama crescente de veículos e a empresa até se tornou um alvo de críticas de alguns grupos ambientalistas.

Além disso, a batalha pelo domínio do mercado mundial vai nos próximos anos migrar dos EUA — onde a Toyota se beneficiou durante anos de um legado de erros das montadoras de Detroit — para mercados emergentes como China e Índia, onde a GM é um rival mais forte e empresas locais cheias de energia estão aprendendo a competir ao seguir a cartilha da própria Toyota.

(…) A empresa decidiu no ano passado adiar os lançamentos de alguns novos modelos em até meio ano para desacelerar o ritmo de desenvolvimento de produtos, de modo que os engenheiros possam realizar mais testes de qualidade, como a montagem de protótipos. Watanabe disse ao Wall Street Journal no ano passado que seus engenheiros podem ter em alguns casos apressado o lançamento de produtos, pulando esses testes e confiando demais em simulações de computador para assegurar a qualidade. (…)

Para a GM, o salto da Toyota pode ser um ponto a favor, enquanto seu presidente Rick Wagoner tenta acelerar cortes de custos e melhorar a rentabilidade na América do Norte. A GM está dentro do cronograma para obter cortes de US$ 9 bilhões em despesas fixas este ano, ante 2006, mas analistas dizem que ela precisa ainda cortar quase a mesma quantia. Por mais de um ano, a empresa seguiu uma estratégia de reduzir capacidade e abdicar de vendas pouco lucrativas para frotas de locadoras nos EUA, reconhecendo na prática que estava pagando um preço muito alto para ser a número 1.

“É melhor vender 4 milhões (de veículos) com lucro de US$ 5.000 (em cada) do que 5 milhões sem lucro”, disse este ano o vice-presidente do conselho da GM, Bob Lutz.

Desempenho das Empresas Abertas

dezembro 24, 2006


Também da Folha de hoje (Lucro de empresas abertas mais que triplica na era Lula, ADRIANA MATTOS)

Nos quatro anos de governo Lula, o lucro das empresas de capital aberto no país mais que triplicou e a receita com vendas foi engordada em um terço em relação ao governo anterior, de FHC. Siderúrgicas, mineradoras e empresas de telefonia foram as que mais ganharam, informa levantamento da Economática para a Folha. Mas os resultados não são reflexo de medidas governamentais que favoreceram o desempenho do setor privado, diz Fernando Exel, presidente da consultoria. (…)

Os elevados ganhos com exportação explicam a escalada nas vendas -mesmo com o tropeço do câmbio, que afetou a rentabilidade das vendas externas. Quanto aos lucros, a redução na despesa financeira das companhias afetou diretamente esse indicador de forma positiva. Isso porque o dólar barato diminuiu o valor das dívidas na moeda americana.

Outras razões, ligadas a processos de redução de custos e reestruturação dos negócios de companhias nos últimos anos, também tiveram peso. (…)

De 2003 até setembro de 2006, quando os últimos números foram publicados pelas companhias, a receita com vendas somou R$ 1,4 trilhão. Falta somar a performance de outubro a dezembro, que deve puxar o número para cima.

Nos quatro anos de governo tucano de 1999 a 2002, esse montante foi menor, de R$ 1 trilhão. A expansão de 32,3% equivale a um aumento de 8% ao ano -superior ao crescimento anual do PIB na era Lula, de 2,65% (taxa média baseada em estimativas para 2006).

(…) Quanto ao lucro líquido, ele pulou de R$ 40,2 bilhões para R$ 140,7 bilhões, uma elevação de 250%, ou seja, duas vezes e meia maior. As empresas privadas que mais lucraram nos anos de governo petista foram Vale do Rio Doce, Usiminas, Gerdau, Cemig e Telemar Norte Leste.

(…)

Os dez mais

outubro 20, 2006


Os dez albuns mais vendidos de todos os tempos:

1) Michael Jackson – Thriller (1983) – 54 Milhões
2) AC/DC – Back In Black (1980) – 42 milhões
3) The Eagles – Greatest Hits 1971-75 (1976) – 41 milhões
4) Trilha – Saturday Night Fever (1978) – 40 milhões – Música de Bee Gees no filme de John Travolta
5) Trilha – The Bodyguard (1992) – 37 milhões – Whitney Houston canta no Guarda-costas
6) Meat Loaf – Bat Out Of Hell (1978) – 37 Milhões
7) Pink Floyd – The Dark Side Of The Moon (1973) – 35 milhões
8) Shania Twain – Come On Over (1997) – 35 milhões
9) The Beatles – Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967) – 32 milhões
– Considerado o album mais importante da história do Rock.
10) Trilha – Dirty Dancing (1987) – 32 milhões0

Fonte: RetroDawg